Edição online semanal
 
Sexta-feira 25 de Setembro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Fazendo o melhor de um mundo pós-pandémico

15-05-2020 - Dani Rodrik

Na medida em que a economia mundial já estava em um caminho frágil e insustentável, o COVID-19 esclarece os desafios que enfrentamos e as decisões que devemos tomar. O destino da economia mundial depende não do que o vírus faz, mas de como escolhemos responder.

A economia global será moldada nos próximos anos por três tendências. O relacionamento entre mercados e o estado será reequilibrado, em favor deste último. Isso será acompanhado por um reequilíbrio entre hiperglobalização e autonomia nacional, também a favor deste último. E nossas ambições de crescimento económico precisarão ser reduzidas.

Não há nada como uma pandemia para destacar a inadequação dos mercados diante dos problemas de acção colectiva e a importância da capacidade do Estado de responder a crises e proteger as pessoas. A crise do COVID-19 aumentou o volume de pedidos de seguro de saúde universal, protecções mais fortes do mercado de trabalho (incluindo trabalhadores que prestam serviços) e protecção das cadeias de suprimentos domésticas para equipamentos médicos críticos. Isso levou os países a priorizar a resiliência e a confiabilidade na produção, em vez de economia de custos e eficiência por meio da terceirização global. E os custos económicos dos bloqueios aumentarão com o tempo, à medida que o enorme choque de oferta causado pela interrupção da produção doméstica e das cadeias globais de valor produz uma mudança descendente na demanda agregada.

Porém, embora o COVID-19 reforce e consolide essas tendências, não é a principal força que as impulsiona. Todas as três - maior acção governamental, retirada do hiperglobalismo e menores taxas de crescimento - antecedem a pandemia. E, embora possam ser vistos como perigos significativos à prosperidade humana, também é possível que eles sejam portadores de uma economia global mais sustentável e inclusiva.

Considere o papel do estado. O consenso fundamentalista do mercado neoliberal está em retirada há algum tempo. A concepção de um papel maior para o governo na resposta à desigualdade e à insegurança económica tornou-se agora uma prioridade essencial para economistas e formuladores de políticas. Embora a ala progressista do Partido Democrata nos Estados Unidos tenha falhado em conquistar a indicação presidencial do partido, ela ditou amplamente os termos do debate.

Joe Biden pode ser um centrista, mas em todas as frentes políticas - saúde, educação, energia, meio ambiente, comércio, crime - suas ideias estão à esquerda da candidata presidencial anterior do partido, Hillary Clinton. Como disse um jornalista, "o conjunto actual de prescrições políticas de Biden seria considerado radical se elas tivessem sido propostas em qualquer primária presidencial democrata anterior". Biden pode não vencer em Novembro. E mesmo que ele vença, ele pode não estar apto ou disposto a implementar uma agenda política mais progressista. No entanto, é claro que a direcção nos EUA e na Europa é em direcção a uma maior intervenção estatal.

A única questão é qual a forma que esse estado mais activista assumirá. Não podemos descartar o retorno a um dirigismo à moda antiga que alcança poucos dos resultados pretendidos. Por outro lado, a mudança do fundamentalismo de mercado pode assumir uma forma  genuinamente inclusiva, focada em uma economia verde, em bons empregos e na reconstrução da classe média. Essa reorientação precisaria ser adaptada às condições económicas e tecnológicas do momento actual, e não simplesmente imitar os instintos políticos das três décadas de ouro após a Segunda Guerra Mundial.

O retorno do estado anda de mãos dadas com a renovada primazia dos estados-nação. A conversa em todo o lado é sobre desglobalização, desacoplamento, trazer as cadeias de suprimentos para casa, reduzir a dependência de suprimentos estrangeiros e favorecer a produção e as finanças domésticas.

Os EUA e a China são os países que dão o tom aqui. Mas a Europa, perpetuamente à beira de uma maior união fiscal, fornece pouco contrapeso. Durante essa crise, a União Europeia mais uma vez se afastou da solidariedade transnacional e enfatizou a soberania nacional.

A retirada da hiper-globalização poderia levar o mundo a um caminho de escaladas guerras comerciais e crescente etno-nacionalismo, o que prejudicaria as perspectivas económicas de todos. Mas esse não é o único resultado concebível.

É possível prever um modelo de globalização econômica mais sensível e menos intrusivo, que se concentre em áreas onde a cooperação internacional realmente compensa, incluindo saúde pública global, acordos ambientais internacionais, paraísos fiscais globais e outras áreas susceptíveis a políticas de mendigo-vizinho . Caso contrário, os estados-nação não teriam ónus em como priorizam seus problemas económicos e sociais.

Essa ordem global não seria hostil à expansão do comércio e investimento mundiais. Pode até facilitar tanto quanto abrir espaço para restaurar pechinchas sociais domésticas nas economias avançadas e elaborar estratégias de crescimento apropriadas no mundo em desenvolvimento.

Talvez a perspectiva mais prejudicial que o mundo enfrenta no médio prazo seja uma redução significativa no crescimento económico, especialmente nos países em desenvolvimento. Esses países tiveram um bom quarto de século, com notáveis ​​reduções na pobreza e melhorias na educação, saúde e outros indicadores de desenvolvimento. Além do enorme ónus da saúde pública com a pandemia, eles agora enfrentam choques externos significativos: uma parada repentina nos fluxos de capital e acentuadas quedas nas remessas, no turismo e nas receitas de exportação.

Mais uma vez, o COVID-19 apenas acentua um problema de crescimento preexistente. Grande parte do crescimento no mundo em desenvolvimento fora do leste da Ásia foi baseada em factores do lado da demanda - investimentos públicos e booms de recursos naturais em particular - que eram insustentáveis. Industrialização voltada para a exportação, o veículo mais confiável para o desenvolvimento de longo prazo, parece ter o seu curso.

Os países em desenvolvimento agora terão que confiar em novos modelos de crescimento. A pandemia pode ser o alerta necessário para recalibrar as perspectivas de crescimento e estimular o repensar mais amplo necessário.

Na medida em que a economia mundial já estava em um caminho frágil e insustentável, o COVID-19 esclarece os desafios que enfrentamos e as decisões que devemos tomar. Em cada uma dessas áreas, os formuladores de políticas têm escolhas. Melhores e piores resultados são possíveis. O destino da economia mundial depende não do que o vírus faz, mas de como escolhemos responder.

DANI RODRIK

Dani Rodrik, professor de Economia Política Internacional na Escola de Governo John F. Kennedy da Universidade de Harvard, é autor de Straight Talk on Trade: Ideas for a Sane World Economy.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome