Edição online quinzenal
 
Sexta-feira 12 de Agosto de 2022  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
O MILAGRE DA COVID NA ARGENTINA
Autor: Joseph E. Stiglitz

21-01-2022

Ao contrário dos Estados Unidos, que poderiam gastar um quarto de seu PIB protegendo sua economia das consequências do COVID-19, a Argentina entrou na pandemia com o baralho empilhado contra ela. No entanto, graças às políticas do actual governo de fortalecimento da economia real, o país vem desfrutando de uma recuperação notável.

Embora o COVID-19 tenha sido difícil para todos, não foi uma doença de “oportunidades iguais”. O vírus representa uma ameaça maior para aqueles que já estão com problemas de saúde, muitos dos quais estão concentrados em países pobres com sistemas de saúde pública fracos. Além disso, nem todo país pode gastar um quarto de seu PIB para proteger sua economia, como fizeram os Estados Unidos. As economias em desenvolvimento e emergentes enfrentaram duras restrições financeiras e fiscais. E por causa do nacionalismo das vacinas (acumulação por parte dos países ricos), eles tiveram que vasculhar qualquer dose que pudessem obter.

Quando os países sofrem uma dor tão aguda, os titulares de cargos tendem a receber mais culpa do que merecem. Muitas vezes, o resultado é uma política mais fragmentada que torna ainda mais difícil lidar com problemas reais. Mas mesmo com o baralho empilhado contra eles, alguns países conseguiram obter fortes recuperações.

Considere a Argentina, que já estava em recessão quando a pandemia atingiu, em grande parte devido à má gestão económica do ex-presidente Maurício Macri. Todo mundo já tinha visto esse filme antes. Um governo de direita, amigo dos negócios, conquistou a confiança dos mercados financeiros internacionais, que despejaram dinheiro na hora. Mas as políticas do governo acabaram sendo mais ideológicas do que pragmáticas, servindo aos ricos e não aos cidadãos comuns.

Quando essas políticas inevitavelmente falharam, os argentinos elegeram um governo de centro-esquerda que gastaria a maior parte de sua energia limpando a bagunça, em vez de seguir sua própria agenda. A decepção resultante prepararia o cenário para a eleição de outro governo de direita. Lamentavelmente, um padrão repetido várias vezes.

Mas há diferenças importantes no ciclo actual. O governo Macri, eleito em 2015, herdou relativamente pouca dívida externa, devido à reestruturação que já havia ocorrido. Os mercados financeiros internacionais estavam, portanto, ainda mais entusiasmados do que o habitual, emprestando ao governo dezenas de bilhões de dólares, apesar da ausência  de um programa económico crível.

Então, quando as coisas deram errado – como muitos observadores haviam previsto – o Fundo Monetário Internacional interveio com seu maior pacote de resgate de todos os tempos: um programa de US$ 57 biliões, dos quais US$ 44 biliões  foram rapidamente dispersos no que muitos viram como uma tentativa nua do FMI . , sob pressão do governo do presidente dos EUA, Donald Trump, para sustentar um governo de direita.

O que se seguiu é típico de tais empréstimos políticos (como detalhei em meu livro de 2002, Globalization and Its Discontents). Financiadores domésticos e estrangeiros tiveram tempo para tirar seu dinheiro do país, deixando os contribuintes argentinos segurando o saco. Mais uma vez, o país estava fortemente endividado sem nada para mostrar. E, mais uma vez, o “programa” do FMI falhou, mergulhando a economia em uma profunda recessão, e um novo governo foi eleito.

Felizmente, o FMI agora reconhece que seu programa falhou em atingir seus objectivos económicos declarados. A “avaliação ex-post” do Fundo atribui uma parcela significativa da culpa ao governo de Macri, cujas “restrições a certas políticas podem ter descartado medidas potencialmente críticas para o programa. Entre essas medidas estavam uma operação de dívida e o uso de medidas de gerenciar o fluxo de capital”.

Os apologistas habituais do FMI atribuem o fracasso do programa à falta de comunicação ou implementação desajeitada. Mas uma comunicação melhor não é uma solução para um design de programa ruim. O mercado entendeu isso, mesmo que o Departamento do Tesouro dos EUA e alguns do FMI não.

Dada a bagunça que o governo do presidente argentino Alberto Fernández herdou no final de 2019, parece ter alcançado um milagre económico. Do terceiro trimestre de 2020 ao terceiro trimestre de 2021, o crescimento do PIB atingiu 11,9%, e agora estima-se que tenha sido de 10%  para 2021 – quase o dobro da previsão para os EUA  – enquanto o emprego  e o investimento  se recuperaram para níveis acima daqueles quando Fernández tomou posse. As finanças públicas do país também melhoraram, mesmo com uma política de recuperação anti-cíclica, devido ao forte crescimento económico, taxas de imposto  mais elevadas e progressivas sobre o património e rendimentos das empresas e a reestruturação da dívida de 2020.

Também houve um crescimento significativo nas exportações  – não apenas em valor, mas também em volume – após a implementação de políticas de desenvolvimento destinadas a promover o crescimento do sector comercializável. Isso inclui reformas  nas políticas de crédito; redução de tarifas  de exportação para zero em sectores de valor agregado, juntamente com taxas mais altas sobre commodities primárias; e  investimentos em infra-estrutura pública e pesquisa e desenvolvimento (os tipos de políticas que Bruce Greenwald e eu defendemos em nosso livro Criando uma Sociedade de Aprendizagem).

Apesar desse progresso significativo na economia real, a mídia financeira optou por se concentrar totalmente em questões como o risco país e a diferença cambial. Mas esses problemas não são surpreendentes. Os mercados financeiros estão olhando para a montanha de dívida fornecida pelo FMI que está vencendo. Dado o enorme volume do empréstimo que precisa ser refinanciado, um acordo que apenas estende o prazo de amortização de 4,5 para dez anos dificilmente é suficiente para aliviar as preocupações da dívida da Argentina.

Além disso, a Argentina ainda está experimentando os efeitos do capital de carteira especulativo que derramou durante a presidência de Macri. Boa parte disso foi aprisionada pelos controles de capital daquele governo, resultando em pressão constante sobre a taxa de câmbio paralela.

Limpar a bagunça financeira do governo anterior levará anos. O próximo grande desafio é chegar a um acordo com o FMI sobre a dívida da era Macri. O governo Fernández sinalizou que está aberto a qualquer programa que não prejudique a recuperação económica e aumente a pobreza. Embora todos já saibam que a austeridade é contraproducente, alguns Estados membros influentes do FMI ainda podem pressioná-la.

A ironia é que os mesmos países que sempre insistem na necessidade de “confiança” podem minar a confiança na recuperação da Argentina. Estarão dispostos a seguir um programa que não implique austeridade?  Em um mundo que ainda luta contra o COVID-19, nenhum governo democrático pode ou deve aceitar tais condições.

Nos últimos anos, o FMI ganhou novo respeito com suas respostas eficazes às crises globais, desde a pandemia e as mudanças climáticas até a desigualdade e a dívida. Se fosse para reverter o curso com as exigências de austeridade à Argentina, as consequências para o próprio Fundo seriam severas, incluindo a diminuição da vontade de outros países de se envolverem com ele. Isso, por sua vez, poderia ameaçar a estabilidade financeira e política global. No final, todos perderiam.

JOSEPH E. STIGLITZ

Joseph E. Stiglitz, Prémio Nobel de Economia e Professor Universitário na Universidade de Columbia, é ex-economista-chefe do Banco Mundial (1997-2000), presidente do Conselho de Assessores Económicos do Presidente dos EUA e co-presidente do Conselho de Comissão de Nível sobre os Preços do Carbono. Ele é membro da Comissão Independente para a Reforma da Tributação Corporativa Internacional e foi o principal autor da Avaliação Climática do IPCC de 1995.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome