Edição online semanal
 
Quarta-feira 8 de Julho de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Diplomatas chineses se comportando mal

12-06-2020 - Minxin Pei

No momento em que a reputação da China está sofrendo e seu relacionamento com os Estados Unidos está em queda livre, os diplomatas do país devem se concentrar em diferenciar a política externa da China da do presidente dos EUA, Donald Trump. No entanto, eles estão fazendo exactamente o oposto.

Há muito tempo os diplomatas chineses têm uma reputação de profissionais bem treinados, incolores e cautelosos que perseguem suas missões com obstinação, sem atrair muita atenção desfavorável. Mas uma nova safra de diplomatas mais jovens está abandonando as normas diplomáticas estabelecidas em favor da promoção agressiva da narrativa egoísta da China, COVID-19. É chamado de diplomacia de “guerreiro lobo” - e é contra-ataque.

Pouco antes da crise do COVID-19, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, instruiu o corpo diplomático do país a adoptar uma abordagem mais assertiva para defender os interesses e a reputação da China no exterior. A pandemia - cuja escala pode ter sido muito menor se não fosse pelos erros iniciais das autoridades locais de Wuhan - apresentou uma oportunidade perfeita para traduzir esta directiva em acção.

E é exactamente isso que os diplomatas chineses têm feito. Por exemplo, em meados de Março, o recém-nomeado porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, promoveu uma teoria da conspiração alegando que os militares dos EUA levaram o novo coronavírus a Wuhan, o primeiro epicentro da pandemia.

Da mesma forma, no início de abril, o embaixador chinês na França postou uma série de artigos anónimos no site de sua embaixada alegando  falsamente que as vítimas idosas do vírus estavam sendo deixadas sozinhas para morrer no país. Mais tarde naquele mês, depois que a Austrália se juntou aos Estados Unidos, pedindo uma investigação internacional sobre as origens da pandemia, o enviado chinês em Canberra rapidamente ameaçou  boicotes e sanções.

Mas, diferentemente dos agentes fictícios de operações especiais que receberam seu nome (de um popular filme de acção chinês), os diplomatas chineses guerreiros em lobos não foram recompensados ​​por seu estilo imprudente de confronto. Longe de polir a imagem internacional da China e aplacar aqueles que culpam o país pela pandemia, suas acções minaram a credibilidade da China e alienaram os países que deveriam estar cortejando.

Por que mudar de rumo em primeiro lugar? Um dos motivos é a actual combinação de insegurança histórica da China, enraizada no chamado século de humilhação e arrogância inebriante, alimentada por sua imensa influência económica e influência geopolítica. Tão desejosos que os líderes da China obtenham o respeito que acham que seu país merece, que se tornaram altamente sensíveis às críticas e rapidamente ameaçaram a coerção económica quando os países ousam desafiá-los.

Outro motivo é a ênfase do regime actual na lealdade política. Sob a liderança altamente centralizada do presidente Xi Jinping, os diplomatas chineses são avaliados não em quão bem eles desempenham suas funções profissionais, mas em quão fiel e vocalmente eles seguem a linha do partido. Isso é exemplificado pela nomeação no ano passado de Qi Yu, um aparelho de propaganda sem experiência em política externa ou credenciais, como Secretário do Partido do Ministério de Relações Exteriores - um cargo importante tradicionalmente ocupado por um diplomata experiente.

Se pressionar agressivamente a narrativa preferida do Partido Comunista da China for uma questão de sobrevivência profissional, os diplomatas o farão, mesmo se reconhecerem que é contraproducente (como muitos provavelmente o fazem). Eles certamente não tentarão convencer seus senhores políticos a mudar de rumo. Enquanto os diplomatas correm o risco de pagar um preço alto por discordância de consciência, eles parecem não sofrer consequências - desde críticas na mídia oficial a rebaixamentos ou demissões - por lealdade destrutiva. Ao pressionar a narrativa aprovada pelo CPC produz resultados negativos, é, na linguagem do Partido, uma questão de táctica, não a "linha política". Punir diplomatas leais por “erros tácticos” os deixaria mais relutantes em fazer o trabalho sujo do PCC no futuro.

Ao remover qualquer incentivo para os diplomatas moderarem sua abordagem e oferecer uma desculpa conveniente para contratempos, essa lógica cria  más políticas. Não ajuda que a China não tenha imprensa livre e oposição política para destacar os fracassos da abordagem do guerreiro lobo. Ao contrário dos diplomatas ocidentais, os chineses não precisam temer o ridículo ou a crítica do público. Tudo o que importa é o que seus chefes dizem - e eles querem guerreiros lobo.

Isto é um erro. Em um momento em que a reputação da China está sofrendo e seu relacionamento com os EUA está em queda livre, os diplomatas do país devem se concentrar em diferenciar a política externa da China da do presidente dos EUA, Donald Trump.

É Trump que, de forma imprudente, promove teorias da conspiração e responde agressivamente a qualquer desprezo percebido com ameaças e sanções. É Trump que aliena tolamente amigos e parceiros, em vez de cultivar relacionamentos mutuamente benéficos. E é Trump cuja insistência beligerante na superioridade de seu país corroeu sua reputação internacional e minou seus interesses.

Os líderes da China devem conhecer melhor.

MINXIN PEI

Minxin Pei é professor de governo no Claremont McKenna College e membro sénior não residente do Fundo Marshall Alemão dos Estados Unidos.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome