Edição online semanal
 
Quarta-feira 2 de Dezembro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A falsa dicotomia entre autocracia e democracia

06-11-2020 - Yuen Yuen Ang

Ao contrário da velha disputa de superpotência entre os Estados Unidos e a União Soviética, a incipiente guerra fria entre a China e os Estados Unidos não reflecte um conflito fundamental de ideologias fortemente opostas. Em contraste, a rivalidade sino-americana de hoje é popularmente retratada como uma batalha épica entre autocracia e democracia.

Da mesma forma, os fatos parecem sugerir que a autocracia triunfou enquanto a democracia caiu de cara no chão. Enquanto os Estados Unidos na presidência de Donald Trump se portaram desastrosamente durante a pandemia de COVID-19, a China conseguiu controlar o coronavírus. Nos Estados Unidos, o uso de máscaras faciais chegou a ser politizado. Em contraste, em Wuhan, China - o epicentro original da pandemia - as autoridades testaram os 11 milhões de residentes da cidade para detectar o vírus no período de dez dias, em uma demonstração surpreendente de capacidade e ordem. Para muitos, o veredicto parece claro: o autoritarismo é superior à democracia liberal.

Mas esse tipo de conclusão é simplista e até mesmo perigosamente enganosa, por três razões. Em primeiro lugar, da mesma forma que os Estados Unidos da era Trump não representam todas as democracias, a China no governo do presidente Xi Jinping não deve ser considerada um modelo de autocracia. Outras sociedades democráticas, como a Coreia do Sul e a Nova Zelândia, lidaram habilmente com a pandemia, e a liberdade política não prejudicou a capacidade de seus governos de implementar medidas para conter o vírus.  

Quanto a exemplos de autocracias que desencadearam sua própria catástrofe, basta olhar para a história recente da China. Nenhum líder chinês moderno tinha mais poder pessoal do que Mao Zedong; no entanto, sua autoridade absoluta levou a uma fome gigantesca seguida por uma guerra civil de fato durante a Revolução Cultural. O caos não é de forma alguma exclusivo da democracia; no governo de Mao, foi insidiosamente implantado para manter seu poder.

Em segundo lugar, existem democracias com características iliberais e autocracias com características liberais. Os problemas actuais da América não reflectem uma característica universal da democracia, mas sim o fracasso de uma democracia com características não liberais que Trump trouxe para a presidência. Como comandante-em-chefe, Trump ignorou as normas democráticas como a autonomia burocrática, a separação dos interesses privados e do serviço público e o respeito pelo protesto pacífico.

Se as democracias podem assumir um carácter autoritário, o mesmo pode ser dito das autocracias. Ao contrário da opinião popular, a ascensão económica da China após sua abertura de mercado em 1978 não foi uma consequência da ditadura de costume; se tivesse sido, Mao o teria feito muito antes. Em vez disso, a economia cresceu rapidamente porque o sucessor de Mao, Deng Xiaoping, insistiu em moderar os perigos da ditadura injectando "características democráticas" na burocracia, incluindo responsabilidade, competição e os limites do poder. Ele deu o exemplo ao rejeitar os cultos à personalidade. (Ironicamente, as notas de banco chinesas retratam Mao, que desprezava o capitalismo, e não Deng, o pai da prosperidade capitalista chinesa.)

Essa história recente de "autocracia com características democráticas" sob a liderança de Deng é amplamente ignorada hoje, até mesmo na China. Como Carl Minzner aponta, Xi, que se tornou o líder supremo em 2012, deu início a um "ressurgimento autoritário". Desde então, a história oficial é que, como a China teve sucesso sob o controle político centralizado, esse sistema deve ser mantido. Na verdade, sob Deng, foi um sistema político híbrido, juntamente com um forte compromisso com os mercados, que levou a China da pobreza à condição de renda média.

Tomados em conjunto, isso significa que tanto os Estados Unidos quanto a China se tornaram iliberais nos últimos anos. A lição com os fracassos da América hoje é que mesmo uma democracia madura deve ser constantemente mantida para funcionar; não há "fim da história". No caso da China, aprendemos que as tendências de liberalização podem ser revertidas quando o poder muda de mãos.

Terceiro, as supostas vantagens institucionais do regime de cima para baixo da China são tanto uma força quanto uma fraqueza. Devido às suas origens revolucionárias, concentração de poder e busca organizacional generalizada, o Partido Comunista Chinês (PCC) normalmente implementa políticas na forma de "campanhas" - o que significa que toda a burocracia e a sociedade se mobilizam para alcançar um certo objetivo a qualquer custo.

Essas campanhas assumiram muitas formas. Com o Xi, eles incluem suas políticas principais para erradicar a pobreza rural, banir a corrupção e estender o alcance global da China por meio da Iniciativa One Road, One Road.

As campanhas políticas chinesas produzem resultados surpreendentes porque é assim que deve ser. A campanha anti-pobreza de Xi tirou 93 milhões de residentes rurais da pobreza em sete anos, o sonho das agências de desenvolvimento global. As autoridades chinesas também entraram em modo de campanha durante o surto de COVID-19, mobilizando todo o pessoal, cuidados e recursos para conter o vírus. Esses resultados apoiam o argumento muitas vezes defendido pela mídia oficial chinesa de que o poder centralizado "concentra nossas forças para realizar grandes coisas".

Ainda assim, pressionados a fazer o que for necessário para atingir os objectivos da campanha, os funcionários podem deturpar os resultados ou tomar medidas extremas que criam novos problemas no futuro. No esforço para eliminar a pobreza, as autoridades chinesas estão mudando abruptamente milhões de pessoas de áreas remotas para as cidades, independentemente de quererem se mudar ou encontrar meios de subsistência sustentáveis. A luta contra a corrupção levou à disciplina de mais de 1,5 milhão de funcionários desde 2012, resultando inadvertidamente na paralisia burocrática. E, desesperadas para cumprir as metas de redução da poluição, algumas autoridades locais adulteram o equipamento que mede a qualidade do ar. Alcançar grandes resultados em um curto espaço de tempo quase sempre acarreta custos.

A ideia de que só podemos escolher entre a liberdade em uma democracia de estilo americano e a ordem em uma autocracia de estilo chinês é falsa. O verdadeiro objetivo da governança é garantir o pluralismo com estabilidade - e os países em todos os lugares devem encontrar seu próprio caminho para atingir esse objectivo.

Devemos também evitar a falácia de correr para emular qualquer "projecto" nacional que esteja em voga, seja no Japão nos anos 1980, na América pós-Guerra Fria ou na China hoje.

Quando você está pensando em comprar um carro, você deseja saber não apenas suas vantagens, mas também suas desvantagens. Este é o tipo de bom senso que devemos aplicar ao avaliar um sistema político, seja ele qual for. É também uma capacidade intelectual essencial para navegar no novo clima da Guerra Fria de hoje.

YUEN YUEN ANG

Yuen Yuen Ang, professora de Ciência Política na Universidade de Michigan em Ann Arbor, é a autora de Como a China escapou da armadilha da pobreza  e da China Gilded Age.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome