Edição online semanal
 
Sábado 15 de Agosto de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

NATO agonizante

24-07-2020 - Ana Palacio

Talvez a NATO seja, como afirma seu secretário-geral Jens Stoltenberg, "a aliança mais bem-sucedida da história", mas também pode estar à beira da desintegração. Após alguns anos turbulentos de distanciamento dos Estados Unidos da NATO, durante a presidência de Donald Trump, as recentes tensões entre a França e a Turquia expõem a fragilidade da Aliança.

disputa de atiradores começou em meados de Junho, quando uma fragata da marinha francesa sob o comando da OTAN no Mediterrâneo tentou inspeccionar um navio de carga sob suspeita de violação do embargo de armas das Nações Unidas contra a Líbia. A França sustenta que três navios turcos que acompanham o cargueiro adoptaram uma atitude "extremamente agressiva", mirando a fragata três vezes com radar de controle de tiro (um sinal de ataque iminente). A Turquia negou a versão da França e afirma que a fragata francesa assedia seus navios.

Quaisquer que sejam os detalhes, o facto é que dois aliados membros da Nato chegaram muito perto de abrir fogo no contexto de uma missão da organização. Ela marca um novo nível de tensão e pode se tornar um sinal precursor da ruptura da aliança.

Na famosa frase de Lord Hastings Ismay, primeiro secretário geral da NATO, a Aliança nasceu para "manter os russos afastados, os norte-americanos e os alemães em baixa". Obviamente, essa dinâmica mudou nas décadas seguintes, especialmente o relacionamento com a Alemanha. Mas a base geral da cooperação - a percepção de uma ameaça colectiva, uma forte liderança americana e um senso de propósito compartilhado - permaneceu.

Sem a liderança dos Estados Unidos, toda a estrutura está em risco de colapso.  Não é por acaso que a última vez que dois membros da NATO estiveram tão perto de um confronto (durante a invasão turca de Chipre em 1974) foi enquanto os Estados Unidos estavam envolvidos na Guerra do Vietname. De facto, a luta entre Turquia e França ocorreu alguns dias depois que se soube que Trump havia decidido (sem consulta prévia com aliados da NATO) retirar milhares de soldados dos EUA da Alemanha.

Embora a Alemanha não esteja mais na linha de frente do confronto, como durante a Guerra Fria, as forças dos EUA mantidas ali permanecem um poderoso impedimento à agressão russa no flanco oriental da NATO. Ao reduzir essas forças, Trump envia uma mensagem básica: a segurança europeia não é mais uma alta prioridade para os Estados Unidos.

Sejamos claros, o afastamento dos EUA da Europa acelerou sob Trump, mas havia começado há mais de uma década. Em 2011, quando o antecessor de Trump, Barack Obama, proclamou a "virada para a Ásia", o então secretário de Defesa dos Estados Unidos Robert Gates alertou que, se a NATO não demonstrar relevância, os Estados Unidos poderão perder o interesse. nela. Quanto à resposta da NATO, basta lembrar que, até Dezembro passado, as declarações de suas cúpulas nem sequer reconheciam os desafios colocados pela ascensão da China. Até então, os Estados Unidos estavam mostrando sinais de ter perdido o interesse. Agora, sob Trump, o desinteresse deu um passo em direcção à verdadeira hostilidade.

Sem o comando dos Estados Unidos, os membros da NATO começaram a tomar direcções diferentes. O exemplo mais claro é a Turquia. Antes do confronto com a França, a Turquia comprou um sistema russo de defesa antimísseis S-400, apesar das objecções dos Estados Unidos. Também interviu descaradamente na Líbia com o fornecimento de apoio aéreo, armas e combatentes ao Governo do Acordo Nacional de Trípoli.

O presidente turco Recep Tayyip Erdoğan parece certo de que seu relacionamento directo com Trump evitará consequências desagradáveis ​​para sua conduta; e a decisão de Trump de não impor sanções à compra dos mísseis (excepto para excluir a Turquia do programa de caças F-35) parece provar que ele está certo.

Mas a Turquia não é o único país a começar a agir por conta própria; A França também o fez, inclusive na Líbia. Ao fornecer apoio militar ao general Khalifa Haftar (que tem apoio russo e controle do leste da Líbia) para combater as milícias islâmicas, a França foi contra seus aliados da NATO. Embora o presidente Emmanuel Macron afirme não ter apoiado Haftar na guerra civil, há pouco tempo ele concordou com a abordagem egípcia à intervenção militar contra a Turquia, que ele acusa de ter "responsabilidade criminal" no país.

À medida que as tensões com a Turquia aumentam, a França insiste, mais do que nunca, que é vital ter uma estratégia da União Europeia para segurança e defesa (cuja liderança de fato seria sua). E a perda do apoio popular que Macron experimenta na França apenas amplia esse senso de urgência.

Mas, além das motivações políticas, Macron diagnosticou em voz alta o que poucos admitiram: a "morte cerebral" da Aliança devido à incerteza do compromisso de Trump em defender os aliados dos EUA. Desde que a retirada dos EUA da NATO começou muito antes de Trump, há poucas razões para acreditar que essa tendência será revertida (embora possa ser interrompida se Trump perder as eleições de Novembro). Se a Europa, em particular a União Europeia, não começar a se ver como uma potência geopolítica e se encarregar de sua própria segurança, os europeus, segundo Macron, "não estarão mais no controle de nosso destino".

Em Dezembro passado, a NATO comemorou 70 anos como garante da paz, estabilidade e prosperidade em ambos os lados do Atlântico. Mas as fissuras da Aliança levantam sérias questões sobre seu 75º aniversário. Chegou a hora da Europa fortalecer suas defesas e capacidades.

ANA PALACIO

Ana Palacio, ex-ministra das Relações Exteriores da Espanha e ex-vice-presidente sénior e consultora geral do Grupo Banco Mundial, é professora visitante na Universidade de Georgetown.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome