Edição online semanal
 
Terça-feira 17 de Julho de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
MARX AINDA É RELEVANTE?
Autor: Peter Singer

11-05-2018

MELBOURNE - Desde 1949, quando os comunistas de Mao Zedong triunfaram na guerra civil da China, até o colapso do Muro de Berlim, 40 anos depois, o significado histórico de Karl Marx era insuperável. Quase quatro em cada dez pessoas da Terra viviam sob governos que se diziam marxistas e, em muitos outros países, o marxismo era a ideologia dominante da esquerda, enquanto as políticas da direita eram frequentemente baseadas em como combater o marxismo.

No aniversário de 200 anos do nascimento de Karl Marx, em 5 de maio de 1818, não é absurdo sugerir que suas previsões foram falsificadas, suas teorias desacreditadas e suas ideias tornadas obsoletas. Então, por que devemos nos importar com seu legado no século XXI?

Uma vez que o comunismo entrou em colapso na União Soviética e seus satélites, a influência de Marx despencou. No bicentenário do nascimento de Marx, em 5 de maio de 1818, não é exagero sugerir que suas previsões foram falsificadas, suas teorias desacreditadas e suas ideias tornadas obsoletas. Então, por que devemos nos importar com seu legado no século XXI?

A reputação de Marx foi severamente prejudicada pelas atrocidades cometidas por regimes que se diziam marxistas, embora não haja evidência de que o próprio Marx tenha apoiado tais crimes. Mas o comunismo entrou em colapso em grande parte porque, como praticado no bloco soviético e na China sob Mao, não conseguiu proporcionar às pessoas um padrão de vida que pudesse competir com o da maioria das pessoas nas economias capitalistas.

Esses fracassos não refletem falhas na representação de Marx do comunismo, porque Marx nunca o descreveu: ele não mostrou o menor interesse nos detalhes de como uma sociedade comunista funcionaria. Em vez disso, as falhas do comunismo apontam para uma falha mais profunda: a falsa visão de Marx da natureza humana.

Não há, pensou Marx, uma natureza humana inerente ou biológica. A essência humana é, ele escreveu em suas Teses sobre Feuerbach, "o conjunto das relações sociais". Segue-se que, se você muda as relações sociais - por exemplo, mudando a base econômica da sociedade e abolindo a relação entre capitalista e trabalhador - as pessoas na nova sociedade serão muito diferentes do que eram no capitalismo.

Marx não chegou a essa convicção através de estudos detalhados da natureza humana sob diferentes sistemas econômicos. Era, antes, uma aplicação da visão de Hegel sobre a história. Segundo Hegel, o objetivo da história é a liberação do espírito humano, que ocorrerá quando todos entendermos que somos parte de uma mente humana universal. Marx transformou esse relato “idealista” em um “materialista”, no qual a força motriz da história é a satisfação de nossas necessidades materiais, e a liberação é alcançada pela luta de classes. A classe trabalhadora será o meio para a libertação universal, porque é a negação da propriedade privada e, portanto, dará início à propriedade coletiva dos meios de produção.

Uma vez que os trabalhadores possuíssem coletivamente os meios de produção, pensou Marx, as "fontes da riqueza cooperativa" fluiriam mais abundantemente do que as da riqueza privada - tão abundantemente, de fato, que a distribuição deixaria de ser um problema. É por isso que ele não viu necessidade de entrar em detalhes sobre como a renda ou os bens seriam distribuídos. Na verdade, quando Marx leu uma plataforma proposta para uma fusão de dois partidos socialistas alemães, ele descreveu frases como "distribuição justa" e "direito igual" como "lixo verbal obsoleto". Pertenciam, ele pensava, a uma era de escassez que a revolução terminaria.

A União Soviética provou que abolir a propriedade privada dos meios de produção não altera a natureza humana. A maioria dos humanos, em vez de se dedicar ao bem comum, continua a buscar poder, privilégio e luxo para si e para aqueles próximos a eles. Ironicamente, a mais clara demonstração de que as fontes da riqueza privada fluem mais abundantemente do que as da riqueza coletiva pode ser vista na história de um grande país que ainda proclama sua adesão ao marxismo.

Sob Mao, a maioria dos chineses vivia na pobreza. A economia da China começou a crescer rapidamente somente depois de 1978, quando o sucessor de Mao, Deng Xiaoping (que proclamou que "não importa se um gato é preto ou branco, desde que pegue ratos") permitiu que empresas privadas fossem estabelecidas. As reformas de Deng acabaram tirando 800 milhões de pessoas da pobreza extrema, mas também criaram uma sociedade com maior desigualdade de renda do que qualquer país europeu (e muito maior do que os Estados Unidos). Embora a China ainda afirme que está construindo “socialismo com características chinesas”, não é fácil ver o que é socialista, quanto mais marxista, sobre sua economia.

Se a China não é mais significativamente influenciada pelo pensamento de Marx, podemos concluir que na política, como na economia, ele é de fato irrelevante. No entanto, sua influência intelectual permanece. Sua teoria materialista da história, de forma atenuada, tornou-se parte de nossa compreensão das forças que determinam a direção da sociedade humana. Nós não temos que acreditar que, como Marx disse uma vez incautamente, o moinho de mão nos dá uma sociedade com senhores feudais, e o moinho a vapor uma sociedade com capitalistas industriais. Em outros escritos, Marx sugeriu uma visão mais complexa, na qual há interação entre todos os aspectos da sociedade.

O aspecto mais importante da visão de Marx da história é negativo: a evolução de ideias, religiões e instituições políticas não é independente das ferramentas que usamos para satisfazer nossas necessidades, nem das estruturas econômicas que organizamos em torno dessas ferramentas e dos interesses financeiros. Eles criam. Se isso parece óbvio demais para ser declarado, é porque internalizamos essa visão. Nesse sentido, somos todos marxistas agora.

Peter Singer

Peter Singer é professor de Bioética na Universidade de Princeton, professor Laureado da Escola de Estudos Históricos e Filosóficos da Universidade de Melbourne e fundador da organização sem fins lucrativos The Life You Can Save.  Seus livros incluem Libertação Animal, Ética Prática, A Ética do Que Comemos (com Jim Mason),  Repensando a Vida e a Morte, O Ponto de Vista do Universo, em co-autoria com Katarzyna de Lazari-Radek, O Mais Bons Você Pode Fazer,  Fome, Afluência e moralidade, One World Agora, Ética no mundo real, e utilitarismo: Uma introdução muito curta, também com Katarzyna de Lazari-Radek.  Em 2013, ele foi nomeado o terceiro "pensador contemporâneo mais influente" do mundo pelo Gottlieb Duttweiler Institute.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome