Edição online semanal
 
Quarta-feira 12 de Agosto de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
PENSAMENTO HOLÍSTICO PARA AMEAÇAS GLOBAIS
Autor: Amy Luers

20-03-2020

Embora exista um consenso geral sobre as maiores ameaças que a humanidade enfrenta e o planeta, os vínculos complexos entre categorias de risco individuais têm recebido até agora muito pouca atenção. Qualquer estratégia realista para avançar em direcção a um futuro mais sustentável não pode tratar esses riscos isoladamente.

Além de custar vidas humanas, a estação de incêndios florestais sem precedentes deste ano na Austrália destruiu cerca de 2.500 casas, matou centenas de milhões de animais, agrediu a economia e colocou uma pressão severa sobre o governo. Logo após os anos mais  quentes  e secos do país , os incêndios destacam a profundidade e a complexidade dos desafios globais que enfrentamos. Da mesma forma, o surto de COVID-19, que começou quando um novo coronavírus pulou de um animal para um humano na China, agora ameaça perturbar a vida econômica e social em todo o mundo.

Durante grande parte do século XX, gostamos de pensar que todo problema tinha uma solução tecnológica simples. Vacinas e antibióticos nos manteriam saudáveis, a Revolução Verde nos alimentaria e o crescimento económico pagaria por nossas escolas e hospitais. Mas  os incêndios florestais e epidemias de hoje demonstram que os riscos que a humanidade enfrenta não são tão simples e não serão gerenciados por soluções fáceis de uma única via.

Considere o cenário global actual. Um milhão de espécies estão agora em risco de extinção, os efeitos desastrosos das mudanças climáticas estão se tornando cada vez mais evidente a todos, movimentos de massa de pessoas estão se tornando mais comum, e o mundo  ' democracias s estão nas garras de polarização partidária e ceticismo em relação à ciência e perícia.

Pode ser difícil discernir o panorama geral de qualquer ponto de vista, e é por isso que precisamos de uma nova narrativa que considere os desafios de hoje na complexidade de todo o sistema planetário. Para esse fim, a organização internacional de pesquisa Future Earth publicou recentemente Our Future On Earth 2020, que captura nossas perspectivas em evolução, conectando os pontos entre as recentes descobertas de pesquisas e os desenvolvimentos que já estamos experimentando - desde inundações e escassez de água até crescente populismo. Com base nas ideias de pesquisadores das ciências físicas e sociais, o relatório ajuda a explicar o que está impulsionando os eventos actuais e como podemos avançar em uma direcção mais sustentável.

O relatório também pesquisa 222 cientistas em 52 países para avaliar 30 categorias de risco que a humanidade e o planeta enfrentam. Os cinco principais riscos identificados pelos entrevistados são condições climáticas extremas, falha na mitigação e adaptação às mudanças climáticas, perda de biodiversidade e colapso do ecossistema, crises alimentares e escassez de água. Essas descobertas representam um encontro de mentes: líderes e tomadores de decisão que foram pesquisados ​​independentemente pelo Fórum Económico Mundial em Janeiro identificaram os mesmos riscos como os mais urgentes.

Os cientistas pesquisados ​​pela Future Earth também enfatizam que estão mais preocupados com as ligações entre as categorias de risco. Há todos os motivos para esperar que uma crise global possa se espalhar para outras. As ondas de calor, por exemplo, podem acelerar a perda de água e a escassez de alimentos, assim como a perda de biodiversidade exacerba as mudanças climáticas e vice-versa.

Além disso, vínculos subtis entre todos os 30 riscos citados na pesquisa podem ter implicações importantes para os esforços futuros de sustentabilidade. Considere a ligação entre o populismo político e a disseminação da tecnologia da informação e comunicação digital (TIC). Esses fenómenos cresceram juntos, com políticos populistas usando técnicas sofisticadas de marketing digital para alcançar as principais cortes de eleitores. Pior ainda, com a desinformação e a propaganda fluindo livremente pelas redes de mídia social de hoje não regulamentadas, os populistas a mensagem simplista de “nós contra eles” foi capaz de viajar para longe e interesses arraigados conseguiram convencer uma parcela significativa do público a ignorar o perigo das mudanças climáticas.

Mas as TIC digitais também têm o potencial de fazer muito bem, desde oferecer um megafone a activistas climáticos, ajudar as empresas a reduzir suas emissões e capacitar as pessoas a monitorar e proteger seus ecossistemas locais. No futuro, os líderes das empresas de Big Tech precisam reconhecer que seus modelos de negócios não devem se concentrar apenas em seus próprios resultados. Seus poderosos algoritmos e plataformas podem ser usados ​​para contribuir para o desenvolvimento sustentável.

Com apenas uma década para alcançar os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, 2020 é um ano crítico. Centenas de empresas e cidades estão assumindo compromissos climáticos e desenvolvendo planos de acção. Na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, em Novembro, os líderes mundiais tentarão novamente avançar uma agenda para controlar as emissões de gases de efeito estufa. E em Outubro, a Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica estabelecerá novas metas de biodiversidade.

A biodiversidade da Terra não se resume apenas a exuberantes selvas amazónicas e savanas africanas, que favorecem os turistas. As espécies vegetais e animais são essenciais para nossa própria sobrevivência, principalmente por meio de suas contribuições para a medicina e a agricultura. Para alimentar uma população global crescente, precisaremos de sistemas de cultivo cada vez mais produtivos e diversos que possam lidar com condições climáticas cada vez mais extremas.

Para que os esforços de sustentabilidade sejam bem-sucedidos, precisamos reconhecer que os desafios que enfrentamos estão interconectados. Os riscos que devemos enfrentar não podem ser gerenciados isoladamente um do outro ou de outras dinâmicas políticas e sociais. As soluções para os desafios actuais de saúde, económicos e ambientais exigem uma abordagem multidisciplinar, multilateral e baseada em sistemas. Isso exigirá repensar e transformar nossas instituições, sem mencionar nossas próprias atitudes e estilos de vida.

Embora a crise de incêndios florestais da Austrália esteja longe da maioria de nós, ela deve ser vista globalmente com a mesma energia e foco da epidemia de coronavírus. Nenhum país, governo, sociedade, empresa ou indivíduo é uma ilha. Por fim, todos enfrentamos as mesmas ameaças, porque estamos todos conectados a um planeta, com um futuro.

AMY LUERS

Amy Luers, directora executiva da Future Earth, é ex-directora de clima do Skoll Global Threats Fund, directora assistente de resiliência e informações climáticas no escritório de políticas de ciência e tecnologia da Casa Branca e gerente sénior de programas ambientais do Google.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome