Edição online semanal
 
Sexta-feira 23 de Abril de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Uma redefinição realista para as relações EUA-Arábia

05-03-2021 - Richard Haass

A administração do presidente Joe Biden parece determinada a separar o relacionamento da América com o Reino do relacionamento com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. Mas essa separação provavelmente será impossível de sustentar.

relatório  divulgado sexta-feira pela comunidade de inteligência dos Estados Unidos sobre o assassinato do jornalista saudita e residente permanente nos Estados Unidos Jamal Khashoggi em Outubro de 2018 no consulado saudita em Istambul, na Turquia, confirma principalmente o que já sabíamos. A operação para capturar ou matar Khashoggi foi aprovada por Mohammed bin Salman, o príncipe herdeiro da Arábia Saudita e, em muitos aspectos, já a pessoa mais poderosa do Reino. MBS, como é amplamente conhecido, queria Khashoggi morto, tanto para se livrar de um crítico irritante quanto para intimidar outros possíveis críticos de seu governo.

É improvável que encontremos uma arma fumegante, mas as impressões digitais de MBS estão todas relacionadas ao assassinato de Khashoggi. Não há apenas evidências fotográficas e de comunicações abundantes de que foi realizado por pessoas próximas ao Príncipe Herdeiro. Há também a simples realidade de que nada de magnitude política significativa acontece na Arábia Saudita sem a autorização do MBS.

O governo do ex-presidente Donald Trump olhou para o outro lado na época, como costumava fazer em face de flagrantes violações dos direitos humanos. Além disso, Trump queria evitar uma ruptura com o MBS, cujas políticas anti-iranianas eram apreciadas e que eram vistas como fundamentais para a disposição de seu governo de comprar armamentos de fabricantes americanos.

A administração do presidente Joe Biden é diferente. Já distanciou os Estados Unidos do envolvimento nas operações militares sauditas no Iémen. E os direitos humanos estão ocupando um papel central em sua abordagem do mundo. O fato de Biden não ter se comunicado directamente com MBS e, em vez disso, telefonado para o enfermo Rei Salman, ressalta o desejo de Biden de separar a relação dos Estados Unidos com o Reino da relação com o Príncipe Herdeiro.

Mas essa separação provavelmente será impossível de sustentar. Os Estados Unidos não estão em posição de impedir sua ascensão ao trono quando seu pai morrer. Qualquer tentativa de fazer isso quase certamente fracassaria, no processo desencadeando uma reação nacionalista, causando instabilidade doméstica, ou ambos. E o fato é que os Estados Unidos têm muitos motivos para manter uma relação de trabalho com um indivíduo que provavelmente conduzirá por décadas um país crítico para estabelecer os preços mundiais da energia, contendo o Irã, frustrando o terrorismo e, se decidir fazê-lo, promoção da paz no Oriente Médio.

A Arábia Saudita não é o único país do mundo onde os EUA têm que lidar com um líder falho. O governo Biden acaba de assinar um importante acordo de controle de armas nucleares com a Rússia, embora o presidente Vladimir Putin tenha tentado matar - e agora prendeu - seu principal rival político. A principal diferença entre ele e o príncipe herdeiro saudita neste caso é sua competência em eliminar oponentes.

Ou considere a China. Funcionários do governo Biden acusaram o governo chinês de cometer genocídio contra a minoria Uigur. Nesse caso, eles estão acusando o presidente chinês Xi Jinping de genocídio, já que não há como o que está acontecendo na província de Xinjiang sem sua aprovação. Mesmo assim, Biden conversou recentemente com Xi e certamente se encontrará com ele regularmente para discutir a Coreia do Norte, comércio, mudança climática e muito mais.

Não me entenda mal. Biden não está errado em fechar acordos com Putin e Xi. Os interesses estratégicos e económicos dos Estados Unidos exigem isso, e a capacidade dos Estados Unidos de influenciar o comportamento da Rússia e da China em casa é limitada. Os EUA podem e devem criticar e punir, mas seria irresponsável e autodestrutivo manter todo o relacionamento bilateral com a Rússia ou a China refém de suas políticas internas. A política externa não se trata de sinalização de virtude; trata-se de promover interesses. Priorizar e compartimentar são essenciais.

No caso do MBS, esse realismo pode gerar oportunidades. A promessa de reuniões com funcionários do governo Biden deve ser trocada por um firme compromisso de que ele nunca mais terá como alvo um oponente político desta forma e que irá libertar defensores dos direitos humanos presos.

Trazer os sauditas para a diplomacia pode preservar a possibilidade de uma solução de dois estados para o conflito israelo-palestino. Os Emirados Árabes Unidos concordaram em normalizar as relações com Israel somente quando Israel concordou em não anexar o território palestino ocupado por pelo menos três anos. A MBS está supostamente pronta para construir pontes com Israel, mas seu pai não está, e grande parte da população saudita pode resistir. Mesmo um governo israelita comprometido com a expansão dos assentamentos judaicos nos Territórios Ocupados pode achar difícil resistir a restringi-los em troca de paz e laços diplomáticos com o Reino.

Deve demorar muito até que o MBS, agora exposto publicamente, seja convidado para os Estados Unidos, muito menos para visitar o Salão Oval. Mas recusar-se a negociar com ele não é a resposta. Relações pragmáticas e condicionais com ele podem trazer protecção e liberdade para muitos sauditas, possibilitar a colaboração para impedir as ambições nucleares do Irão, encerrar a guerra no Iémen e avançar as perspectivas de paz entre israelitas e palestinos. Nada disso traria Khashoggi de volta à vida, mas daria um significado adicional à sua morte.

RICHARD HAASS

Richard Haass, presidente do Conselho de Relações Exteriores, actuou anteriormente como Diretor de Planeamento de Políticas do Departamento de Estado dos EUA (2001-2003) e foi enviado especial do presidente George W. Bush à Irlanda do Norte e Coordenador para o Futuro do Afeganistão. Ele é o autor de The World: A Brief Introduction. (Penguin Press, 2020).

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome