Edição online semanal
 
Quarta-feira 21 de Outubro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O cocktail complexo da pandemia

16-10-2020 - Mohamed A. El-Erian

Após terem estado muito tempo apoiados por uma ampla liquidez, os mercados financeiros estão a entrar no último trimestre de 2020 no meio de uma recuperação económica global cada vez mais tímida, incertezas políticas incomuns e respostas de política fiscal e estrutural desfasadas. E estes ventos adversos somam-se à crise provocada pela COVID-19, que deixou a maioria dos países numa batalha para encontrarem um equilíbrio entre a protecção da saúde pública, a obtenção de um regresso a um nível semi-normal de actividade económica e a limitação das violações às liberdades individuais.

Neste contexto, a esperança é que as actuais condições de liquidez generosas, viabilizadas e apoiadas pelos bancos centrais, continuem a fornecer uma ponte para um 2021 melhor, não apenas revertendo os danos económicos e sociais, mas também proporcionando mais ganhos aos investidores. Mas será que esta operação de transição, já implementada há vários anos para compensar outros ventos adversos, será suficiente para ultrapassar aquilo que é um cocktail pandémico cada vez mais complexo?

Dados económicos recentes indicam que, fora da China e de alguns outros países, a recuperação económica continua desigual e incerta e está aquém do que é necessário e possível, na minha opinião. As viagens, a hotelaria e outras actividades do sector de serviços continuam a enfrentar desafios significativos, complicando o panorama geral da empregabilidade. Além disso, um número crescente de empresas noutros sectores está à procura de iniciativas de “redimensionamento” que, provavelmente, resultarão em menos contratações ou até mesmo numa vaga de despedimentos.

Juntam-se a estes desafios económicos as incertezas políticas que estão a aumentar, principalmente nos Estados Unidos. Um processo eleitoral já altamente incerto ficou ainda mais complicado com a infecção por COVID-19 do presidente Donald Trump. E agora que vários legisladores também contraíram o vírus, as deliberações do Congresso sobre muitos assuntos vitais foram adiadas. O Senado dos Estados Unidos teve pouco tempo para considerar qualquer coisa além da nomeação de um novo juiz do Supremo Tribunal, que a maioria republicana insiste em aprovar antes do final do mandato de Trump. Como consequência, há apenas uma escassa esperança de que irá haver um novo pacote de alívio fiscal, reformas estruturais pró-crescimento ou qualquer outra iniciativa política significativa dos EUA nas próximas semanas.

Enquanto isso, a participação dos EUA nas deliberações políticas multilaterais – sem falar do papel de liderança mundial dos EUA em geral – permanece reduzida. Para complicar ainda mais as coisas, as respostas económicas e financeiras noutras zonas do mundo também estão a atingir o limite, especialmente no mundo em desenvolvimento, onde os governos estão a ficar sem margem de manobra para políticas devido a altos défices, aumento da dívida e dinâmica monetária mais instável. Esta incerteza na formulação de políticas está a ser ampliada pela luta mais vasta para cumprir os três objetivos principais da era da pandemia: manter a saúde pública e proteger os cidadãos; evitar maiores danos no tecido social, bem-estar económico e viabilidade financeira; e minimizar as restrições, também no interesse de evitar a “fadiga pandémica”.

Apesar deste cocktail incerto, perturbador e inerentemente volátil de condições de enquadramento, as acções e outros activos de risco têm demonstrado uma notável resiliência. De forma mais notável, há uma parcela considerável de investidores que está disposta a continuar a “comprar por um preço em queda” (buying the dip), seja porque acreditam que “não há alternativa” (there is no alternative) às acções ou porque os aumentos súbitos confiáveis ​​do mercado nos últimos anos alimentaram o seu “medo de perder” (fear of missing out). Este condicionamento BTD-TINA-FOMO, para usar a linguagem do mercado, é sustentado por dois factores.

Em primeiro lugar, e mais importante, os investidores estão extremamente confiantes na disposição de bancos centrais sistemicamente importantes – nomeadamente, a Reserva Federal dos EUA e o Banco Central Europeu – para injectarem liquidez ao primeiro sinal de stress grave no mercado, independentemente do quanto têm de se aventurar ainda mais no domínio da política experimental não convencional. No entanto, ao construírem uma barreira cada vez maior entre as avaliações de mercado e os fundamentos económicos, os bancos centrais podem estar a colocar em risco a sua própria credibilidade, ampliando as desigualdades de riqueza e aumentando o risco para a estabilidade financeira futura.

Em segundo lugar, os investidores tendem a considerar a maioria, ou a totalidade, dos desafios actuais do mercado como não apenas temporários, mas reversíveis. A suposição é que as incertezas eleitorais dos EUA serão resolvidas rapidamente; os esforços de reforma fiscal e estrutural serão reiniciados, recuperando o tempo perdido; e o progresso em direcção a novos tratamentos, vacinas ou imunidade colectiva para a COVID-19 continuará a acelerar. Nesse meio tempo, os mercados passaram a “esperar o inesperado”.

Não estou em posição de prever o resultado das eleições ou as perspectivas de melhorias nas condições de saúde pública. Mas tenho alguma confiança em identificar possíveis cenários económicos e as suas consequências e, nesta questão, o momento certo é importante. O facto de uma resposta política abrangente ser promulgada agora ou dentro de alguns meses influencia directamente no seu impacto potencial.

Afinal de contas, por cada dia que os legisladores atrasam, haverá ainda menos contratações, mais demissões e maior risco de falências corporativas, principalmente entre o número crescente de empresas cuja resiliência financeira está a diminuir à medida que enfrentam condições de empréstimos mais rígidas e o dinheiro que possuem continua a desaparecer. Consequentemente, quanto maior o atraso, maiores serão os problemas que qualquer pacote futuro terá de resolver e mais difícil será projectar e implementar.

Nos últimos anos, os investidores tenderam a ser amplamente recompensados ​​por deixarem de lado os determinantes tradicionais do valor de mercado e se concentrarem em apenas uma coisa: injecções de liquidez abundantes e previsíveis no mercado. Mas os próximos meses provavelmente serão um teste maior para esta aposta. A Wall Street desvinculou-se da Main Street de uma forma que poucos esperavam. Seria um erro continuar a extrapolar para o futuro, sem parar para perguntar sobre os crescentes danos colaterais e as consequências não intencionais.

MOHAMED A. EL-ERIAN

Mohamed A. El-Erian, Conselheiro Económico da Allianz, controladora corporativa da PIMCO, onde atuou como CEO e co-Diretor de Investimentos, foi Presidente do Conselho de Desenvolvimento Global do presidente dos EUA, Barack Obama. Ele é presidente do Queens 'College, University of Cambridge, consultor sénior do Gramercy e professor prático de meio período na Wharton School da University of Pennsylvania. Anteriormente, ele actuou como CEO da Harvard Management Company e vice-director do Fundo Monetário Internacional. Ele foi nomeado um dos 100 maiores pensadores globais  da política externa por quatro anos consecutivos. Ele é o autor, mais recentemente, de O Único Jogo da Cidade:  Bancos Centrais, Instabilidade e Evitando o Próximo Colapso.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome