Edição online semanal
 
Sexta-feira 6 de Dezembro de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
Quem se beneficia das soluções de clima falso?
Autor: Karin Nansen

20-09-2019

Ao distrair-se de imperativos reais, soluções inviáveis ​​para as mudanças climáticas, como a geoengenharia, permitem que a crise climática continue a crescer, afetando desproporcionalmente aqueles que contribuíram menos para o problema. A verdade é que nenhuma bala de prata tecnológica pode nos salvar de nós mesmos.

Em um relatório especial recente , o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC) argumenta que a abordagem das mudanças climáticas exigirá mudanças fundamentais na maneira como gerenciamos florestas e terras agrícolas. Os dados são novos, mas a conclusão subjacente não é: há mais de uma década cientistas, ambientalistas e organizações da sociedade civil alertam que nosso modelo predominante - e profundamente injusto - de produção e consumo está na raiz do clima crise. Proteger o planeta do qual depende nossa sobrevivência exigirá nada menos que uma mudança no sistema

O mundo - e os países desenvolvidos, em particular - construíram um sistema económico focado na acumulação de capital, que privilegia os lucros das empresas sobre o bem-estar das pessoas e do meio ambiente, entrincheirando a injustiça e recompensando seus autores. Esse processo está se desenrolando há séculos, mas se acelerou nas últimas décadas, pois alguns poucos adquiriram uma parcela cada vez maior da riqueza total e da influência política. Hoje, apenas 100 empresas produzem 71% das emissões de gases de efeito estufa (GEE) . Os 10% das pessoas mais ricas são responsáveis ​​por cerca de 50% das emissões de GEE, enquanto os 50% mais pobres produzem 10% das emissões.

Relutantes em enfrentar aqueles que estão destruindo nosso planeta, os líderes políticos se apegaram a soluções tecnológicas, incluindo abordagens de geoengenharia que prometem sugar o carbono já emitido da atmosfera. Até o IPCC incluiu suposições sobre essas tecnologias em muitos de seus  caminhos modelados para impedir que as temperaturas globais subissem mais de 1,5 ° C acima dos níveis pré-industriais.

Mas as tecnologias de geoengenharia não são comprovadas, inseguras e irrealistas. Considere a bioenergia com captura e armazenamento de carbono (BECCS), o principal caminho proposto para emissões "líquidas negativas". O BECCS implica o cultivo de certas culturas como biomassa, queimando o material vegetal para obter energia, capturando o CO  2  emitido durante a combustão e armazenando-o no subsolo.

Isso parece promissor até que se reconheça que o cultivo de biomassa na escala necessária exigiria cerca de três bilhões de hectares - o dobro da terra anualmente cultivada na Terra. Qualquer tentativa de implementar o BECCS seria, portanto, impossível sem o desmatamento em massa e a degradação do solo no cinturão tropical do Hemisfério Sul, onde é produzida a maior parte da biomassa de crescimento rápido. A posse de terra é praticamente garantida. Além disso, à medida que as terras agrícolas eram transformadas para produzir biomassa, os preços dos alimentos podiam subir, alimentando a fome e a desnutrição. E a destruição de ecossistemas vitais eliminaria os meios de subsistência das comunidades locais e dos povos indígenas.

Convocar o BECCS e outras promessas enganosas - como iniciativas de Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD +) e esquemas de comércio de carbono - é conveniente para países, empresas e elites ricas, porque a farsa tecnológica permite que eles continuem lucrando com a crise climática eles criaram. Mas, ao distrair-se dos imperativos reais, permite que a crise se afunde e afete desproporcionalmente aqueles que contribuíram menos.

Chegou a hora de quem causou a crise climática assumir a responsabilidade de resolvê-la. Para esse fim, os governos dos países desenvolvidos devem assumir a liderança no corte drástico de emissões na fonte, buscando uma transformação abrangente de seus sistemas de energia, transporte, alimentação e economia.

As etapas essenciais incluem o fim do investimento em combustíveis fósseis; transformar nossos sistemas de energia em sistemas comunitários e públicos de energia renovável; abandonar práticas destrutivas como agricultura industrial e exploração madeireira; gestão comunitária da biodiversidade e dos recursos hídricos; e reorganizar a vida urbana para apoiar a sustentabilidade. Os acordos de comércio e investimento neoliberais que priorizam os interesses dos negócios em detrimento da sustentabilidade ambiental e dos direitos humanos devem ser revertidos para permitir essas soluções.

Ao mesmo tempo, os governos dos países desenvolvidos devem fornecer financiamento público em larga escala para apoiar a transformação tão necessária no mundo em desenvolvimento. Para ter sucesso, a transição deve ser justa e garantir os direitos dos trabalhadores, camponeses, mulheres, migrantes e povos indígenas. Aqui, a propriedade pública e comunitária é crucial.

Os movimentos sociais no Sul Global já estão fornecendo modelos dessa abordagem. Por exemplo, a Via Campesina - um movimento internacional que inclui camponeses, pequenos agricultores, trabalhadores agrícolas, mulheres e jovens rurais, indígenas e outros - mostrou como a agricultura e a agroecologia camponesas podem esfriar o planeta, alimentar seus habitantes, cultivar seu solo, apoiar suas florestas, salvaguardar a diversidade de sementes e proteger bacias hidrográficas.

Além disso, o manejo florestal comunitário ajuda a proteger as florestas, protegendo os meios de subsistência daqueles que dependem delas e preservando a biodiversidade. (Actualmente, apenas 8% das florestas do mundo estão nas mãos das comunidades.)

Com forte vontade política e políticas corretas, podemos enfrentar sistematicamente as mudanças climáticas e crises relacionadas, incluindo perda de biodiversidade, escassez de água, fome e crescente desigualdade. Se, no entanto, continuarmos cedendo à fantasia de que alguma solução de “bala de prata” nos resgatará, o progresso será impossível.

KARIN NANSEN

Karin Nansen é a presidente da Friends of the Earth International.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome