Edição online semanal
 
Quarta-feira 21 de Outubro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Recuperando a Grandeza Americana

18-09-2020 - Joseph E. Stiglitz

Depois de quase quatro anos com o presidente dos Estados Unidos Donald Trump e os republicanos minando o estado e saqueando o erário público, não é de se admirar que o país estivesse tão despreparado para a crise do COVID-19. A maior esperança da América agora está em Joe Biden, cuja maior força é seu potencial para reunificar uma população dividida.

Julia Jackson, a mãe de Jacob Blake, um jovem negro de Kenosha, Wisconsin, que levou sete tiros nas costas pela polícia, acertou quando disse: “A América é óptima quando nos comportamos bem”. Infelizmente, nos últimos quatro anos, o presidente Donald Trump tem liderado os Estados Unidos na direcção exactamente oposta.

Toda a história do país parece estar em jogo quando Trump enfrenta os eleitores novamente em 3 de Novembro. Já se passaram 160 anos desde que os Estados Unidos tentaram lidar com seu “pecado original” de escravidão africana. Naquela ocasião, o presidente Abraham Lincoln fez a famosa advertência de que: “Uma casa dividida contra si mesma não pode subsistir”. No entanto, sob Trump, todas as divisões da América foram ampliadas.

Não é nenhuma surpresa que os ricos tenham ficado mais ricos com Trump, visto que ele tende a julgar o desempenho económico geral com base no mercado de acções, onde os 10% mais ricos dos americanos possuem 92% das acções. Enquanto os preços das acções continuaram a atingir novos patamares, o mesmo aconteceu com o sub-emprego e o desemprego nos EUA. Cerca de 30 milhões de residentes dos EUA vivem actualmente em lares sem comida suficiente, e a maioria dos que estão na metade inferior da distribuição de renda vive de salário em salário. Em um país já dividido com o aprofundamento das desigualdades, os republicanos de Trump não apenas cortaram impostos para bilionários e corporações, mas também implementaram políticas que levarão a taxas de impostos mais altas para a vasta maioria dos intermediários.

Como Martin Luther King Jr. apontou há mais de meio século, a injustiça racial e económica são questões inseparáveis ​​na América. Eu estive lá para a marcha em Washington 57 anos atrás, quando King fez seu discurso de partir o coração “Eu tenho um sonho”, e nós cantamos: “Nós iremos superar algum dia “Como um ingénuo jovem de 20 anos, eu não conseguia conceber que um dia ficaria tão longe, que, após um curto período de progresso, a busca por justiça racial e económica iria parar.

No entanto, já se passaram mais de 50 anos desde o relatório da Comissão Kerner sobre os distúrbios raciais de 1967, e as disparidades raciais permanecem pouco reduzidas. A  principal conclusão final do relatório ainda é relevante: “Nossa nação está caminhando para duas sociedades, uma negra, uma branca - separadas e desiguais”. Talvez sob a presidência de Joe Biden, o país pudesse finalmente embarcar em um novo caminho.

Enquanto isso, a pandemia COVID-19 continuará a expor e exacerbar as desigualdades existentes. Longe de ser um patógeno de “oportunidades iguais”, o coronavírus representa a maior ameaça para aqueles que já se encontram em más condições de saúde, muitos dos quais em um país que ainda não reconhece o acesso aos cuidados de saúde como um direito básico. Na verdade, o número de americanos sem seguro aumentou em milhões sob a supervisão de Trump, depois de cair dramaticamente sob o presidente Barack Obama; e mesmo antes da pandemia, a expectativa média de vida sob Trump havia  caído  abaixo de seu nível em meados da década de 2010.

Não se pode ter uma economia saudável sem uma força de trabalho saudável, e não é preciso dizer que um país cuja saúde de sua população está diminuindo ainda tem de percorrer um longo caminho antes de ser "óptimo". Como escrevi em Janeiro, o histórico económico de Trump era inexpressivo mesmo antes da pandemia - e de forma previsível. Em vez de reduzir o déficit comercial dos EUA, a guerra comercial imprudente de Trump o aumentou em mais de 12% em apenas três anos. Durante o mesmo período, foram criados menos empregos do que nos últimos três anos do governo Obama. Além disso, o crescimento estava anémico e já dava sinais de enfraquecimento após a alta do açúcar induzida pelo estímulo do corte de impostos de 2017, que não gerou mais investimentos, mas elevou o déficit orçamentário federal acima de US $ 1 trilião limite.

A governança imprudente de Trump, estimulada por republicanos no Congresso, deixou o país despreparado para responder à próxima crise, que acabou por vir. Quando os doadores bilionários e aliados corporativos dos republicanos procuraram esmolas em 2017, havia muito dinheiro disponível. Mas agora que famílias, pequenos negócios e serviços públicos essenciais precisam desesperadamente de assistência, os republicanos afirmam que o armário está vazio.

Na medida em que a luta contra a pandemia é semelhante a uma mobilização em tempo de guerra, os Estados Unidos estão presos a um comandante que só cuida de si mesmo, enquanto coloca em risco todos os outros ao rejeitar a ciência e a perícia. Não é de se admirar que os Estados Unidos estejam entre os países com pior desempenho em termos de controle da doença e gerenciamento das consequências económicas. Os americanos estão morrendo três vezes mais do que a taxa mensal da Segunda Guerra Mundial.

No início da presidência de Trump, o autor Michael Lewis advertiu que a guerra de Trump e seus comparsas contra o “estado administrativo” deixaria os EUA totalmente despreparados para choques futuros. O país agora está sofrendo de uma (previsível) pandemia e permanece totalmente à mercê de uma iminente crise climática, crises sócio económicas e crises de democracia e justiça racial, sem mencionar as divisões emergentes entre urbano e rural, litoral e interior, jovens e velho.

Trump tem como alvo dois dos principais ingredientes da grandeza nacional: solidariedade social e confiança pública. Os países com essas características controlaram a pandemia e seus efeitos económicos muito melhor. Como um país que está atrás do resto do mundo nesses aspectos pode reivindicar a grandeza nacional?

A maior esperança da América agora está em Biden, cuja maior força é seu potencial para reunificar uma população dividida. Embora as fissuras no país tenham ficado grandes demais para serem curadas da noite para o dia, há alguma verdade no cliché de que “o tempo cura todas as feridas”.

Mas a cura não acontecerá sozinha. Caberá aos americanos abraçar um projecto de renovação nacional. Felizmente, uma grande população de jovens está ansiosa para enfrentar o desafio. A América pode se tornar grande novamente apenas se controlar seu entusiasmo, permanecer unida e se aplicar novamente a seus princípios e aspirações de longa data.

JOSEPH E. STIGLITZ

Joseph E. Stiglitz, vencedor do prémio Nobel de economia e professor da Universidade de Columbia, é economista-chefe do Instituto Roosevelt e ex-vice-presidente sénior e economista-chefe do Banco Mundial. Seu livro mais recente é People, Power and Profits: Progressive Capitalism for an Age of Discontent.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome