Edição online semanal
 
Domingo 25 de Junho de 2017  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Há patrões que recebem 100 vezes mais do que os trabalhadores

26-05-2017 - Henrique Pratas

Que grande novidade nos dão, não é verdade, como ninguém soubesse que isto é uma realidade pura e crua há uma série de anos.

Para o Presidente da República, a disparidade salarial nas empresas cotadas no PSI 20 "é um problema".

O Presidente da República defendeu nesta terça-feira um debate sobre a disparidade salarial de gestores de empresas cotadas na bolsa portuguesa e de trabalhadores que permita corrigir “o problema”, mas “de uma forma que tenha presente a justiça social”.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, a disparidade salarial "é um problema que, no caso de Portugal, se torna mais evidente por ter muito poucas empresas [no PSI 20]”.

“Tem de se encontrar uma forma de debater seriamente o problema não afetando as pequenas e médias empresas [nacionais], olhando para essas empresas [em bolsa] e vendo, até pelo seu capital internacional, o que é que precisa de ser corrigido e como é que precisa de ser corrigido, de uma forma que tenha presente a justiça social”, defendeu.

A imprensa noticia esta terça-feira que os presidentes executivos das empresas do PSI 20 (o principal índice da Bolsa portuguesa) ganharam, em 2016, até cem vezes mais que os trabalhadores.

De acordo com o "Diário de Notícias", e tendo por base os relatórios do governo das sociedades comunicados pelas empresas à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, na EDP, em média, os quase 12 mil funcionários arrecadam ao fim de um ano 49.100 euros, menos 41,5 vezes que o presidente da companhia, António Mexia.

“Ainda assim, Mexia está longe de liderar o 'ranking' da disparidade salarial entre as empresas da bolsa. Das 14 companhias que já publicaram os relatórios de governo das Sociedades de 2016, é na pirâmide da Jerónimo Martins que está a maior distância entre o topo e o fundo”, acrescenta o diário.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, é muito importante “distinguir” duas realidades distintas que existem no país, designadamente as “grandes empresas do PSI 20” e “as pequenas e médias empresas, que são 90 a 95% das empresas”.

“A análise tem de ser feita assim”, considerou o Presidente da República, acrescentando que “as grandes empresas são multinacionais, com capital estrangeiro”, cujos gestores têm “ordenados que chocam flagrantemente com os vencimentos dos trabalhadores”.

O chefe de Estado disse que “esse é um problema que no caso de Portugal se torna mais evidente por ter muito poucas empresas” no PSI 20.

Eu por mim começo a ficar cansado de um Presidente que quer ser Governo ou de ter funções executivas, não me parece que seja esse o papel do Presidente da República que opina sobre tudo e que aparece em todo o lugar onde não é chamado, acho mesmo que o Presidente da República não é um só, ninguém consegue estar ao mesmo tempo em tanto lado e opinar sobre assuntos em que não se deveria pronunciar, entendo mesmo que já fizeram uma clonagem do mesmo só assim a criatura pode dar vazão a tanta aparição.

Mas relativamente ao espanto com que nesta altura se manifestam sobre uma situação que é sobejamente conhecida e sentida pela maior parte dos pensionistas e dos trabalhadores por conta de outrem há muitos anos, isto afigura-se-me como mais um ato populista sem consequências.

Não brinquem mais com o pagode e tenham vergonha na cara.

Henrique Pratas

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome