Edição online semanal
 
Segunda-feira 21 de Maio de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
Pesquisa da China para o crescimento da qualidade
Autor: Andrew Sheng, Xiao Geng

02-02-2018

HONG KONG - Quando o presidente chinês, Xi Jinping, começar seu segundo mandato de cinco anos, mudar para o "crescimento da qualidade" está no topo da agenda política do país. Em todo o governo da China, um compromisso silencioso, mas resoluto, de fomentar um novo modelo de crescimento que corrige as distorções criadas por décadas de crescimento de dois dígitos - incluindo corrupção, poluição, desigualdades crescentes e outros desequilíbrios estruturais - está se arraigando.

Os líderes chineses demonstraram vontade de aceitar taxas mais baixas de crescimento do PIB à medida que se deslocam para um modelo de crescimento mais equilibrado que enfatize o bem-estar humano. Não será fácil perceber a visão do desenvolvimento "centrado nas pessoas" que o presidente Xi Jinping anunciou em outubro de 2017, mas o país está no caminho certo.

Durante a maior parte dos últimos 40 anos, a China se concentrou no rápido desenvolvimento da terra, impulsionado por iniciativas locais destinadas a atrair investimentos em infraestrutura, recursos humanos e receitas fiscais.   A criação de zonas econômicas especiais, parques industriais e zonas de comércio livre facilitou esse desenvolvimento, pois beneficiaram de um grande grupo de mão-de-obra barata migrando das áreas rurais.

Ao longo desse processo, a China usou o crescimento do PIB como a principal medida de sucesso.   Isso permitiu o estabelecimento de metas e incentivos bem definidos para os funcionários locais, enquanto eles competiam entre si.   Mas também causou sérios problemas - como danos ambientais, desigualdades, dívidas excessivas, excesso de capacidade e corrupção -.

Hoje, as autoridades da China estão examinando uma gama mais ampla de medidas a nível local e nacional que cobrem não apenas o crescimento, mas também a qualidade de vida.   A visão por trás dessa mudança foi articulada no Partido Comunista do 19º Congresso Nacional da China em outubro passado, quando Xi enfatizou 14 áreas políticas que seriam críticas para desenvolver "socialismo com características chinesas".

Entre esses imperativos, estava "adotando uma nova visão para o desenvolvimento", que "assegura e melhora os padrões de vida". Essa visão deve ser sustentada por um compromisso com uma "abordagem centrada nas pessoas" e "harmonia entre humanos e natureza". Xi também enfatizou uma governança forte, especificamente "garantindo a liderança do Partido sobre todo o trabalho", "assegurar todas as dimensões da governança é baseada em leis" e "exercer uma governança completa e rigorosa sobre o Partido".

A motivação por trás da mudança no foco no desenvolvimento da China não é um mistério.   A China é agora a segunda maior economia do mundo e representa quase metade do crescimento global.   Já alcançou os países avançados em termos de infra-estrutura, comércio, investimento e industrialização.   Continuar a fortalecer sua posição no cenário mundial é agora uma questão de cumprir e até mesmo superar os padrões globais em áreas que vão desde a sustentabilidade até a boa governança.

Claro, abordar os desafios que a China enfrenta exigirá muitos testes e erros - muito parecido com o que permitiu seu desenvolvimento passado - para não mencionar a aceitação de algumas baixas econômicas. Por exemplo, o declínio das áreas industriais no nordeste da China e o surgimento de aglomerados de fabricação modernos e competitivos a nível mundial nas Deltas de Pearl e Rio Yangtze no sudeste da China são dois lados da mesma moeda. A concorrência de mercado na China criou vencedores e perdedores, com os vencedores no sudeste levando empresários, talentos e outros recursos dos perdedores no nordeste.

A gestão da transformação das economias regionais da China, ao mesmo tempo que preserva a estabilidade social, exigirá um equilíbrio cuidadoso entre a antiga estratégia de crescimento exemplificada pelos perdedores, que dependia fortemente das empresas estatais e do investimento público, e a nova abordagem mais orientada para o capital humano desenvolvido pelos vencedores. No processo, a China precisará levar em consideração fatores locais, como tendências da população, recursos naturais e recurso das regiões para turistas domésticos de renda média.

Este reequilíbrio exigirá que o governo central ajude a aliviar os encargos da dívida resultantes de projetos em falência nas regiões perdedoras, como aconteceu na década de 1990, quando cancelou as perdas que as empresas estatais sofreram durante a crise financeira asiática. Isso não significa que a China deve resgatar indústrias locais desatualizadas. Em vez disso, significa evitar que os custos do modelo de crescimento passado da China deixem regiões inteiras presas em crescimento e desenvolvimento de baixa qualidade, permitindo que as pessoas locais desenvolvam start-ups inovadoras, investindo em projetos que criem novas oportunidades de renda.

Além dos ajustes estruturais do lado da oferta, a China deve garantir que sua nova estratégia de crescimento aborda problemas do desenvolvimento urbano e humano da "última milha", incluindo engarrafamentos, estrangulamentos de infra-estrutura, escassez de habitação, serviços subdesenvolvidos de gerenciamento de resíduos e educação inadequada cuidados de saúde. Por enquanto, resolver esses problemas de micro nível - críticos para o bem-estar humano - está entre as áreas mais fracas dos complexos planos de reforma macroeconômica e social da China.

A China possui todos os recursos físicos, financeiros e sociais necessários para corrigir esses problemas, que, de fato, representam grandes oportunidades de investimento para os setores público e privado. Mas, para ter sucesso, qualquer estratégia não deve apenas responder aos comentários locais sobre o que é alcançável nas condições locais;também deve permitir a apropriação local de soluções, incluindo design e implementação.

De qualquer forma, os líderes da China demonstraram uma disposição e capacidade de olhar o panorama, aceitando taxas mais baixas de crescimento do PIB à medida que reequilibram o modelo de desenvolvimento do país e buscam melhorias na qualidade de vida. Não será fácil perceber a visão do "desenvolvimento centrado nas pessoas" que a Xi anunciou em outubro passado. Mas a China está no bom caminho.

ANDREW SHENG

Andrew Sheng, Distinguido membro do Instituto Ásia Global da Universidade de Hong Kong e membro do Conselho Consultivo do UNEP sobre Finanças Sustentáveis, é ex-presidente da Comissão de Valores Mobiliários e Futuros de Hong Kong e atualmente é professor adjunto da Universidade de Tsinghua em Pequim. Seu último livro é  From Asian to Global Financial Crisis .

XIAO GENG

Xiao Geng, presidente da Instituição de Hong Kong para Finanças Internacionais, é professor da Universidade de Hong Kong.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome