Edição online semanal
 
Domingo 12 de Julho de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DEVE COMEÇAR PELAS CRIANÇAS
Autor: Helen Clark

26-06-2020

"Nossa casa está pegando fogo", alertou a adolescente e activista climática Greta Thunberg na reunião do Fórum Económico Mundial do ano passado em Davos. Suas contundentes palavras – acusando os adultos de não fazerem nada enquanto o planeta se incendeia – silenciaram uma sala cheia de líderes globais, serviram de inspiração para jovens activistas em todo o mundo e destacaram a importância crucial de colocar as crianças no foco de qualquer acção global para se construir um futuro melhor.

A mudança climática está acontecendo agora. Isso ficou claro nos recentes e sem precedentes incêndios florestais na Austrália, nos quais 18 milhões de hectares queimaram e estima-se cerca de um bilhão de animais pereceram. Também provocou a onda de calor na Índia em 2019, uma das mais longas e mais intensas em décadas. Além disso, um planeta em aquecimento está contribuindo para a disseminação global da dengue, infecção viral transmitida por mosquitos.

No entanto, mesmo com o tempo esgotando nossa capacidade de evitar uma catástrofe, a acção climática global não está recebendo a atenção necessária. Como Thunberg e outros jovens activistas ressaltaram, são nossas crianças que arcarão com o impacto desse fracasso, porque herdarão um planeta cada vez mais inóspito.

A mudança climática não é a única área em que estamos falhando com nossos filhos. O marketing comercial predatório direccionado às crianças e seus tutores está contribuindo para o amplo consumo de produtos não saudáveis, como álcool, tabaco, cigarros electrónicos e bebidas açucaradas. As perdas económicas globais associadas ao uso inadequado de substitutos do leite materno – combinadas com inteligência diminuída, obesidade e aumento do risco de diabetes e outras doenças não transmissíveis – geram perdas estimadas em US$ 302 bilhões.

As crianças são nosso bem mais precioso e merecem uma vida longa, saudável e produtiva. Para assegurar como capacitá-las a fazer exactamente isso, a Organização Mundial da Saúde, a UNICEF e a revista científica Lancet organizaram recentemente uma histórica comissão – que co-presidi, juntamente com Awa Marie Coll-Seck, Ministra de Estado do Senegal – que reuniu 40 especialistas em saúde e bem-estar infantil.

Como aponta o relatório da comissão – "Um Futuro para as Crianças do Mundo?” – o importante é investir nas pessoas enquanto elas são jovens. As evidências mostram que crianças mal nutridas têm problemas de saúde, apresentam piores resultados educacionais e ganham menos quando adultos. As crianças expostas à violência têm maior probabilidade de cometer violência. Por outro lado, as crianças que recebem nutrição adequada, cuidados adequados e educação de qualidade crescem e se tornam cidadãos saudáveis e produtivos, presumivelmente mais bem equipados para criar os próprios filhos saudáveis e produtivos.

Em suma, investir hoje em crianças proporciona benefícios ao longo da vida até mesmo entre gerações. Isso agrega valor à toda a sociedade. Por exemplo, um programa de construção de escolas realizado na Indonésia no período de 1973 a1979 ajudou a melhorar os padrões de vida e as receitas fiscais actuais.

O retorno do investimento em crianças é notavelmente alto. Nos Estados Unidos, verificou-se que cada dólar investido em um programa pré-escolar traz de US$ 7 a US$ 12 em benefícios sociais por pessoa, por meio da diminuição do comportamento agressivo e melhoria na escolaridade. Nos países de renda média baixa, cada US$ 1 investido em saúde materna e infantil pode trazer mais de US$ 11 em benefícios.

Mas não deveríamos buscar esses investimentos apenas por causa dos números. Se não podemos proteger o futuro de nossos filhos, qual é então nosso senso de humanidade?

A Comissão OMS-UNICEF-Lancet convida os líderes de todos os escalões, desde chefes de estado e de governo a líderes da sociedade civil e comunitários, a colocar as crianças no foco das estratégias para alcançar um desenvolvimento sustentável. Isso exigirá visão de longo prazo, onde presidentes e primeiros-ministros assegurem fundos suficientes a serem destinados aos programas necessários e apoiem uma colaboração eficaz entre ministérios e departamentos.

Cada sector tem um papel a desempenhar na construção de um mundo adequado para crianças. Por exemplo, os acidentes de trânsito são o principal assassino de crianças e jovens de 5 a 29 anos, o que implica a urgente necessidade de intervenções para melhorar a segurança no trânsito. Da mesma forma, com 40% das crianças do mundo vivendo em assentamentos informais – caracterizados pela superlotação, pouco acesso a serviços e exposição a riscos como incêndios e inundações – a reforma da habitação é fundamental.

Alguns países reconhecem a importância de aumentar o investimento público em crianças. Na Nova Zelândia, meu país de origem, o governo da Primeira-Ministra Jacinda Ardern, introduziu um orçamento "de primeiro mundo" para o bem-estar social, que coloca as pessoas – especialmente as mais vulneráveis da sociedade, incluindo crianças – em primeiro lugar. O orçamento destina bilhões de dólares para serviços de saúde mental, pobreza infantil e medidas para combater a violência familiar.

Contudo, a Nova Zelândia continua emitindo dióxido de carbono em excesso – 183% do nível estabelecido para atingir sua meta para 2030 e cumprir seu compromisso com o Acordo Climático de Paris, conforme nosso relatório. Outros países ricos – como Noruega e Coreia do Sul – estão se saindo igualmente bem no auxílio para o desenvolvimento das crianças de hoje em dia, garantindo que as crianças de amanhã também possam fazê-lo, embora continuem emitindo muito CO2. Enquanto isso, alguns países menos ricos – como Arménia, Costa Rica e Sri Lanka – estão trabalhando para atingir as metas de emissões até 2030 e fazendo um bom trabalho para garantir que seus filhos sejam saudáveis, educados e cresçam com segurança.

"Não quero sua esperança", disse Thunberg aos líderes mundiais em Davos. "Quero que vocês entrem em pânico ... e façam alguma coisa." Ela está certa. Se quisermos legar um futuro sustentável à geração de Thunberg e aos que vem depois dela, nossos líderes devem agir com coragem – e imediatamente. É dessa forma que se fazem os legados.

Tradução de Anna Maria Dalle Luche, Brasil

HELEN CLARK

Helen Clark, Presidente do Conselho da Parceria para Saúde Materna, Neonatal e Infantil (PMNCH), é ex-primeira ministra da Nova Zelândia e administradora do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome