Edição online semanal
 
Domingo 12 de Julho de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Como o poder do povo fortalece o Estado de direito

19-06-2020 - Doug Coltart

Numa noite fria de inverno, em Julho de 2016, milhares de pessoas reuniram-se no interior e no exterior do Tribunal de Magistrados na Rotten Row, em Harare, a aguardar o veredicto do caso do governo do Zimbabué contra o pastor Evan Mawarire, líder do movimento #ThisFlag e um forte opositor do então presidente Robert Mugabe. Quando o magistrado finalmente rejeitou as acusações de traição contra Mawarire por reunir pacificamente pessoas contra a corrupção, houve uma explosão de festejos na rua. Foi uma vitória inesperada para o Estado de Direito – conquistada, pelo menos em parte, por meio de acções colectivas e não violentas de pessoas comuns.

Na sua forma mais básica, o Estado de direito significa simplesmente que ninguém está acima da lei. Todos são tratados de forma imparcial e justa, e o governo não exerce o seu poder arbitrariamente. Estes princípios estão no centro dos protestos em curso contra o racismo sistémico e a brutalidade policial nos Estados Unidos, após a morte de George Floyd. O Estado de direito é muito diferente de “governar por decreto”, que caracteriza muitos estados autoritários e, cada vez mais, algumas democracias.

Muitos argumentam, de forma não irracional, que a construção de instituições sólidas é essencial para fortalecer o Estado de direito.  Mas o que é que se faz quando as instituições que visam defender o Estado de direito estão tão depauperadas que se tornaram as principais ferramentas para a sua subversão? O foco convencional na “construção de instituições” pode fazer com que as pessoas comuns sintam que não têm plenos poderes, ao ficarem à espera pacientemente que as importantes instituições se reformem, enquanto continuam na extremidade receptora da opressão exercida por essas mesmas instituições. Também pode levar a intervenções inúteis de atores externos bem intencionados, que inadvertidamente reforçam as capacidades autoritárias das instituições aprisionadas e não o Estado de direito.

Para fortalecer o Estado de direito, primeiro precisamos de nos concentrar no fortalecimento das pessoas e não das instituições. Isso envolve o trabalho difícil, perigoso e muitas vezes sem glamour da organização comunitária de base que capacita os cidadãos para agirem através de canais informais fora das instituições estabelecidas. Essa acção inclui protestos não violentos – marchas, boicotes, greves e piquetes – bem como iniciativas comunitárias que melhoram directamente a vida das pessoas, tais como centros de aconselhamento a trabalhadores e hortas comunitárias.

Tais esforços são especialmente necessários em estados autoritários onde as instituições estão fundamentalmente fragmentadas. Mas mesmo nas democracias estabelecidas, o recente fracasso de instituições supostamente sólidas para impedir que o Estado de direito fosse prejudicado mostrou que não há substituto para uma cidadania activa e organizada. Esse compromisso não pode ser legislado ou decretado, ou “copiado e colado” de outra jurisdição. As pessoas têm de criá-lo colectivamente desde o início.

A criação do poder do povo começa com a abertura das mentes dos cidadãos para um tipo diferente de sociedade e uma nova maneira de fazer as coisas.  Na África do Sul do apartheid, por exemplo, os grupos de estudo e as aulas de alfabetização de adultos nos municípios durante a década de 1970 ajudaram a estabelecer as bases para o movimento de massas que surgiu na década de 1980 sob a bandeira da Frente Democrática Unida (FDU). A FDU viria a desempenhar um papel de liderança na luta contra o apartheid, culminando em 1990 com a libertação de Nelson Mandela da prisão e o fim da interdição do Congresso Nacional Africano.

A seguir, as pessoas que partilham os mesmos ideais precisam de se organizar, de estabelecer ligações entre si no mundo real (não apenas nas redes sociais) e de se envolver activamente em questões que afectem directamente as suas vidas.  Estas questões podem no início ser locais e não nacionais e envolver acções menos arriscadas. Com o tempo, contudo, as pessoas vão desenvolvendo confiança mútua e ganham confiança em si mesmas e no seu poder colectivo como grupo. As coligações formam-se e as acções tornam-se mais abrangentes e talvez mais conflituosas. Sem que se dê conta disso, surge um movimento social maior do que qualquer um dos indivíduos ou organizações envolvidas e pode desbloquear o poder das pessoas para provocar mudanças.

O poder do povo pode fortalecer o Estado de direito em pelo menos três maneiras. Para começar, ele pode contrariar e até neutralizar a pressão a partir das mais altas esferas aplicada aos tribunais e à polícia pelas autoridades – normalmente, o poder executivo. Isto pode ajudar a garantir que mesmo as instituições depauperadas ou comprometidas cumprem as suas funções de acordo com o Estado de direito – como no caso que envolveu Mawarire.

Em segundo lugar, um movimento de poder do povo pode criar espaços alternativos que prefigurem uma sociedade na qual o Estado de direito é respeitado. O movimento tem de operar internamente de forma justa e imparcial e aplicar os mesmos padrões a todos os seus membros, independentemente do nível hierárquico. E qualquer desobediência civil deve ter um objectivo estratégico e ser altamente disciplinada, para que os participantes entendam que esse tipo de ação não constitui uma rejeição ao Estado de direito, mas sim um meio de estabelecê-lo.

Em terceiro lugar, o poder do povo tem provado repetidamente ser uma ferramenta eficaz para derrotar até as ditaduras mais cruéis e conseguir uma transição para um sistema de governação mais democrático. As reformas profundas que fortalecem o Estado de direito podem então ser implementadas de maneiras que não seriam possíveis num sistema corrompido. Em Novembro de 2019, por exemplo, a nova autoridade de transição do Sudão – estabelecida após meses de protestos não violentos contra a ditadura do presidente Omar al-Bashir e, depois, contra o regime militar que o derrubou – revogou uma lei de ordem pública opressiva que determinava como é que as mulheres se podiam comportar e vestir em público. Embora a transição do Sudão não esteja de forma alguma completa, isto representou um enorme triunfo para o Estado de direito. Não teria sido alcançado sem o poder do povo.

Os líderes autoritários entendem e temem o poder do povo. Logo após a audiência de Mawarire, o regime do Zimbabué ergueu uma vedação à volta do Tribunal de Magistrados na Rotten Row para impedir ajuntamentos públicos semelhantes no futuro. Mas, da mesma forma que os regimes autoritários se adaptam e aprendem com os seus erros passados, também os que lutam por uma sociedade baseada no Estado de direito têm de se ajustar, inovar e improvisar, e acumular poder suficiente para desmantelar os sistemas opressivos que nos algemam. Somente através da luta das pessoas comuns poderemos finalmente mudar o nosso foco para o desenvolvimento de instituições sólidas que protejam todos de forma igual.

O autor está a escrever a título pessoal e os pontos de vista expressos aqui são apenas seus.

DOUG COLTART

Doug Coltart é advogado dos profissionais jurídicos de Mtetwa e Nyambirai no Zimbábue

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome