Edição online semanal
 
Segunda-feira 25 de Janeiro de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Os Custos da Rendição de Merkel diante da Extorsão da Hungria e da Polónia

18-12-2020 - George Soros

A União Europeia enfrenta uma ameaça existencial, mas a liderança da UE está reagindo com um compromisso que parece reflectir a crença de que a ameaça pode simplesmente ser eliminada. O regime cleptocrático do primeiro-ministro Viktor Orbán na Hungria e, em menor grau, o governo iliberal de Lei e Justiça (PiS) na Polónia, estão descaradamente desafiando os valores sobre os quais a União Europeia foi construída. Tratar esse desafio como uma postura política legítima que merece reconhecimento e uma solução de comprometimento apenas aumentará – exponencialmente – os riscos que a UE agora enfrenta.

Reconheço e compreendo a enorme pressão sob a qual a Chanceler alemã, Angela Merkel, tem trabalhado. Ela tem sido Chanceler da Alemanha há 15 anos e agora se aproxima da aposentadoria, em Setembro de 2021. Com o presidente francês Emmanuel Macron temporariamente absorvido pela questão do secularismo e outras sérias preocupações de segurança na França, Merkel se tornou algo parecido como a única e principal tomadora de decisões para o UE.

Também entendo por que a chanceler alemã não quer que outro país, a Hungria, anuncie sua intenção de deixar a UE sob seu comando. É isso que Orbán estava se preparando para fazer nos últimos dias, porque ele não pode permitir que a escala da corrupção de seu regime seja exposta, o que a condicionalidade do “estado de direito” da UE para o desembolso de fundos da União certamente teria feito.

Orbán roubou e se apropriou indevidamente de grandes somas de dinheiro durante sua década no poder, incluindo fundos da UE que deveriam ter sido usados ​​para beneficiar o povo húngaro. Ele não pode se dar ao luxo de impor um limite prático à sua corrupção pessoal e política, porque essas receitas ilícitas são o lubrificante que mantém as rodas de seu regime girando suavemente e seus comparsas na linha.

A ameaça de torpedear as finanças da UE ao vetar seu orçamento foi uma desesperada aposta de Orbán. Mas foi um blefe que deveria ter sido chamado. Infelizmente, parece que Merkel cedeu às extorsões húngara e polaca.

Enquanto escrevo, parece claro que Merkel intermediou um compromisso com Orbán e o líder polaco de facto, o vice-primeiro-ministro Jarosław Kaczyński. O acordo que a Alemanha fez com os dois desonestos Estados-membros da UE, entretanto, constitui o pior de todos os mundos possíveis. O texto do compromisso proposto que vazou abertamente, a ser incorporado na declaração final da reunião do Conselho Europeu desta semana, tem três falhas fundamentais.

Em primeiro lugar, a declaração altera em substância e intenção o texto do regulamento que foi acordado pelas instituições da UE em 5 de Novembro, enfraquecendo consideravelmente a condicionalidade do Estado de Direito. Nem a Comissão Europeia nem o Parlamento Europeu, muito menos os governos nacionais que fizeram da integridade do regulamento a sua principal preocupação no Conselho Europeu, deveriam permitir terem sido postos de lado desta forma.

Em segundo lugar, algumas disposições do acordo servem para atrasar a implementação da condicionalidade do estado de direito em  até dois anos . Isso seria um verdadeiro golpe para Orbán, pois atrasaria qualquer acção possível até depois das próximas eleições parlamentares húngaras programadas para 2022.

A suspensão daria ao partido de Orbán, o Fidesz, tempo suficiente para alterar as leis e disposições constitucionais húngaras e permitiria que Orbán continuasse a redefinir o que constitui "fundos públicos" na Hungria de forma a canalizar saques ilícitos de órgãos públicos para "fundações" privadas controlados por seus comparsas. As principais vítimas do acordo que Merkel supostamente fechou com Orbán serão o povo da Hungria.

Por último, a declaração da cúpula proposta é um caso em que o Conselho Europeu agiu para além da sua autoridade ao limitar a capacidade da Comissão Europeia de interpretar e agir de acordo com a acordada legislação da UE. É um perigoso precedente, porque reduz a independência jurídica da Comissão e pode muito bem infringir o Tratado da União Europeia, pelo menos em seu espírito.

O negócio, tal como é entendido, é feio e desrespeita os desejos expressos do Parlamento Europeu. Mas, devido à necessidade urgente de usar o fundo de recuperação para o COVID-19 de €750 milhões (US$ 909 milhões), o Parlamento Europeu pode muito bem aprová-lo.

Tudo o que posso fazer é expressar a indignação moral que devem sentir as pessoas que acreditaram na UE como protectora dos valores europeus e universais. Também quero alertar que este compromisso pode prejudicar gravemente a confiança duramente conquistada que as instituições da União Europeia ganharam com a criação do fundo de recuperação.

GEORGE SOROS

George Soros é presidente da Soros Fund Management e da Open Society Foundations. Pioneiro da indústria de fundos de hedge, ele é autor de muitos livros, incluindo A alquimia das finanças, O novo paradigma para os mercados financeiros: a crise de crédito de 2008  e o que ela significa e A tragédia da União Europeia: desintegração ou Renascimento?  Seu livro mais recente é Em defesa da sociedade aberta  (Public Affairs, 2019).

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome