Edição online semanal
 
Sábado 27 de Fevereiro de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A Grande Retoma?

22-01-2021 - Mohamed A. El-Erian

Para as pessoas em todo o mundo, sem dúvida a maior esperança é que 2021 seja um ano de benéfica transformação: economias em rápida recuperação, empresas ansiosas para competir com modelos de negócios "redimensionados" e governos anunciando que vão "reconstruir melhor". O risco, ainda insuficientemente avaliado, é que os tomadores de decisão acabem gastando a maior parte (e muito) do ano lidando com os danos existentes e novos do choque do COVID-19.

Existem quatro boas razões para ser optimista em relação a 2021. Em primeiro lugar, os cientistas e as empresas farmacêuticas têm trabalhado intensamente para desenvolver uma vacina contra o COVID-19, muitas vezes apoiados por consideráveis ​​financiamentos governamentais directos e indirectos. Há indícios de que inúmeras vacinas poderão ser aprovadas em breve, abrindo caminho para a necessária imunidade colectiva para que as interacções económicas e sociais voltem ao normal.

Em segundo lugar, uma substancial parte do sector privado – apoiado por mercados de capital amplamente abertos que fornecem importante financiamento de baixo custo – tem estado ocupada pensando e planejando o mundo pós-pandemia. As empresas estão procurando sair da crise com um melhor equilíbrio entre resiliência e eficiência, bem como com maior agilidade operacional e mente aberta que foram capazes de adquirir apenas quando forçadas a um paradigma de gestão de crise altamente incerto e desigual.

Terceiro, as dificuldades inerentes de gerenciamento durante a pandemia destacaram uma miríade de deficiências de liderança em empresas e governos locais e nacionais. O choque do COVID-19 também expôs grandes falhas de coordenação global e regional e impulsionou uma apreciação melhor e mais ampla para "eventos extremos" de baixa probabilidade e alto impacto. Tudo isso deve servir para acelerar a adaptação tão necessária das estruturas de governança de ontem às realidades mais fluidas de hoje.

Finalmente, os vários experimentos naturais impostos a muitos países e segmentos da sociedade durante a pandemia promoveram um reconhecimento muito maior da importância da sustentabilidade, diversidade cognitiva e responsabilidade social. Essa alteração pode, por sua vez, permitir uma muito necessária mudança nos modelos operacionais económicos implícitos em muitas áreas. Em vez de continuamente pedir emprestado ao futuro, podemos e devemos fazer muito mais agora para garantir mais recursos para as gerações futuras, para que elas também tenham uma situação melhor do que seus pais e avós.

Meu medo é que essas quatro possibilidades sejam frustradas por nossa incapacidade de superar os danos causados pela pandemia de maneira decisiva. Tal resultado certamente não seria a primeira vez que uma jornada imperfeita impede as economias de alcançar um destino promissor.

Após a crise financeira de 2008, por exemplo, muitos formuladores de políticas foram tão rápidos em comemorar vitória sobre a ameaça real de uma depressão global de vários anos que não prestaram atenção quando se tratava de garantir um crescimento robusto, inclusivo e sustentável de longo prazo em suas consequências. Particularmente nos países ricos, esse lapso agravou fragilidades estruturais de todos os tipos – económicas, financeiras, institucionais, políticas e sociais – e esgotou seu potencial de recuperação.

Para evitar a repetição desse erro em 2021, conforme o mundo emerge da pandemia, os formuladores de políticas devem agir rápida e decisivamente em três áreas.

Primeiro, precisamos garantir que podemos viver melhor com o COVID-19. Mesmo com as  vacinas aprovadas em vários países, sua produção e disseminação levará vários meses. Além disso, nem altas taxas de participação, tampouco eficácia duradoura são garantidas. Portanto, podemos não atingir um nível adequado de imunidade de rebanho até o segundo semestre de 2021, e mesmo assim esse calendário é optimista. Muitas economias avançadas precisam restringir urgentemente as taxas de infecção do COVID-19 e, ao mesmo tempo, desenvolver recursos essenciais de testagem e rastreamento, aprimorando a terapêutica e melhorando as comunicações. Em particular, os governos e órgãos de saúde pública precisam fazer muito mais para reforçar a mensagem de que, embora ter cuidado com o COVID-19 represente dificuldades e sacrifícios, essa é a única maneira de proteger a si mesmo, a família e a comunidade.

Em segundo lugar, os governos devem tomar medidas agora (tais como modernização da infra-estrutura, investimentos em economia verde, reciclagem e reinstrumentação de mão de obra e reforma tributária) para conter as crescentes pressões de longo prazo sobre o potencial crescimento. Se não agirem rapidamente, o mundo pós-pandémico será inundado por falências de empresas e prolongado desemprego. A concentração corporativa será maior, a globalização diminuirá, a competitividade diminuirá e a desigualdade de renda, riqueza e oportunidades será pior. A economia global será menos produtiva e mais fragmentada, com menos participação e acesso, juntamente com um maior grau de insegurança financeira familiar. Tudo isso pode resultar, tanto do lado da oferta quanto da demanda, em obstáculos estruturais prolongados e difíceis de serem superados para a recuperação económica.

Terceiro, os formuladores de políticas devem abordar a dissociação das finanças da economia real, que se tornou tão radical que o futuro bem-estar económico está em risco. A última coisa de que a economia global precisa é de uma onda de desalavancagem financeira desordenada em que o desenrolar da tomada de risco excessivo por parte das instituições financeiras não bancárias nos últimos anos danifique ou mesmo atrapalhe a recuperação económica, por mais fraca que seja.

A falha em agir rapidamente com relação a esses três imperativos aumentará significativamente o risco de que a economia global pós-pandemia fique presa em um paradigma de crescimento insuficiente, desigualdade excessiva, rupturas sociais crescentes e crises periódicas de volatilidade financeira. Muitas pessoas já correm o risco de deslocamento económico permanente devido as consequências relacionadas à pandemia e mudanças estruturais incipientes. Uma resposta política lenta minará a energia, a criatividade e a adesão da comunidade, itens necessários para garantir uma transição suave para oportunidades novas, produtivas e bem remuneradas.

Projectar uma grande recuperação económica em 2021 e manter um crescimento forte e sustentável depois disso exigirá muito mais do que uma vacina contra o COVID-19. Mas com medidas ousadas, liderança inspiradora e um pouco de sorte, os formuladores de políticas podem ajudar a colocar a economia global no caminho certo.

MOHAMED A. EL-ERIAN

Mohamed A. El-Erian, Conselheiro Económico da Allianz, controladora corporativa da PIMCO, onde atuou como CEO e co-Diretor de Investimentos, foi Presidente do Conselho de Desenvolvimento Global do presidente dos EUA, Barack Obama. Ele é presidente do Queens ’College, University of Cambridge, consultor sénior do Gramercy e professor prático de meio período na Wharton School da University of Pennsylvania. Anteriormente, ele actuou como CEO da Harvard Management Company e vice-director do Fundo Monetário Internacional. Ele foi nomeado um dos 100 maiores pensadores globais da política externa por quatro anos consecutivos. Ele é o autor, mais recentemente, de The Only Game in Town:  Central Banks, Instability, and Avoiding the Next Collapse.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome