Edição online semanal
 
Domingo 20 de Setembro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

China joga carta no Irão

07-08-2020 - Vali Nasr, Ariane Tabatabai

No início deste mês, o Irão anunciou que está negociando um acordo de 25 anos com a China, cobrindo áreas como comércio, energia, infra-estrutura, telecomunicações e até cooperação militar. Para o Irão, a perspectiva de uma aliança estratégica com a China chega em um momento crítico. O governo iraniano tem enfrentado inquietação popular pelo colapso da economia doméstica, que foi abalada pelas sanções dos EUA e, agora, pelo COVID-19.

Para acrescentar insulto à lesão, uma série recente de explosões em todo o país aprofundou a sensação de que o regime está sitiado. Ao danificar pelo menos dois locais associados aos programas nucleares e de mísseis do Irão, esses incidentes parecem fazer parte de uma estratégia mais ampla EUA-Israel que visa minar as capacidades do Irão.

A notícia de um grande acordo com a China é, portanto, uma distracção bem-vinda para o governo iraniano, e pode até permitir-lhe ganhar tempo para manter o status quo até a eleição presidencial dos Estados Unidos em Novembro deste ano. O resultado desse concurso determinará a trajectória das relações entre os Estados Unidos e o Irão e o destino do acordo nuclear iraniano de 2015, conhecido como Plano de Acção Conjunto (PAIC), além de influenciar a eleição presidencial do Irão. em Junho de 2021.

Certamente, os iranianos historicamente são relutantes em se alinhar muito estreitamente com qualquer grande potência e estão ainda menos dispostos a aceitar a tutela económica.  Como o relacionamento do Irão com a China já é causa de controvérsia doméstica, o parlamento do país pode se recusar a ratificar o acordo, a menos que seja revisado para responder a certas preocupações.

Mas a economia do Irão está em queda livre desde 2018, quando o governo Trump saiu da PAIC e lançou sua campanha de "pressão máxima" de duras sanções destinadas a sufocar o regime. Além disso, o regime como um todo está enfrentando uma reacção violenta da população e o governo do presidente iraniano Hassan Rouhani está sob tremenda pressão interna. O anúncio de um acordo com a China permite ao governo Rouhani demonstrar que não está colocando todos os ovos na cesta ocidental. A mensagem para o povo iraniano é que ele não está isolado e pode até desfrutar de progresso económico, apesar das sanções dos EUA.

No nível internacional, o Irão sempre tentou contrariar uma grande potência com outra. Na década passada, em resposta à pressão diplomática e económica dos Estados Unidos, suas forças de segurança procuraram a Rússia, os principais sectores económicos procuraram a China e o governo Rouhani se aproximou da Europa. Agora, com as crescentes tensões sino-americanas, o Irão está olhando para a China para reforçar sua economia e contrabalançar os Estados Unidos. Os laços mais estreitos com a China permitiriam ao Irão exercer maior influência em futuras negociações com os Estados Unidos e a Europa quando chegar a hora de revisar ou restaurar a PAIC, bem como em suas negociações com rivais regionais como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos. . 

Por outro lado, uma aliança estratégica com o Irão é um campo minado para a China. Enquanto a China continua a negociar com o Irão e a investir na infra-estrutura do país, o aprofundamento dos laços pode alimentar a ira dos EUA diante de uma encruzilhada diplomática crítica e cada vez mais sensível. Ao se expor potencialmente às sanções dos EUA, a China corre o risco de perder o acesso ao mercado dos EUA (que é muito maior que o do Irão). Não é de surpreender que as autoridades chinesas tenham mantido um perfil relativamente mais baixo das negociações do que seus pares iranianos. Da mesma forma, a China não deseja alterar suas alianças regionais com Israel ou Arábia Saudita, que, em ambos os casos, estão envolvidas em guerras por procuração com o Irão e em operações secretas contra o Irão. 

No entanto, a China obviamente vê algum valor em forjar um acordo abrangente com o Irão - um grande e importante actor regional cujos vastos recursos energéticos e um tremendo potencial económico o tornam candidato natural à iniciativa pro-ocidental One Belt, One China Road. . A China já compra petróleo mais barato do Irão - não exactamente um benefício irrelevante para o maior consumidor de energia do mundo - e se tornou um parceiro comercial importante do Irão, inclusive como fornecedor líder de máquinas pesadas e manufacturados.

De maneira mais ampla, a China aumentou bastante seu interesse na Ásia Ocidental nos últimos dez anos. É o principal patrocinador da Organização de Cooperação de Xangai, um órgão regional e investiu mais de US $ 57 biliões no Paquistão. Agora que os Estados Unidos estão prontos para se retirar do Afeganistão, uma aliança com o Irão dará à China quase total domínio em um corredor estratégico que se estende da Ásia Central ao Mar Arábico.

Como parte dessa expansão, a China pode até ganhar o controle do porto iraniano de Chahbahar, que sua principal rival asiática, a Índia, vem desenvolvendo em resposta ao desenvolvimento da China no porto paquistanês de Gwador, nas proximidades. O porto de Chahbahar permite que a Índia evite o Paquistão - outro rival - em seu comércio com a Ásia Central. Mas, apesar da reconhecida importância do porto, as sanções dos EUA estão forçando a Índia a deixar Chahbahar e frustrando o Irão. De fato, o Irão já está pressionando a Índia a abandonar um projecto ferroviário que contorna o Paquistão e se conecta ao Afeganistão e à Ásia Central. A notícia desse rompimento veio logo após a China e o Irão anunciarem um acordo preliminar.

Recentes escaramuças na fronteira China-Índia demonstram o quão seriamente a China leva sua marca na Ásia Ocidental. Além de abrir as portas para a China controlar Chahbahar e monopolizar as rotas comerciais na Ásia Central, o acordo também parece oferecer oportunidades para a China desenvolver instalações navais no Golfo de Omã. Enquanto os Estados Unidos há muito desejam desviar a atenção do Oriente Médio para se concentrar mais na China, o novo acordo sino-iraniano nos lembra que os dois cenários não são de forma alguma separados.

Ao aumentar a pressão sobre a China e o Irão, os Estados Unidos incentivaram os dois países a criar uma frente comum. Embora a relação sino-iraniana ainda esteja longe de se tornar um novo eixo, negociações recentes mostram que esse acordo é possível.

Os responsáveis ​​pela política externa dos EUA devem tomar nota. Os Estados Unidos precisarão tentar cunhar a China e o Irão, o que exige decidir qual dos dois países representa a maior ameaça. Os americanos podem querer nada mais do que deixar o Oriente Médio de uma vez por todas. Mas a realidade é que a competição estratégica com a China não será travada apenas no leste da Ásia.

VALI NASR

Vali Nasr, professora de estudos e assuntos internacionais do Oriente Médio da Escola de Estudos Internacionais Avançados da Universidade Johns Hopkins, é ex-consultora sénior do Departamento de Estado dos EUA e autora de The Dispensable Nation: American Foreign Policy in Retreat.

ARIANE TABATABAI

Ariane Tabatabai é bolsista do Médio Oriente na Alliance for Securing Democracy no German Marshall Fund dos Estados Unidos e pesquisadora sénior da Escola de Relações Internacionais e Públicas da Columbia University.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome