Edição online semanal
 
Sexta-feira 25 de Setembro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
Negociando enquanto o mundo queima
Autor: Adair Turner

03-01-2020

As recentes negociações climáticas da COP25 em Madrid terminaram em fracasso e as emissões globais de gases de efeito estufa continuam a aumentar. Ao mesmo tempo, no entanto, o impressionante progresso tecnológico durante a década de 2010 torna possível reduzir as emissões a um custo muito menor do que todo mundo ousava ter esperança há uma década.

Os anos 2010 podem ser lembrados como a década em que a luta contra as mudanças climáticas prejudiciais foi perdida. Em 2015, na conferência climática da COP21 em Paris, 196 países  concordaram  em limitar o aquecimento global a bem abaixo de 2 ° C acima dos níveis pré-industriais. Porém, as emissões globais de gases de efeito estufa (GEE) continuam aumentando, as concentrações atmosféricas de dióxido de carbono atingem seus níveis mais altos em 800.000 anos, e as políticas actuais provavelmente resultarão em aquecimento de cerca de 3 ° C até 2100. Além disso, as recentes negociações da COP25 em Madrid terminou em fracasso, com os governos brigando sobre o valor e a alocação de "créditos de carbono" retidos de um regime político anterior desacreditado.

Ao mesmo tempo, no entanto, o impressionante progresso tecnológico durante os anos 2010 permite reduzir as emissões de GEE a um custo muito menor do que esperávamos há uma década. Os custos de energia solar e eólica caíram mais de 80% e 70%, respectivamente, enquanto os custos de bateria de íon-lítio caíram  de US $ 1.000 por quilowatt-hora em 2010 para US $ 160 por kWh hoje. Essas e outras inovações garantem que sistemas de energia que são até 85% dependentes de fontes renováveis ​​variáveis ​​podem produzir eletricidade com zero carbono a custos totalmente competitivos com os sistemas baseados em combustíveis fósseis.

Além disso, agora está claro que mesmo os sectores “mais difíceis de reduzir” da economia, como indústria pesada (incluindo aço, cimento e produtos químicos) e transporte de longa distância (transporte marítimo, aviação e transporte rodoviário), podem ser descarbonizado  a custos que, embora significativa para qualquer empresa que age sozinho, são triviais em termos de impacto sobre os padrões de vida das pessoas.

Em Maio de 2019, o Comité de Mudanças Climáticas do Reino Unido estimou  que alcançar uma economia britânica sem carbono em 2050 reduziria o PIB naquele ano em não mais de 1-2%. Em 2008, o mesmo comité, que eu presidia, havia estimado um custo semelhante para alcançar apenas uma redução de 80% nas emissões.

Os custos mais baixos de descarbonização e a crescente consciencialização sobre os riscos climáticos, por sua vez, suscitaram um foco crescente na possibilidade e necessidade de atingir a meta de zero emissões até 2050. Em Julho, o Reino Unido assumiu um compromisso juridicamente vinculativo para atingir esse objectivo, e a União Europeia concordou  com o mesmo objectivo no início deste mês. Além disso, a Maersk, a maior empresa de transporte de contentores do mundo, a produtora de aço sueca SSAB e a empresa de cimento indiana Dalmia estão entre o crescente número de empresas líderes comprometidas em não ter carbono em 2050 ou antes.

Para alcançar o objectivo climático do acordo de Paris, todas as economias desenvolvidas devem tornar-se zero-carbono por volta de meados do século e podem fazê-lo a um custo mínimo para os padrões de vida. E esses esforços também devem incluir a China.

Hoje, a China procura negociar em conferências sobre mudanças climáticas como um "país em desenvolvimento", tendo em vista seu atual PIB  per capita  (em termos de paridade de poder de compra) de cerca de US $ 18.000, ou cerca de 40% da média da UE. Mas a ambição declarada do governo é que a China se torne "uma economia rica totalmente desenvolvida" até 2050, com um PIB  per capita maior do  que qualquer país europeu actualmente. E, dada a qualidade da força de trabalho, infra-estrutura e administração da China, e sua crescente liderança tecnológica em muitos sectores, esse objectivo é totalmente alcançável.

A rapidez com que a China reduz as emissões é, portanto, crucial. Actualmente, o país responde por quase 30% das emissões globais de CO  2  , e suas emissões  per capita  devem superar o declínio da Europa em alguns anos. Portanto, se a China não reduzir drasticamente as emissões até 2050, se a Europa as reduzirá em 80% ou 100%, terá um impacto mínimo na taxa de aquecimento global.

A China deve ter como objectivo não apenas uma economia totalmente desenvolvida até 2050, mas também uma economia de zero carbono. Conseguir isso exigirá, obviamente, grandes investimentos. A produção de electricidade necessária para apoiar o aumento dos padrões de vida na China e alcançar electrificação generalizada de transporte, aquecimento residencial e indústria, pode aumentar de 6.700 terawatt-hora hoje para 14-15.000 TWh até 2050. Isso implica em triplicar o vento anual e investimento solar para aumentar a capacidade renovável para quase 5.000 gigawatts até 2050, junto com 230 GW de energia nuclear.

Porém, como aponta um relatório  recente da Comissão de Transições de Energia , mesmo esse enorme aumento de capacidade, juntamente com investimentos adicionais em transmissão, distribuição e armazenamento de energia, exigiria um aumento geral no investimento chinês de menos de 1% do PIB - e isso em um país que economiza e investe mais de 40% dele. Além disso, o impacto total no PIB da China em 2050 e, portanto, no padrão de vida do consumidor seria de 1% igualmente baixo - e potencialmente muito menor, porque o compromisso de zero carbono estimularia o progresso tecnológico e melhoraria a produtividade.

Após o fracasso em Madrid, a atenção será agora focada nas perspectivas da conferência COP26 em Glasgow no próximo ano. Essa reunião também pode ficar atolada em disputas infrutíferas, à medida que diplomatas climáticos discutem sobre pequenas compensações em supostas "repartições de encargos". Em vez disso, os governos devem se concentrar nos enormes benefícios potenciais da construção de uma economia global sem carbono.

As economias desenvolvidas, além do rápido desenvolvimento da China, devem, portanto, comprometer-se unilateralmente a alcançar zero emissões até 2050, confiantes de que o custo para suas economias será muito pequeno. As economias emergentes devem se comprometer a atingir a mesma meta uma década depois, confiantes de que o progresso tecnológico envolvido na redução de emissões nos países desenvolvidos reduzirá os custos de descarbonização ao longo do tempo.

Além disso, os países desenvolvidos e os em desenvolvimento devem se concentrar na questão globalmente importante que a Agência Internacional de Energia destacou em seu último World Energy Outlook: como desencadear investimentos maciços em electricidade renovável em economias de baixa renda. Isso se aplica particularmente à África, um continente com os melhores recursos solares do mundo, mas actualmente menos de 1% de sua capacidade solar fotovoltaica.

Se a COP26 do próximo ano puder enfrentar com sucesso essas grandes oportunidades e desafios, a década de 2020 poderá ser a década em que começaremos a vencer a batalha contra as mudanças climáticas.

ADAIR TURNER

Adair Turner, Presidente da Comissão de Transições de Energia, foi Presidente da Autoridade de Serviços Financeiros do Reino Unido de 2008 a 2012. Seu último livro é  Entre Dívida e o Diabo.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome