Edição online semanal
 
Quarta-feira 19 de Junho de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

HISTÓRIAS – XI

05-04-2019 - Henrique Pratas

Vivíamos no final da época Salazarista em transição para a Marcelista, era miúdo, gostava de jogar à bola, andar de bicicleta, trotinete e não me deixavam porque estas práticas não eram consideradas bons costumes, por isso quando nos atrevíamos a praticar qualquer uma delas e aparecia a polícia a única coisa que tínhamos a fazer era fugir para não sermos apanhados e levados para a esquadra, para além de sermos espoliados dos nossos pertences, sem qualquer tipo de justificação.

Um belo dia estava eu a jogar à bola no pátio da minha escola primária que não interferia em nada com a via pública e surge por onde menos se esperava a carrinha, creme-nívea como nós lhe chamávamos, devido às similitudes que existiam entre o referido creme e a forma como as mesmas eram pintadas.

Cada um de nós fugiu para seu lado para dispersar os polícias e eles não nos conseguirem apanhar, apesar de indignados porque entendíamos que não estávamos a fazer mal nenhum a ninguém, mas com a reação era aquela a única coisa que podíamos fazer era fugir para não nos agarrarem.

Nesse dia não tive sorte e independentemente de ter andado a ensarilhar pelo meio dos carros que se encontrava estacionados o polícia estava mesmo com vontade de me agarrar, deu-lhe para ali. Ao tempo era ágil e tentei cansá-lo com estas manobras, mas ele estava determinado em apanhar-me, não sei porquê, não lhe disse nada, “gostou” de mim e por mais que eu o ensarilhasse por entre os carros ele não desistia, pensei para comigo estou lixado desta fui dentro. A perseguição durou muito mais do que o habitual, normalmente eles não nos conseguiam apanhar corriam atrás de nós e depois desistiam, desta vez não, ainda hoje desconheço os motivos, mas não paravam mesmo estavam determinados a apanhar um de nós. Andei nestas andanças durante algum tempo como o polícia não me largasse, pensei correr em linha reta pois era esguio e naquela altura corria que se me fartava a agilidade era muita. Corri uma rua inteira fiquei a uma distância considerável do policia mas ele apesar de esfalfado não desistia, esperei por ele em ar de desafia e voltei a ensarilhá-lo pelo meio dos caros para o cansar mas ele não desarmava. O polícia não desgrudava e eu não me via livre dele, pensei o que é que podia fazer mais, pensei em subir as escadas do prédio onde morávamos, mas apesar de já ter chave de casa não podia subir e entrar em casa pois não pretendia colocar os meus pais em causa.

Pensei mal, escrevo eu hoje, não o devia ter feito, mas sabia que no cimo das escadas existiam uns jarrões enormes com flores. Tentei a minha sorte, subi as escadas de quatro em quatro degraus, para chegar lá a cima com o tempo de antecedência necessário para normalizar a respiração e me esconder atrás dos jarrões. O polícia com uma proeminente barriga, já vermelho que nem um pimentão, subiu as escadas degrau a degrau, dando-me assim tempo para descansar, normalizar a respiração e esconder-me bem, corri um risco tremendo era fácil, escrevo eu, darem comigo.

Quando o polícia chegou ao cimo das escadas, temi o pior, pensei para comigo desta vez é que vai ser, ele de cassetete em punho e com uma enorme vontade de me arrear e completamente cansado procurou, procurou e não me encontrou. Existia uma porta de acesso para o telhado e ele pensou que eu me tivesse pirado para o telhado, era doido mas não tanto. Ainda o ouvi dizer, “desta vez escapastes, mas para a próxima não te safas”. Esperei que ele descesse as escadas até que saísse para a rua, ainda foi um bom bocado, porque queria ir para casa não fosse ele estar há minha espera do lado de fora da porta da rua. Esperei o tempo necessário e suficiente para garantir este meu desejo, entretanto os meus vizinhos que se aperceberam de tudo desde o princípio mas que não se intrometeram, quando comecei a descer as escadas até ao andar onde morávamos, o 2.º, começaram a vir há porta com um sorriso sobre tudo o que se tinha passado, eles tinham-se apercebido de tudo só que não se intrometeram.

Cheguei ao meu andar, meti a chave há porta, entrei dentro de casa e fui para o meu quarto. A minha mão estanhou por me ver chegar tão cedo a casa e perguntou-me, “passou-se alguma coisa para vires para casa?”, eu com o ar mais normal deste mundo respondi-lhe, não, não se passou nada, estou apenas um pouco cansado.

Escusado será dizer-vos que nos dias seguintes quando saía há porta da rua do meu prédio olhava sempre para todos os lados para ver se existia algum polícia por perto.

Henrique Pratas

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome