Edição online semanal
 
Domingo 25 de Agosto de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
Lista de Verificação do ECB de Lagarde
Autor: Stefan Gerlach

02-08-2019

Depois de anos em que o Conselho Europeu agiu como se não houvesse mulheres qualificadas para liderar o Banco Central Europeu, acabou por abandonar essa ridícula desculpa e nomeou Christine Lagarde para o cargo. Lagarde é um designado presidente eminentemente qualificado e promissor; mas para ter um mandato bem-sucedido, ela precisará evitar as preocupações de seus críticos.

A indicação surpresa de Christine Lagarde para servir como o próximo presidente do Banco Central Europeu agradou muitos observadores, inclusive eu, e desapontou outros. Aqueles que estão satisfeitos sentem que o mandato de oito anos de Lagarde como Diretor Administrativo do Fundo Monetário Internacional a torna singularmente qualificada para forjar um acordo dentro do Conselho de Governança do BCE em muitas das questões contenciosas que enfrenta.

Entre os principais deles, estão a atual crise na zona do euro e a possível revisão de sua estrutura de política monetária, proposta por Olli Rehn, governador do Banco da Finlândia. Considerando que os membros mais influentes do BCE parecem ter visões diferentes sobre a estrutura e como ela pode ser mudada, chegar a um consenso não será fácil.

No entanto, aqueles que apoiam a nomeação de Lagarde acreditam que seu tempo como ministra das Finanças da França a deixou ideal para trabalhar com os governos dos países membros da zona do euro - e convencê-los a organizar uma resposta fiscal coletiva em caso de crise severa. Ela também precisará pressionar por uma revisão das regras fiscais da União Europeia, que colocaram quase toda a carga de estímulo econômico na política monetária. As regras atuais, que apareceram pela primeira vez no Tratado de Maastricht de 1992, estão lamentavelmente desatualizadas, devido ao colapso das taxas de juros reais de longo prazo.

Por último, mas não menos importante, é reconfortante ver uma mulher nomeada para liderar o BCE. A ideia, há muito implícita pelo Conselho Europeu, de que não existe uma mulher qualificada entre os 341 milhões de pessoas que vivem na zona euro foi finalmente abandonada. Boa viagem.

No entanto, a escolha de Lagarde encontrou críticas. Alguns argumentaram que a nomeação - juntamente com a do ex-ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, como vice-presidente no ano passado - representa uma politização do BCE. Eles temem que a política monetária seja cada vez mais influenciada pela conveniência política de curto prazo, às custas da credibilidade de longo prazo do BCE. Os detentores dessa posição, sem dúvida, consideram o colapso dos rendimentos de títulos na Itália após a indicação de Lagarde como evidência de que muitos estímulos estão chegando.

Outros notaram que nem Lagarde nem Guindos têm qualquer experiência em bancos centrais ou treinamento em economia formal, temem que o BCE não tenha a expertise de alto nível necessária para responder às crises. Finalmente, outros reclamam que o trabalho deveria ter sido para um alemão, para reparar o relacionamento tenso do BCE com o público alemão. SE INSCREVER

A falta de apoio público ao BCE num país que representa cerca de um quarto da população da zona do euro é obviamente um problema. Lagarde terá que fazer a reinicialização do relacionamento com a Alemanha como uma prioridade, ao mesmo tempo em que desestimula seus críticos da noção de que ela é suscetível a pressões políticas.

Para esse fim, ela deve fazer cinco coisas entre agora e tomar posse em novembro. Primeiro, ela deve sinalizar que sua nomeação representa a continuidade da política, não uma reviravolta dovish. Afinal de contas, uma mudança na presidência não transformará de repente os pontos de vista dos outros 24 membros do Conselho do BCE.

É verdade que, como os rendimentos de títulos em declínio acentuado na periferia da zona do euro mostram, os participantes do mercado esperam que Lagarde abra ainda mais os spigots monetários e por algum tempo. Mas isso não é um acordo feito. Por exemplo, o PMI composto para a área do euro subiu entre abril e junho, antes de voltar a cair em julho. No entanto, permanece em território expansionista. Além disso, a desaceleração está amplamente concentrada no setor de bens comercializados e deve-se às tensões comerciais. Não está claro que a política monetária pode fazer muito para compensar isso. Quanto mais cedo os participantes do mercado perceberem isso, melhor.

Em segundo lugar, Lagarde precisa lançar uma ofensiva de charme na Alemanha. Nenhum banco central pode se dar ao luxo de ser visto com desconfiança por parte significativa da população. Lagarde pode se ajudar mostrando que sua nomeação não tornará o BCE mais dovish. Mas o poder brando também é importante. Ela deveria estar organizando muitas aparições na mídia alemã e em eventos em Berlim e em outros lugares. Os ingressos de temporada para o Staatsoper Berlin podem ser uma boa ideia.

Em terceiro lugar, Lagarde deveria dar início a uma revisão há muito esperada do quadro político do BCE. Ela pode não ser um economista ou um banqueiro central por formação, mas ela é conhecida por ser um gerente voltado para detalhes e um estudo rápido. Investigar questões políticas complexas permitirá que ela demonstre um firme comando dos problemas enfrentados pelo BCE.

Mais precisamente, é necessária uma revisão interna para forjar um novo entendimento partilhado no seio do Conselho do BCE sobre algumas das questões mais prementes do BCE. Além de determinar as especificações exatas de seu objetivo de inflação, o Conselho precisará ponderar os prós e contras de diferentes ferramentas políticas não convencionais. Entre outras coisas, isso significa decidir se transações monetárias imediatas - o mecanismo revelado em 2012 para fazer “ o que for preciso para preservar o euro” - ainda fazem parte de seu arsenal.

Em quarto lugar, Lagarde deve deixar claro aos governos dos Estados membros que ela saúda a nomeação de experientes executivos do banco central sênior para a Diretoria Executiva. O BCE já tem um economista chefe de primeira linha, Philip Lane, e uma equipe grande e talentosa, então o que realmente precisa é de alguém com experiência de mercado para compensar a saída de Benoît Cœuré em dezembro.

Quinto e último, Lagarde deveria planejar trazer Lane para as coletivas de imprensa que encerram cada reunião política. Dados os comentários sobre os antecedentes dela e de Guindos, ela deveria tomar medidas para garantir que ela não seja enganada por uma pergunta.

Todos os presidentes do BCE trazem seus pontos fortes e fracos para o trabalho. Quando se trata de Lagarde, há todos os motivos para esperar que ela ofereça uma liderança eficaz neste momento crítico para a moeda única.

STEFAN GERLACH

Stefan Gerlach é economista-chefe do EFG Bank em Zurique e ex-vice-governador do Banco Central da Irlanda. Ele também é ex-diretor executivo e economista-chefe da Autoridade Monetária de Hong Kong e secretário do Comitê do Sistema Financeiro Global do BIS.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome