Edição online semanal
 
Domingo 7 de Junho de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Desglobalização e seus descontentamentos

15-05-2020 - Richard N. Haass

Se as grandes rivalidades de poder, e quão bem ou mal foram administradas, moldaram grande parte da história dos últimos séculos, é mais provável que a era actual seja definida por desafios globais e quão bem ou mal o mundo os enfrenta. Acima de tudo, isso requer evitar curas falsas.

Aumentar a interconexão global - aumentar o fluxo de pessoas, bens, energia, e-mails, sinais de televisão e rádio, dados, drogas, terroristas, armas, dióxido de carbono, alimentos, dólares e, é claro, vírus (ambos biológicos ou software) - tem sido uma característica definidora do mundo moderno. A questão, porém, é se a globalização atingiu o pico - e, nesse caso, se o que se segue deve ser bem-vindo ou resistido.

Certamente, pessoas e bens sempre se deslocaram pelo mundo, seja no alto mar ou na antiga Rota da Seda. O que é diferente hoje é a escala, velocidade e variedade desses fluxos. Suas consequências já são significativas e estão se tornando cada vez mais. Se as grandes rivalidades de poder, e quão bem ou mal foram administradas, moldaram grande parte da história dos últimos séculos, é mais provável que a era actual seja definida por desafios globais e quão bem ou mal o mundo os enfrenta.

A globalização foi impulsionada pela tecnologia moderna, desde aviões a jacto e satélites até a Internet, bem como por políticas que abriram mercados para comércio e investimento. Tanto a estabilidade quanto a instabilidade a promoveram, a primeira, viabilizando negócios e turismo, e a segunda, alimentando os fluxos de migrantes e refugiados. Na maioria das vezes, os governos viam a globalização como um benefício líquido e geralmente se contentavam em deixá-la seguir seu curso.

Mas a globalização, como é evidente em suas várias formas, pode ser destrutiva e construtiva, e nos últimos anos, um número crescente de governos e pessoas em todo o mundo passou a vê-la como um risco líquido. Quando se trata de mudanças climáticas, pandemias e terrorismo - todos exacerbados pela globalização - não é difícil entender o porquê. Mas em outras áreas, a crescente oposição à globalização é mais complicada.

Considere o comércio, que pode proporcionar empregos mais bem remunerados em fábricas ou agricultura orientadas para a exportação, bem como bens de consumo que geralmente são de maior qualidade, mais baratos ou ambos. Mas as exportações de um país são importações de outro país, e as importações podem deslocar os produtores domésticos e causar desemprego. Como resultado, a oposição ao livre comércio aumentou, levando a pedidos de comércio "justo" ou "regulado", no qual o governo desempenha um papel maior para limitar as importações, promover as exportações ou ambos.

Uma tendência semelhante está em andamento quando se trata de informações. O livre fluxo de ideias pode parecer uma coisa boa, mas acontece que governos autoritários o consideram uma ameaça ao seu controle político. A Internet está sendo balcanizada em uma "Internet splintern". O “Great Firewall” da China liderou o caminho, bloqueando o acesso a notícias online e outros sites suspeitos e garantindo que os usuários chineses não possam acessar conteúdo considerado politicamente sensível.

A capacidade das pessoas de atravessar fronteiras em grande número era tradicionalmente aceita ou até bem-vinda. Os imigrantes nos Estados Unidos foram a base do sucesso económico, político, científico e cultural do país. Mas agora muitos americanos vêem os imigrantes com cautela, vendo-os como uma ameaça ao emprego, à saúde pública, à segurança ou à cultura. Uma mudança semelhante ocorreu em grande parte da Europa.

Tudo isso contribui para uma mudança em direcção à desglobalização - um processo que tem custos e limites. O bloqueio das importações pode causar inflação, reduzir a escolha do consumidor, diminuir o ritmo da inovação e levar outros a retaliar com suas próprias restrições de importação. O bloqueio de ideias pode sufocar a criatividade e impedir a correcção de erros de política. E bloquear as pessoas na fronteira pode roubar uma sociedade de talentos e trabalhadores necessários, contribuindo para a miséria daqueles que são forçados a fugir como resultado de perseguição política ou religiosa, guerra, gangues ou fome.

A desglobalização também está fadada ao fracasso em certas áreas de política. Fronteiras não são barreiras à mudança climática. Fechá-los não protege um país dos riscos de doenças, pois os cidadãos podem facilmente voltar para casa com a infecção. A soberania não garante segurança nem prosperidade.

Existe uma maneira melhor de responder aos desafios e ameaças da globalização. Uma acção colectiva eficaz pode enfrentar os riscos de doenças, mudanças climáticas, ataques cibernéticos, proliferação nuclear e terrorismo. Nenhum país sozinho pode se proteger; o unilateralismo não é um caminho político sério.

É disso que se trata a governança global (não o governo). A forma dos arranjos pode e deve ser adaptada à ameaça e àqueles que desejam e podem cooperar, mas não há alternativa viável ao multilateralismo.

Isolacionismo não é uma estratégia. Nem é negação. Podemos enfiar a cabeça na areia como o avestruz proverbial, mas a maré chegará e nos afogará. A globalização é uma realidade que não pode ser ignorada ou desejada. A única opção é a melhor forma de responder.

Os críticos estão certos em um sentido: a globalização traz problemas e benefícios. As sociedades precisam se tornar mais resilientes. Os trabalhadores precisam de acesso a educação e treino durante toda a vida, para estarem prontos para os empregos que surgem à medida que novas tecnologias ou a concorrência estrangeira eliminam seus empregos actuais. As sociedades precisam estar melhor preparadas para lidar com pandemias inevitáveis ​​ou eventos climáticos extremos causados ​​pelas mudanças climáticas.

A globalização não é um problema para os governos resolverem; é uma realidade a ser gerida. Adoptar a desglobalização por atacado é escolher uma cura falsa - e muito pior que a doença.

RICHARD N. HAASS

Richard N. Haass, Presidente do Conselho de Relações Exteriores, actuou anteriormente como Director de Planeamento de Políticas do Departamento de Estado dos EUA (2001-2003), e foi enviado especial do Presidente George W. Bush para a Irlanda do Norte e Coordenador do Futuro do Afeganistão. Ele é o autor de O mundo: uma breve introdução.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome