Edição online semanal
 
Domingo 20 de Setembro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A agonia do Líbano

21-08-2020 - Shlomo Ben-Ami

Na semana passada, a explosão de um armazém onde quase 3.000 toneladas de nitrato de amónio estavam armazenadas varreu o porto de Beirute e destruiu grande parte da capital libanesa. Pelo menos 137 pessoas morreram, milhares ficaram feridas e centenas de milhares ficaram desabrigadas. Para um país já abalado por uma crise política e económica, os desafios que temos pela frente só se intensificaram. A única possibilidade de superá-los reside em uma reforma profunda do sistema político do Líbano e alianças regionais.

Segundo o governador de Beirute, as perdas económicas totais com a explosão podem atingir entre 10 e 15 bilhões de dólares. No entanto, o estado libanês já está à beira da falência. Agora, com o regime cleptocrático e incompetente que governa o país, nenhum credor internacional, nem mesmo o Fundo Monetário Internacional, está disposto a lhe oferecer crédito.

Sem dúvida, como resultado desta última crise, o Líbano receberá uma ajuda internacional considerável. Os doadores já prometeram quase US $ 300 milhões em assistência humanitária em uma cúpula virtual, para apoiar os cuidados de saúde, segurança alimentar, educação e habitação.

Esse dinheiro não é de graça. Para evitar que caia em "mãos corruptas", como disse o presidente francês Emmanuel Macron, a ajuda será encaminhada através das Nações Unidas, organizações internacionais e ONGs, e não através do governo libanês. Eles sabem que se os actuais governantes do país estiverem no controle das finanças, suas contribuições apenas perpetuarão a corrupção e a crise. Infelizmente, este é apenas um paliativo financeiro temporário que não pode resolver as causas subjacentes dos males do Líbano. Além do mais, eles poderiam aliviar a pressão interna sobre a classe política do país. 

É verdade que os doadores internacionais estão pedindo reformas políticas e económicas. Mas a triste verdade é que superar os poderosos interesses investidos do Líbano - incluindo sua classe dominante e potências externas, como o Irão e a Síria, que exercem considerável influência doméstica - será quase impossível. O presidente libanês, Michel Aoun, um fantoche do Hezbollah, nem mesmo aceitaria a reivindicação de uma investigação internacional sobre a explosão do porto. O argumento deles é que isso poderia "diluir a verdade". 

A política do Líbano reflecte a luta sectária em curso no país. Tudo o que fica entre a calma relativa e o caos violento é um sistema frágil de distribuição de poder que inclui grupos étnicos e religiosos em guerra, incluindo cristãos maronitas, drusos e muçulmanos sunitas e xiitas.

Mas esse sistema há muito depende de gigantescos influxos de capital, o que permitiu à elite sectária se firmar por meio do clientelismo. Uma interrupção repentina dessas receitas no ano passado abalou as bases do sistema, gerando protestos generalizados e abalando a delicada paz do Líbano.

No entanto, a dinâmica interna do Líbano dificilmente pode ser separada dos eventos regionais. A política sectária do Líbano permitiu que potências estrangeiras ganhassem uma posição forte no país, tornando-o parte integrante do Eixo de Resistência liderado pelo Irão contra Israel e os projectos regionais dos EUA.

O enorme apoio do Irão ao Hezbollah permitiu que o partido político xiita e a milícia se tornassem o que é provavelmente o mais poderoso actor não-estatal do mundo, com capacidades militares superando as do exército libanês. De forma reveladora, quando Macron visitou Beirute após a explosão do porto, multidões gritavam "libertem-nos do Hezbollah".

Mas o Hezbollah goza de amplo apoio entre os xiitas do Líbano, que constituem um terço da população do país e constituem a seita mais poderosa, política e militarmente. Talvez mais importante, a soberania do Líbano continua a ser subvertida pelo Irão, que está comprometido em usar o Hezbollah para promover suas próprias prioridades estratégicas. Quando a explosão de Beirute ocorreu, um tribunal especial apoiado pelas Nações Unidas estava a dias de entregar seu veredicto no julgamento de quatro supostos membros do Hezbollah pelo assassinato em 2005 do ex-primeiro-ministro libanês (e do homem da Arábia Saudita em Beirute) Rakik Hariri.

Claro, os alvos regionais do Irão estimularam a resistência: o espectro de uma guerra entre Israel e o Hezbollah tem aumentado recentemente. O aspecto positivo da explosão de Beirute pode ser que ela previne - ou pelo menos antecipa - aquele conflito, no qual Israel destruiria a infra-estrutura do Líbano para neutralizar os 150.000 mísseis que o Hezbollah escondeu entre a população civil antes que eles devastassem a vulnerável frente doméstica, de Israel.

As dificuldades do Líbano tornam mais difícil para Israel realizar um ataque preventivo contra as capacidades militares do Hezbollah e desencoraja o Hezbollah de antagonizar Israel. Mas qualquer dissuasão mútua que existe é frágil, na melhor das hipóteses. Se o Hezbollah (com a ajuda do Irão) desenvolver mísseis de precisão, não há perspectiva de sucesso.

Mesmo sem essas armas, a esperança da comunidade internacional de usar a ajuda como uma alavanca para trazer mudanças - uma esperança compartilhada não apenas por potências ocidentais como a França, mas também, potencialmente, pela Arábia Saudita e outros estados do Golfo. uma vez não deu frutos. Como o próprio Macron supostamente disse ao presidente dos Estados Unidos Donald Trump, as sanções contra o Hezbollah jogam contra aqueles que deveriam enfraquecer, incluindo o Irão.

Dito isso, a vibrante e bem desenvolvida sociedade civil do Líbano já forçou mudanças antes. Após o assassinato de Hariri, a Revolução dos Cedros - uma série de manifestações sob o slogan "liberdade, soberania e independência" - levou à retirada das tropas sírias do Líbano.

Mas a sociedade civil libanesa enfrenta uma oposição muito mais severa hoje do que qualquer coisa que os sírios sitiados poderiam armar em 2005. Nos últimos 15 anos, o Irão investiu abundantemente para tornar o Líbano seu campo de jogo estratégico. Como resultado, o Hezbollah está mais poderoso e o Líbano mais dependente do que nunca de potências externas - incluindo Irã, Síria e Rússia.

Esses poderes não irão relaxar e permitirão uma reforma do sistema político que transformou o Líbano em um elo crucial em sua estratégia regional, mesmo ao custo de transformar o país em outra Líbia. Longe de uma nova Revolução dos Cedros, os esforços para exigir reformas podem levar a um conflito muito parecido com a guerra civil de 1975-90, na qual potências estrangeiras e milícias locais opostas juntaram forças e destruíram o Líbano.

SHLOMO BEN-AMI

Shlomo Ben-Ami, ex-ministro das Relações Exteriores de Israel, é vice-presidente do Centro Internacional para a Paz de Toledo. Ele é o autor de Scars of War, Wounds of Peace: The Israeli-Arab Tragedy.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome