Edição online semanal
 
Sábado 15 de Agosto de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

AINDA O NOVO BANCO

31-07-2020 - Jorge Bateira

A propósito dos negócios do Novo Banco com empresas de paraísos fiscais de que não se conhecem os donos, recomendo a leitura de uma Nota desta página com o título "A secessão das 'elites' ou como a democracia está a ser abolida".

Transcrevo apenas uma parte.

<<Em geral, a integração europeia é um instrumento formidável para eliminar a responsabilidade das "elites" nacionais, nomeadamente das elites políticas. Estes, por muito ungidos que possam sentir-se com a legitimidade conferida pelo sufrágio universal, não suportam necessariamente o verdadeiro fardo. A capacidade de fazer grandes escolhas foi maciçamente transferida para o nível supranacional, que não responde perante os eleitores. Os dirigentes do Banco Central Europeu não são responsáveis pela política monetária que conduzem. A Comissão de Bruxelas não corre o risco de enfrentar uma greve por interferir um pouco de perto, no contexto do "Semestre Europeu", com o conteúdo dos orçamentos dos Estados-Membros. O Tribunal de Justiça da UE não corre o risco de punir os cidadãos (de que Estado, aliás?) pela jurisprudência de desregulamentação económica que estabelece em cadeia. Em todo o caso, ao "constitucionalizar" os tratados europeus por sua própria iniciativa através de acórdãos dos anos 60, o Tribunal permitiu desde muito cedo que estes tratados e todos os elementos de política económica neles contidos estivessem acima da lei na hierarquia das normas dos Estados-Membros. Ou seja, fora do alcance dos parlamentos e, portanto, dos eleitores.

A forma como a UE está organizada produz eleições decorativas (que têm lugar a nível nacional) e decisões (que têm lugar a nível supranacional), tornando-a uma verdadeira máquina de reciclagem para "elites" políticas que estão em desacordo com as suas nações de origem - e que agora se assemelham muito mais a uma oligarquia do que a uma verdadeira elite. Além disso, a UE oferece múltiplas oportunidades de evasão fiscal através dos seus paraísos fiscais integrados (Irlanda, Luxemburgo, etc.). Por último, a livre circulação de capitais e de mão-de-obra no mercado único põe os dois em concorrência, em benefício do mais móvel e rápido (capital) e à custa do mais sedentário (mão-de-obra). Tudo isso para grande alegria dos segmentos proprietários.

Neste contexto, não é surpreendente que um político especializado em questões europeias, como o búlgaro Ivan Krastev, dedique longas páginas do seu último livro (The Destiny of Europe, First Parallel, 2017) à descrição do fenómeno da secessão das classes dominantes à escala continental. "As elites aristocráticas tradicionais tinham deveres e responsabilidades, e sua educação preparava-as para a ocasião", escreveu ele. "Em comparação, as novas elites são treinadas para governar, mas estão tudo menos prontas para o sacrifício." Nem mesmo ao sacrifício financeiro, ele poderia ter acrescentado, pelo menos cada vez menos, uma vez que a otimização fiscal se tornou um dos desportos mais importantes do nosso tempo. E Krastev acrescentou: "A natureza e a convertibilidade das habilidades das novas elites libertam-nos muito concretamente da sua própria nação. Não estão dependentes dos sistemas nacionais de educação pública (os seus filhos estudam em escolas privadas) ou dos sistemas nacionais de protecção social (podem pagar os melhores hospitais). Eles perderam a capacidade de partilhar as paixões e emoções da sua comunidade.

Portanto, o surgimento dos chamados "populismos" corresponderia, acima de tudo, a uma busca da lealdade. Além disso, o discurso "soberanista" ou antiglobalização dos chamados "populistas" é provavelmente uma das chaves do seu sucesso. Corresponde a um desejo cada vez maior por parte dos povos de "renacionalizar" as suas classes dirigentes para que deixem de se esquivar. A fim de tornar possível, mais uma vez, exigir que eles assumam seus deveres tanto quanto desfrutem dos seus direitos, e que devolvam à comunidade pelo menos uma parte do que receberam, isto é, muito (segurança da propriedade e das pessoas, sistema de saúde, sistema de educação, etc.).

Finalmente, no que diz respeito ao pessoal político, a sua “renacionalização” e o facto de os mandatos nacionais deverem ser conciliados com a condução eficaz das políticas é a única forma de permitir, uma vez mais, o exercício de um controlo democrático normal.

Isto é possível? O mínimo que podemos dizer é que, por enquanto, não estamos a ir por esse caminho. Por outro lado, dia após dia, quando "ultrapassamos" as nações e destruímos o Estado, é a democracia que está a ser abolida.>>

A secessão das "elites" ou como a democracia está a ser abolida

JORGE BATEIRA

Tradução de um artigo publicado por Coralie Delaume no jornal Le Figaro - 20 Abril 2018: http://www.lefigaro.fr/vox/societe/2018/04/20/31003-20180420ARTFIG00185-la-secession-des-elites-ou-comment-la-democratie-est-en-train-d-etre-abolie-par-coralie-delaume.php

A Revolta da Elite e a Traição da Democracia é o título de um livro do sociólogo americano Christopher Lasch, publicado postumamente em 1995. Naturalmente, o livro analisou a América do seu tempo. No entanto, aplica-se perfeitamente à França e à Europa de hoje, cuja evolução das classes privilegiadas Lasch parece ter antecipado com acuidade visionária.

O livro levanta a hipótese de que não é mais a "revolta em massa" que agora ameaça a vida democrática, mas a divisão cada vez mais pronunciada entre o povo e as "elites". Uma ruptura económica e material, bem como educacional e intelectual, que resulta na retirada dos próprios privilegiados. Estes últimos falam apenas com os seus pares, isto é, não só com aqueles que gozam do mesmo nível de riqueza, mas também com aqueles que partilham o mesmo nível de educação. Eles gostam de encenar seu poder e fazem-no de mil maneiras: mostrando sinais exteriores de riqueza, é claro, mas também – e cada vez mais – os sinais da sua herança cultural. O impressionante discurso do Presidente Macron sobre inteligência artificial (29 de Março de 2018) é um exemplo disso que toca o grotesco. Por outro lado, já não estão dispostos a assumir os seus deveres e responsabilidades e preferem o serviço do seu interesse esclarecido ao de um "interesse geral", o qual já nem sequer concebem que possa existir.

Vinte anos depois de Lasch, o fenómeno do separatismo de elite que ele viu emergir no seu país acaba de ser objecto de um estudo quantitativo, desta vez para a França. Jérôme Fourquet publicou, em nome da Fundação Jean Jaurès, uma nota com o título evocativo: "1985-2017, quando as classes privilegiadas se separaram". Em particular, explica que a coesão da sociedade francesa "é hoje minada por um processo quase invisível a olho nu, mas, no entanto, cheio de consequências: um separatismo social que afecta toda uma parte da margem superior da sociedade, com cada vez menos oportunidades de contacto e interacção entre as categorias superiores e o resto da população".

O investigador concretiza. Ele observa que o coração das grandes cidades é massivamente ocupado por executivos, com alguns centros urbanos servindo agora como guetos dourados. O CSP+ aumentou assim de 25% para 46% da população parisiense em 30 anos, enquanto a percentagem de trabalhadores diminuiu de 18% para 7%. Fourquet analisa em seguida a deserção do ensino público e a escolarização maciça dos filhos dos executivos no sector privado, o separatismo eleitoral dos mais ricos ou, em casos extremos, o exílio fiscal, que identifica a recusa de uma parte da população em financiar o funcionamento da comunidade no seu conjunto. Para o autor do estudo, enfrentamos o "empoderamento de alguns dos grupos mais privilegiados que se sentem cada vez menos ligados por um destino comum ao resto da comunidade nacional". Vemos o quanto o fenómeno está ligado ao declínio do quadro nacional, um declínio que permite às "elites" viver cada vez mais numa espécie de alter-mundo suspenso, enquanto os outros estão presos a um aqui em baixo que começa a transformar-se numa terra deserta, e que acabará por se transformar numa selva.

Jérôme Fourquet não é o primeiro a fazer esta observação. O antropólogo Emmanuel Todd também o fez, e dá uma explicação convincente em seu último livro (Où en sommes nous, Seuil, 2017). Para ele, é a divisão educacional que está em jogo, o desenvolvimento do ensino superior tendo tido um efeito perverso inesperado, cortando o corpo social em duas categorias de pessoas: as mais instruídas e as outras. Embora a massificação da educação primária e secundária tenha ajudado a equalizar o nível educacional geral e fomentado o desenvolvimento da democracia, o oposto está agora acontecendo. A razão é simples: o ensino superior (ainda?) não se generalizou. "O acesso universal à educação primária e depois à secundária tinha alimentado um subconsciente social igualitário; a limitação da educação superior criou (...) um subconsciente social desigual", diz o investigador.

A partir desse "subconsciente desigual", percebemos os efeitos todos os dias. Podemos ver que essas pessoas de educação superior, estranhamente convencidas de que não beneficiaram de nada para além do seu talento, já não se misturam. Em todo o caso, têm quanto baste para poderem operar em circuito fechado e para se dirigirem apenas a outros "manipuladores de símbolos", como o economista Robert Reich descreveu os vencedores da globalização, os licenciados, multilingues, móveis, à vontade no campo da comunicação e que fazem a opinião. Porque eles são, é claro, os que têm as canetas e falam aos microfones. Eles compartilham connosco a sua própria maneira de entender a massa das "pessoas que não são nada", como diria Macron, ou seja, pessoas que não são como eles. Eles pintam-nos como cautelosos, "reativos", primitivos e irracionais, hostis às reformas e a qualquer tipo de mudança. Explicam que, se votam "populista", é porque são xenófobos, e que, se votam mal em referendos, é porque não compreendem as questões. Esta divisão da sociedade não nos deveria levar a reconsiderar os contornos das classes sociais? Se estes ainda existem (e este é obviamente o caso) a secessão das "elites" não é apenas da responsabilidade dos "ricos" e dos proprietários dos meios de produção. É também a dos detentores do capital educativo e cultural, que é cada vez mais herdado, no contexto da destruição das escolas públicas e do desengorduramento perpétuo do "mamute".

O desengorduramento também diz respeito a todo o aparelho do Estado e aos serviços públicos, que estão errados ao apresentar virtudes igualitárias que impedem o separatismo elitista. Para acertar estas contas, os Estados-Membros da UE inventaram um pretexto engenhoso e único: "a necessidade de cumprir os critérios de convergência de Maastricht". Em particular, o défice público de 3%, e é em seu nome que os governos destroem ou vendem todos os bens colectivos. A França acaba de cair abaixo do limiar fatídico (2,6% para 2017), mesmo antes de ter terminado a venda ao desbarato da SNCF [equivalente da CP].

Em geral, a integração europeia é um instrumento formidável para eliminar a responsabilidade das "elites" nacionais, nomeadamente das elites políticas. Estes, por muito ungidos que possam sentir-se com a legitimidade conferida pelo sufrágio universal, não suportam necessariamente o verdadeiro fardo. A capacidade de fazer grandes escolhas foi maciçamente transferida para o nível supranacional, que não responde perante os eleitores. Os dirigentes do Banco Central Europeu não são responsáveis pela política monetária que conduzem. A Comissão de Bruxelas não corre o risco de enfrentar uma greve por interferir um pouco de perto, no contexto do "Semestre Europeu", com o conteúdo dos orçamentos dos Estados-Membros. O Tribunal de Justiça da UE não corre o risco de punir os cidadãos (de que Estado, aliás?) pela jurisprudência de desregulamentação económica que estabelece em cadeia. Em todo o caso, ao "constitucionalizar" os tratados europeus por sua própria iniciativa através de acórdãos dos anos 60, o Tribunal permitiu desde muito cedo que estes tratados e todos os elementos de política económica neles contidos estivessem acima da lei na hierarquia das normas dos Estados-Membros. Ou seja, fora do alcance dos parlamentos e, portanto, dos eleitores.

A forma como a UE está organizada produz eleições decorativas (que têm lugar a nível nacional) e decisões (que têm lugar a nível supranacional), tornando-a uma verdadeira máquina de reciclagem para "elites" políticas que estão em desacordo com as suas nações de origem - e que agora se assemelham muito mais a uma oligarquia do que a uma verdadeira elite. Além disso, a UE oferece múltiplas oportunidades de evasão fiscal através dos seus paraísos fiscais integrados (Irlanda, Luxemburgo, etc.). Por último, a livre circulação de capitais e de mão-de-obra no mercado único põe os dois em concorrência, em benefício do mais móvel e rápido (capital) e à custa do mais sedentário (mão-de-obra). Tudo isso para grande alegria dos segmentos proprietários.

Neste contexto, não é surpreendente que um político especializado em questões europeias, como o búlgaro Ivan Krastev, dedique longas páginas do seu último livro (The Destiny of Europe, First Parallel, 2017) à descrição do fenómeno da secessão das classes dominantes à escala continental. "As elites aristocráticas tradicionais tinham deveres e responsabilidades, e sua educação preparava-as para a ocasião", escreveu ele. "Em comparação, as novas elites são treinadas para governar, mas estão tudo menos prontas para o sacrifício." Nem mesmo ao sacrifício financeiro, ele poderia ter acrescentado, pelo menos cada vez menos, uma vez que a otimização fiscal se tornou um dos desportos mais importantes do nosso tempo. E Krastev acrescentou: "A natureza e a convertibilidade das habilidades das novas elites libertam-nos muito concretamente da sua própria nação. Não estão dependentes dos sistemas nacionais de educação pública (os seus filhos estudam em escolas privadas) ou dos sistemas nacionais de protecção social (podem pagar os melhores hospitais). Eles perderam a capacidade de partilhar as paixões e emoções da sua comunidade.

Portanto, o surgimento dos chamados "populismos" corresponderia, acima de tudo, a uma busca da lealdade. Além disso, o discurso "soberanista" ou antiglobalização dos chamados "populistas" é provavelmente uma das chaves do seu sucesso. Corresponde a um desejo cada vez maior por parte dos povos de "renacionalizar" as suas classes dirigentes para que deixem de se esquivar. A fim de tornar possível, mais uma vez, exigir que eles assumam seus deveres tanto quanto desfrutem dos seus direitos, e que devolvam à comunidade pelo menos uma parte do que receberam, isto é, muito (segurança da propriedade e das pessoas, sistema de saúde, sistema de educação, etc.). Finalmente, no que diz respeito ao pessoal político, a sua “renacionalização” e o facto de os mandatos nacionais deverem ser conciliados com a condução eficaz das políticas é a única forma de permitir, uma vez mais, o exercício de um controlo democrático normal.

Isto é possível? O mínimo que podemos dizer é que, por enquanto, não estamos a ir por esse caminho. Por outro lado, dia após dia, quando "ultrapassamos" as nações e destruímos o Estado, é a democracia que está a ser abolida.

Jorge Bateira

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome