Edição online semanal
 
Segunda-feira 25 de Janeiro de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Guerra e paz na Bósnia

27-11-2020 - Carl Bildt

25 anos atrás, em uma base da Força Aérea dos Estados Unidos em Ohio, o Acordo de Dayton encerrou a guerra mais devastadora no continente europeu desde 1945. Depois de três anos e meio, a guerra na Bósnia havia cobrado seu preço. Mais de 100.000 vidas, gerou imensa destruição e deslocou milhões de pessoas de suas casas. "Não será uma paz justa, mas é mais justa do que continuar a guerra", observou o líder muçulmano bósnio Alija Izetbegović. "Dada a situação, e dado o mundo, não era possível alcançar uma paz melhor."

Verdade demais. Junto com os negociadores americanos e russos Richard Holbrooke e Igor Ivanov, testemunhei directamente os altos e baixos daqueles 21 dias em Dayton como co-presidente da UE nas negociações de paz. Em seguida, passei os próximos anos em Sarajevo, tentando orientar a implementação das primeiras etapas do acordo. Aprendi que é muito mais fácil começar uma guerra do que construir a paz. O conflito da Bósnia foi o exemplo perfeito dessa verdade histórica fundamental. Quando a Jugoslávia começou a se desintegrar em 1991, poucos suspeitavam que estávamos entrando em uma década de conflitos sangrentos pela Eslovénia (brevemente) no norte e pela Macedónia no sul.

Quanto ao pacto de Dayton, foi na verdade uma compilação de múltiplos planos de paz que várias constelações de atores internacionais tentaram implementar nos anos anteriores. Tivemos sucesso em Novembro de 1995 porque todos os atores internacionais - UE, Estados Unidos e Rússia - finalmente chegaram a um acordo. Antes, sempre existia a tentação, para um ou outro, de prolongar o conflito para chegar a um acordo que os beneficiasse mais.

Depois de uma guerra, você faz as pazes com seus inimigos; Mas os acordos de paz que não se baseiam na rendição incondicional de uma das partes dependem necessariamente de concessões, e um acordo mútuo duradouro só pode ser alcançado se atender às demandas mínimas de todas as partes sem ceder às demandas máximas de nenhuma das partes. eles em particular. É por isso que o entusiasmo após esses negócios tende a ser baixo.

Quando as armas silenciaram na Bósnia, a monumental tarefa de reconstruir um país dilacerado pela guerra começou.  Dentro do território havia três exércitos, três moedas e três semi-estados (dois deles já haviam concordado com um casamento forçado). Nas décadas seguintes, a Bósnia foi reconstruída (fisicamente) com financiamento da UE, a ponto de a movimentada Sarajevo ter de lutar para encontrar as cicatrizes da guerra.

Essa é a parte da história com um final feliz, mas a história da reconstrução e reconciliação política é mais complicada. Esse processo foi dolorosamente lento porque por muito tempo muitos líderes bósnios compreenderam que a paz era a continuação da guerra por outros meios. Apesar dos esforços internacionais gigantescos e invasivos, as forças da desintegração continuaram a fazer-se sentir em toda a região.

A nova constituição da Bósnia que emergiu das negociações de Dayton refletia o que era possível na época: isto é, parecia mais com a "velha Jugoslávia" do que com a "nova Europa". Ele criou um piso para desenvolver a cooperação - com cláusulas para aprofundar a integração e emendar a própria constituição - mas não estabeleceu um teto para o que poderia ser alcançado. A tarefa de construir o futuro foi deixada para os próprios bósnios.

O fracasso dos líderes bósnios em fazer melhor uso das possibilidades oferecidas é uma tragédia duradoura daquela época. Desde 2003, a UE deixou claro que as suas portas estão abertas a todos os países dos Balcãs, desde que tomem as medidas necessárias para cumprir os requisitos de entrada. Mas, com excepção de Kosovo, a Bósnia é a última na fila entre seus vizinhos dos Balcãs para acessar a UE.

É verdade que podemos perguntar-nos se a UE foi suficientemente pró-activa na sua abordagem à região. Embora os líderes europeus reconheçam que a atractividade da integração na UE é a única força capaz de conter as tendências de desintegração regional, o fato é que os Balcãs escorregaram na lista das prioridades europeias.

No entanto, a UE manteve uma pequena força militar na Bósnia nos últimos 25 anos. Com um forte mandato do Conselho de Segurança das Nações Unidas, essa presença sinaliza fortemente que a guerra não será mais tolerada na região. Além disso, existe um compromisso internacional igualmente forte de respeitar a soberania e a integridade da Bósnia e de todos os outros países dos Balcãs. A era do redesenho de mapas acabou e a tarefa de reformar a Bósnia permanecerá nas mãos dos próprios bósnios.

Há sinais promissores de que uma nova geração está pronta para deixar a guerra no passado e começar a ver a paz como ela realmente é: uma oportunidade de construir um novo futuro juntos. Em seu  discurso  na Assembleia Geral da ONU este ano, Šefik Džaferović, o actual chefe de Estado da Bósnia e Herzegovina, deixou claro que:

“Há um consenso geral na Bósnia e Herzegovina sobre o significado insubstituível de preservar a paz e, portanto, do acordo de paz em que ela se baseia. Isto dá-nos esperança de que, no futuro, a sociedade da Bósnia e Herzegovina se preocupe cada vez mais com as questões do desenvolvimento, à medida que entra numa nova fase do seu desenvolvimento histórico ».

Junto com muitos outros, compartilho essa esperança. Podemos aprender muitas lições com a longa saga da Bósnia. Devemos continuar a reflectir sobre nossa incapacidade de prevenir a guerra, as divisões transatlânticas que a prolongaram, a importância de instituições inclusivas e a necessidade de combater a desintegração com integração.

Mas as lições mais importantes são as seguintes: é muito mais fácil começar uma guerra do que pará-la, e silenciar as armas é apenas o primeiro passo para uma paz duradoura.

CARL BILDT

Carl Bildt foi ministro das Relações Exteriores da Suécia de 2006 a 2014 e primeiro-ministro de 1991 a 1994, quando negociou a adesão da Suécia à UE. Um renomado diplomata internacional, ele serviu como Enviado Especial da UE para a ex-Jugoslávia, Alto Representante para a Bósnia e Herzegovina, Enviado Especial da ONU para os Balcãs e Co-Presidente da Conferência de Paz de Dayton. Ele é co-presidente do Conselho Europeu de Relações Exteriores. 

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome