Edição online semanal
 
Domingo 20 de Setembro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O modelo arménio para a Bielorrússia

28-08-2020 - Carl Bildt

Os bielorrussos têm saído às ruas para protestar em números sem precedentes e se recusam a ser intimidados pela violência do Estado, é óbvio que o presidente Alexander Lukashenko foi incapaz de realizar sua tentativa de roubar outra eleição e estender seu mandato no poder. Todos os sinais indicam que seus dias no poder estão chegando ao fim.

Muitos comentaristas comparam a situação da Bielorrússia às revoluções Orange e Maidan da Ucrânia em 2004-05 e 2014, respectivamente; Mas a Bielorrússia não é a Ucrânia, e não é particularmente útil aplicar o modelo Maidan aos eventos que estão ocorrendo em Minsk e outras cidades e vilas da Bielorrússia.

Embora questões internas de corrupção e má gestão indubitavelmente tenham influenciado os acontecimentos políticos pós-Guerra Fria na Ucrânia, o principal factor determinante foi o desejo de trazer o país para o seio europeu. O movimento Maidan foi uma resposta directa à tentativa do então presidente ucraniano, Viktor Yanukovych, de abandonar a causa da integração e reforma europeias; os revolucionários se mobilizaram abertamente sob a bandeira da União Europeia.

A revolta na Bielorrússia é diferente, os problemas internos desempenham claramente um papel mais proeminente e as questões sobre a orientação do país para a Europa ou a Rússia estão quase totalmente ausentes. Os bielorrussos estão simplesmente fartos do reinado de 26 anos de um homem que está cada vez mais afastado da sociedade. A bandeira da revolução é a bandeira nacional bielorrussa branca com uma faixa vermelha, que actualmente é proibida e provavelmente se tornará a bandeira oficial do país (como era em 1918 e 1991-95). Na verdade, nenhuma outra bandeira foi vista.

No entanto, embora cada revolução política deva traçar seu próprio caminho, existem modelos que podem ajudar observadores externos a entender o que o futuro reserva. No caso da Bielorrússia, não tentaria fazer uma analogia com a Ucrânia, mas com a Arménia na primavera de 2018, quando as manifestações em massa forçaram a renúncia de Serge Sargsian, que ocupou a presidência por muitos anos, e inaugurou uma nova era de democracia no país. .

A Arménia também sempre teve uma relação estreita com a Rússia, tanto por razões históricas quanto estratégicas. Em 2013, o país absteve-se de se juntar à Geórgia, Moldávia e Ucrânia para celebrar um Acordo de Livre Comércio Abrangente e Aprofundado com a UE e optou por aderir à União Económica da Eurásia (EEU), liderada pela Rússia.

Durante os eventos de 2018, temia-se justificadamente que a Rússia interviesse de alguma forma para impedir outra "revolução colorida" em uma ex-república soviética, mas como a orientação geopolítica arménia não mostrou sinais de mudança, parece que o Kremlin se limitou. .

Nas circunstâncias mais favoráveis, a revolução arménia poderia servir de modelo para a Bielorrússia. O objectivo imediato é que um governo de transição prepare o terreno para convocar uma nova eleição presidencial com supervisão internacional. Para garantir um processo tranquilo, a orientação externa bielorrussa deve ser deixada de fora. As eleições e a luta de forma mais ampla devem se concentrar apenas na democracia dentro do país, nada mais.

Para criar as condições para um “modelo arménio”, a UE deve conceber cuidadosamente as suas próximas sanções, visando apenas os responsáveis ​​e envolvidos na óbvia falsificação das eleições e na subsequente ofensiva violenta contra os manifestantes. Qualquer acção que imponha custos à sociedade e economia bielorrussa de forma mais ampla seria contraproducente.

Além disso, a Europa e as potências ocidentais terão de aceitar que uma nova Bielorrússia democrática continuará a ser economicamente dependente da Rússia, pelo menos por enquanto. Esperançosamente, as reformas necessárias para modernizar a economia da Bielorrússia trarão esse relacionamento a um equilíbrio no âmbito da UEE.

Do mesmo modo, uma vez que um acordo de associação ao estilo ucraniano com a UE não será uma opção, a prioridade deve ser a adesão da Bielorrússia à Organização Mundial do Comércio e o seu apoio através do Fundo Monetário Internacional. Ambos os processos introduziriam condições para reformas económicas internas. Temos esperança de que um regime democrático os adopte rapidamente.

Após sua revolução democrática, a Arménia continuou a hospedar uma base militar russa fora de sua capital, Yerevan. Embora a Rússia não tenha uma presença militar comparável na Bielorrússia, ela tem interesses militares óbvios, com uma pequena unidade de força aérea e duas instalações estratégicas. Sobre essas e outras questões relacionadas à defesa que não representam ameaça a ninguém, não há razão para que os acordos existentes não possam ser mantidos.

Se o presidente russo, Vladimir Putin, aceitará uma transição política ao estilo arménio na Bielorrússia, é claro, ninguém sabe. Certamente haverá aqueles em seu círculo íntimo que emitirão avisos paranóicos de que isso os colocaria em um beco sem outra saída senão o controle da OTAN. Para desviar as tentativas daqueles que propõem uma ofensiva brutal para impedir qualquer tipo de avanço democrático, o Ocidente terá que manter uma diplomacia pró-activa e deixar claro que apoiará uma Bielorrússia democrática que prefere manter laços estreitos com a Rússia.

A situação bielorrussa não é uma luta geopolítica, é uma questão interna que afecta seus habitantes e um regime obsoleto que perdeu legitimidade. A diplomacia ocidental pode ajudar o povo bielorrusso a alcançar um resultado democrático, mas apenas se agir com prudência.

CARL BILDT

Carl Bildt foi ministro das Relações Exteriores da Suécia de 2006 a 2014 e primeiro-ministro de 1991 a 1994, quando negociou a adesão da Suécia à UE. Um renomado diplomata internacional, ele serviu como Enviado Especial da UE para a Ex-Jugoslávia, Alto Representante para a Bósnia e Herzegovina, Enviado Especial da ONU para os Balcãs e Co-Presidente da Conferência de Paz de Dayton. Ele é co-presidente do Conselho Europeu de Relações Exteriores. 

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome