Edição online semanal
 
Quarta-feira 29 de Setembro de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

UM 'MOMENTO BREXIT' PARA A SUÍÇA

25-06-2021 - Georg E. Riekeles

A recente decisão do governo suíço de se retirar das prolongadas negociações para a assinatura de um acordo-quadro com a União Europeia gerou uma profunda crise nas relações bilaterais. Para a UE, o resultado é administrável: haverá uma deterioração da relação económica, mas não afectará muito. As consequências para a Suíça, porém, podem ser mais drásticas. Seu futuro acesso ao mercado único da UE está ameaçado, e a ruptura pode obrigá-lo a repensar sua relação com o bloco, quase tão fundamental quanto a que o Reino Unido teve de fazer após o referendo de 2016 ao Brexit.

A Suíça não é um estado membro da UE, mas em muitos aspectos é parecido. Por meio de cerca de 120 acordos bilaterais, a Suíça faz parte do Espaço Schengen, está altamente integrada à UE em áreas como transporte, pesquisa e o programa de intercâmbio de estudantes Erasmus, e tem acesso total ao mercado comum em sectores que vão desde o financeiro ao farmacêutico indústria.

Em suma, é provável que a Suíça obtenha mais do mercado comum do que qualquer outro país europeu, por muito pouco. De acordo com um estudo realizado em 2019 pela Bertelsmann Stiftung, o acesso ao mercado comum aumenta a renda per capita anual da Suíça em 2.900 euros ($ 3.515) (muito mais do que a média da UE, que é de 1.000 euros); entretanto, a correspondente contribuição financeira suíça (quando paga) custa aos suíços menos de € 14 per capita por ano.

O uso gratuito do relacionamento não é apenas económico. O "modo bilateral" tão apreciado pelos suíços desde que rejeitaram a entrada no Espaço Económico Europeu (EEE) num referendo de 1992 tem como grande problema a falta na Suíça de um processo contínuo de actualização da legislação do mercado comum. Para a opinião pública suíça, as leis do país não podem ser interpretadas por "juízes estrangeiros". Mas isso é incompatível com a aplicação uniforme de regras supranacionais, que é um requisito para a participação no mercado comum.

O acordo-quadro institucional alcançado entre a UE e a Suíça em 2018, após cinco anos de negociações, foi uma tentativa tardia de garantir uma relação bilateral sustentável e abrir caminho para a expansão do acesso da Suíça ao mercado europeu. Para tornar o acordo possível, a UE fez grandes concessões às preocupações com a soberania suíça.

Em vez de exigir a incorporação automática da legislação europeia no mercado comum, a UE concedeu à Suíça um processo interno de três anos para a sua aprovação (com possibilidade de o submeter a referendo da população). E, em vez de insistir na atribuição de competência exclusiva ao Tribunal de Justiça da União Europeia, o bloco aceitou um mecanismo de arbitragem para a resolução de litígios, pelo qual a intervenção do TJEU se limitaria à interpretação conceptual do direito comunitário.

Uma concessão importante da UE foi que o acordo-quadro só se aplicaria a cinco acordos comerciais em áreas que incluíam os transportes e a livre circulação de pessoas. O acordo bilateral de livre comércio de 1972 foi explicitamente excluído e as duas partes contentaram-se em fazer uma declaração de compromisso político para modernizá-lo posteriormente.

Mas, apesar dessas concessões (que colocam em risco a justiça do mercado comum), o governo suíço nunca assinou o acordo-quadro (nem mesmo o defendeu). A estratégia suíça, ao contrário, sempre foi de agregar demandas, até que finalmente o país abandonou as negociações.

Um ponto crítico nas negociações foi o desacordo sobre os auxílios estatais. Como parte do acordo-quadro, a UE ofereceu um esquema de dois pilares, segundo o qual as regras da UE seriam aplicáveis ​​à Suíça, mas implementadas por meio de um mecanismo de supervisão autónomo da Suíça, com poderes equivalentes aos da Comissão Europeia. No entanto, quando a UE negociou o relacionamento pós-Brexit com o Reino Unido, alguns na Suíça sentiram que os britânicos haviam chegado a um acordo "melhor" de ajuda.

Essa "inveja do Brexit" é totalmente infundada. O Brexit implica que o Reino Unido abandone inteiramente o mercado comum, enquanto a razão de ser do acordo-quadro é a permanência da Suíça.

Um aborrecimento ainda maior para a UE foram as objecções suíças ao direito dos cidadãos europeus de acessar seus benefícios sociais em regime de liberdade de movimento e as preocupações suíças sobre uma possível pressão de redução dos salários. Mas esses argumentos também são insustentáveis.

Após o referendo suíço de 2014 'contra a imigração em massa', a UE aceitou que a Suíça poderia, por lei, obrigar seus empregadores a dar prioridade aos trabalhadores locais. O acordo-quadro permite medidas de protecção dos salários suíços (desde que não sejam discriminatórias ou desproporcionais). E o TJUE reconheceu que a liberdade de circulação não é absoluta e que os Estados-Membros podem excluir os cidadãos europeus que não exercem uma actividade económica do direito aos seus benefícios.

A UE não pode fazer mais concessões. Precisamente porque essas questões difíceis não afectam apenas a Suíça, a UE não pode abrir excepções. A igualdade de tratamento de todos os países é importante, não só para a integridade do mercado comum, mas também para a viabilidade política da UE. A concessão de privilégios a países não pertencentes ao bloco que nem mesmo os Estados membros possuem pode encorajar mais desistências. A UE e a Suíça têm de encontrar soluções dentro de um quadro regulamentar comum, não fora dele.

Muitos na Suíça não percebem os privilégios exorbitantes que o país tem em suas relações com a UE, e que esse tipo de condicionamento não pode mais continuar após o Brexit. Em geral, o governo suíço não demonstrou muito interesse em chegar a um acordo de comércio justo com a UE, e agora o colapso das negociações o expõe a algumas consequências económicas imediatas.

Para começar, o futuro acesso ao mercado comum de electricidade e saúde está fora de questão. E em 26 de Maio, a Suíça perdeu acesso ao mercado europeu de novos dispositivos médicos, devido à falha na actualização do Acordo de Reconhecimento Mútuo entre a UE e a Suíça. A próxima coisa será maquinaria e produtos químicos. As duas economias se desacoplarão gradualmente nesses sectores, a um custo estimado para a Suíça de até € 1,2 bilhão por ano.

Em breve, a UE terá de tomar outras decisões difíceis, em particular no que diz respeito à participação da Suíça no programa de investigação Horizon Europe. Os benefícios mútuos da cooperação científica são óbvios. Mas enquanto os suíços não honrarem suas contribuições financeiras e desdenharem as tentativas de encontrar soluções institucionais viáveis, a única alternativa para a UE parece ser permanecer firme.

A cisão bilateral surge no momento em que o Reino Unido confronta abertamente a UE com o abandono de cláusulas-chave do protocolo para a Irlanda e a Irlanda do Norte e exigindo que a UE se conforme. O apoio norueguês ao EEE é cada vez mais instável, e várias alianças económicas mais amplas da UE estão em jogo.

Mas quem tem que tomar as decisões mais difíceis são os suíços. Uma pesquisa de opinião recente revelou que mais de 60% da população do país é a favor do acordo-quadro. Mas maiorias semelhantes apoiam o modelo do EEE, ou mesmo o dos acordos da UE com o Reino Unido e o Canadá.

Tal como a Comissão lembrou ao Governo suíço após o colapso das negociações, a relação bilateral necessita de uma modernização urgente. Mas em vez disso, você está entrando em território desconhecido.

GEORG E. RIEKELES

Georg E. Riekeles é Director Associado do European Policy Centre.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome