Edição online semanal
 
Sexta-feira 23 de Abril de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Desventura da Europa em Moscovo

26-02-2021 - Ana Palacio

Quando os chanceleres da União Europeia se reunirem no dia 22 de Fevereiro, terão de enfrentar as consequências políticas da infeliz visita a Moscovo de Josep Borrell, o alto representante da UE para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança. Espera-se que as deliberações catalisem o progresso tão necessário no desenvolvimento de uma política europeia coerente em relação à Rússia.

O momento da visita de Borrell a Moscovo - a primeira de um funcionário da UE desde 2017 - foi estranho, para dizer o mínimo. Nas semanas anteriores à sua chegada, o líder da oposição russa Alexei Navalny voltou da Alemanha para a Rússia, onde estava se recuperando desde Agosto do ano passado do que provavelmente foi um envenenamento ordenado pelo Kremlin. Navalny nem mesmo conseguiu sair do aeroporto antes de ser preso.

Após procedimentos judiciais apressados ​​e absurdos, Navalny foi condenado  a quase três anos em uma colónia penal. Isso gerou uma onda de protestos - e uma onda de repressão por parte do Kremlin. A polícia  prendeu  milhares de manifestantes, muitas vezes usando força excessiva.

Borrell foi para Moscovo de qualquer maneira. Em sua opinião, ao “deixar de lado a retórica negativa”, a visita seria um “bom ponto de partida para um diálogo franco entre a UE e a Rússia”. A lógica não está totalmente errada. Como reconheceu a  chanceler alemã Angela Merkel após a viagem, a UE tem a "obrigação diplomática" de manter abertos os canais de comunicação com a Rússia.

Mas tentar restabelecer relações com o Kremlin de uma posição diferente da força é uma receita para o desastre. Borrell aprendeu isso da maneira mais difícil em uma conferencia de imprensa conjunta em Moscovo, quando o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, chamou a UE de "parceira não confiável" e acusou seus líderes de mentir sobre o envenenamento de Navalny.

Enquanto Lavrov fazia sua apresentação - claramente destinada aos espectadores russos - Borrell, aparentemente surpreso, permaneceu em silêncio. Então, para piorar, o Kremlin expulsou três diplomatas europeus da Rússia por supostamente participarem de comícios em apoio a Navalny - uma decisão que Borrell tomou conhecimento durante uma reunião com Lavrov.

Após seu retorno a Bruxelas, Borrell enfrentou duras críticas no Parlamento Europeu, onde mais de 70 representantes pediram sua renúncia pelo que eles descreveram  como "eventos humilhantes". Borrell defendeu sua decisão de visitar Moscovo, apesar dos "riscos óbvios", argumentando que "ele queria ver se as autoridades russas estão interessadas em uma tentativa séria de reverter a deterioração de nossas relações".

Agora que é evidente que não, acrescentou Borrell, ele faria "propostas concretas" para implementar sanções maiores, a serem discutidas na reunião de 22 de Fevereiro. O chefe do Estado-Maior da Navalny, Leonid Volkov, e o director executivo da Navalny Anti-Corruption Foundation, Vladimir Ashurkov, também participaram de uma vídeo chamada com outros funcionários da UE para discutir os próximos passos.

Mas sejam quais forem essas medidas, elas devem ir muito além de confrontar a Rússia sobre os eventos da semana passada. Afinal, o fiasco é simplesmente o sintoma de um problema muito mais profundo: a UE carece de uma visão estratégica, especialmente em relação à Rússia.

Para a Europa, a Rússia sempre foi como uma boneca matryoshka : familiar e surpreendente, simples e intrincada, reconhecível e inescrutável. Ou, como descrito  por Winston Churchill excelentemente em 1939, a Rússia é "um enigma envolto em um mistério, dentro de um enigma". Mas, em sua próxima frase menos lembrada, Churchill identificou a chave para decifrá-la: o interesse nacional da Rússia.

Ninguém está mais ciente disso do que o presidente russo, Vladimir Putin, que construiu sua carreira política convencendo os russos de que nada defenderá melhor seus interesses do que sua liderança. Há muito tempo Putin retratou a dissolução da União Soviética como parte de um plano ocidental para minar e marginalizar a Rússia, contando uma história de humilhação que convenientemente ignorou os fracassos domésticos. O relato de Putin argumenta que enfrentar o Ocidente e restaurar o status da Rússia como potência mundial indispensável é essencial para corrigir essa injustiça - e apenas Putin pode fazer esse trabalho.

Essa estratégia de vingança foi exemplificada pela anexação da Crimeia pela Rússia em 2014, que Putin retratou como um esforço para corrigir erros históricos e uma resposta razoável à expansão da OTAN para o leste. Seu índice de aprovação subiu  20 pontos percentuais.

Putin também está plenamente ciente do revés estratégico na Europa. Embora os Estados Unidos pelo menos mereçam o respeito de serem tratados como arqui-inimigos do Kremlin, a UE tem sido alvo de caricaturas na mídia altamente controlada da Rússia, como revelou o tratamento dado por Lavrov a Borrell. Desmascarar o modelo europeu foi tacticamente útil para Putin - e, até agora, não custou nada. De fato, enquanto os líderes europeus repreendiam Borrell, a Alemanha reafirmou seu apoio a um dos principais projectos de Putin: o gasoduto Nord Stream 2, que fornecerá gás directamente da Rússia.

Para não ficar atrás, a Europa deve despertar. Isso significa não apenas falar bem de objectivos estratégicos compartilhados, mas também tomar medidas coordenadas para realizá-los. Talvez a desastrosa visita de Borrell a Moscovo - junto com a promessa do presidente dos EUA, Joe Biden, de que os dias de "virar a cabeça contra as acções agressivas da Rússia" acabaram - forneça o ímpeto de que a Europa precisa.

ANA PALACIO

Ana Palacio, ex-ministra de relações exteriores da Espanha e ex-vice-presidente sénior e conselheira geral do Grupo Banco Mundial, é professora visitante na Universidade de Georgetown.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome