Edição online semanal
 
Quarta-feira 21 de Outubro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

COMBATENDO O INFODÉMICO COVID

25-09-2020 - Françoise Barré-Sinoussi, Adeeba Kamarulzaman

O surto do vírus SARS-COV-2 não levou apenas à pandemia global de COVID-19. Mas esse fenómeno simultaneamente desencadeia um ataque violento de desinformação. Algumas pessoas têm apoiado o uso de drogas como a hidroxicloroquina para tratar a doença, apesar das evidências científicas insuficientes de sua eficácia; outros  anunciaram o lançamento de uma vacina contra COVID-19 antes que sua segurança e eficácia fossem rigorosamente testadas. Enquanto isso, as teorias da conspiração mais implausíveis estão circulando amplamente nas redes sociais.

A Organização Mundial da Saúde define um "infodémico" como "uma superabundância de informações - algumas precisas e outras não - que torna difícil para aqueles que estão tentando encontrar fontes confiáveis ​​e conselhos confiáveis ​​quando precisam. necessidade. Hoje, o grande volume de desinformação a respeito do COVID-19 ameaça desacreditar as respostas baseadas em evidências à pandemia - e os cientistas não devem ficar de braços cruzados.

Por exemplo, a International AIDS Society (IAS) acaba de convocar a Primeira Conferência  Virtual Internacional sobre AIDS e a Primeira Conferência Global sobre COVID-19. Mas o conjunto de pesquisas cruciais apresentadas nessas reuniões já corre o risco de ser desperdiçado em meio ao dilúvio de conteúdo veiculado por negadores da ciência e teóricos da conspiração que desafiam abertamente os métodos de pesquisa estabelecidos. Muito menos visível, mas igualmente omnipresente e prejudicial, um conjunto de declarações factuais opera de maneiras muito mais subtis, variando da propaganda à hipérbole sobre COVID-19. Portanto, o mundo precisa de cientistas para ajudar a distinguir verdades de meias verdades.

Como pesquisadores internacionais de HIV, sabemos o que está em jogo neste problema. Por quatro décadas, conhecemos em primeira mão as consequências fatais da desinformação. Enfrentamos os negadores da AIDS e os extremistas anti-vacinas, e enfrentamos o estigma e os mitos que continuam a impedir que muitos dos que mais precisam de cuidados de saúde para salvar vidas tenham acesso a eles.

A maioria daqueles que fazem o maior alvoroço nas ondas do rádio e fervilham a internet com falsas afirmações sobre COVID-19 - oferecendo tratamentos falsos, minimizando as consequências e ignorando os mais afectados pelo vírus - nos lembram o tom dos primeiros dias da epidemia de AIDS. Embora a epidemia de AIDS nos tenha ensinado que a desinformação é fatal, também nos mostrou como as comunidades médicas e de pesquisa podem ser poderosas quando se unem, falam e exigem atenção e apoio. medidas para enfrentar uma crise.

Cientistas, clínicos e pesquisadores são treinados para serem objectivos. Mas ser objectivo não significa ficar em silêncio. Para conter os ataques à ciência, pesquisadores e provedores de serviços de saúde da linha de frente precisam apontar a falta de evidências, dados fraudados e mentiras descaradas.

As maiores vitórias dos pesquisadores do HIV não foram apenas o resultado de avanços científicos. Eram também o da formação de uma frente comum ao lado de tomadores de decisões políticas e activistas de base. Desde os primeiros dias da resposta ao HIV, os activistas pressionaram os políticos para que dessem aos cientistas mais recursos para pesquisas sobre o vírus e pediram um melhor acesso ao tratamento.

A resposta global ao COVID-19 é a evidência mais recente de que melhor resistimos às ameaças à saúde quando cientistas e políticos se educam mutuamente e a opinião pública recebe informações claras e transparentes. Os países que tiveram mais sucesso em lidar com a pandemia são aqueles onde esses três grupos trabalharam juntos de forma eficaz.

Para garantir essa colaboração, os cientistas - que este ano ocupam o centro do palco e muitas vezes são atacados - devem defender a integridade da ciência e formar alianças mais fortes com os legisladores e activistas. A pesquisa científica pode levar tempo e as conclusões podem mudar à medida que novos dados são recolhidos e analisados. Mas os legisladores não deveriam brincar com a saúde das pessoas contornando esse processo para fins políticos.

Devemos apoiar nossos colegas para mostrar ao mundo que eles não são os únicos que defendem medidas e intervenções baseadas em evidências para combater a COVID-19.Ser pesquisadores de HIV torna cada um de nós activistas por padrão. Agora, mais do que nunca, nossos colegas científicos devem fazer um apelo semelhante para desafiar mentiras e mitos e proteger a integridade da ciência.

Portanto, apelamos aos governos para que protejam a independência das instituições científicas nacionais e multilaterais. Também pedimos às empresas de mídia social que contenham, em vez de facilitar, a disseminação da desinformação. Esses gigantes da tecnologia não podem mais fingir ser meras plataformas que não têm responsabilidade pelas mensagens que amplificam.

Da mesma forma, solicitamos aos meios de comunicação que garantam que a cobertura e as manchetes apresentem o conhecimento científico com precisão. A comunicação selectiva ou fora do contexto de descobertas científicas para promover histórias específicas é profundamente antiética. E conclamamos os legisladores a aprovar apenas leis e medidas de saúde baseadas em evidências. Muitas leis ainda criminalizam a doença em vez do estigma e da discriminação que vêm com ela.

O combate ao infodémico COVID-19 requer não apenas fatos, mas também a defesa coordenada e estratégica pela qual as pessoas que lutam contra o HIV são famosas. Diante da desinformação, o silêncio mata. Todos os segmentos da sociedade devem agir agora para dissipar os mitos e amplificar a voz da ciência. Nossas vidas, especialmente as dos mais pobres e marginalizados, dependem disso.

Este comentário é co-assinado por Anton Pozniak , professor de pesquisa clínica na London School of Hygiene and Tropical Medicine, médico consultor no Chelsea and Westminster Hospital, ex-presidente da International AIDS Society (2018-20); Linda-Gail Bekker , Professora de Medicina e Directora do Desmond Tutu HIV Center da Universidade da Cidade do Cabo, Ex-Presidente da International AIDS Society (2016-18); e Chris Beyrer , professor de saúde pública e direitos humanos na Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, ex-presidente da International AIDS Society (2014-16).

FRANÇOISE BARRÉ-SINOUSSI

Françoise Barré-Sinoussi, co-vencedora do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 2008 pela descoberta do HIV, é ex-presidente da International AIDS Society (2012-14).

ADEEBA KAMARULZAMAN

Adeeba Kamarulzaman, Reitora da Faculdade de Medicina e Professora de Medicina e Doenças Infecciosas da Universidade da Malásia, é presidente da International AIDS Society.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome