Edição online semanal
 
Quarta-feira 19 de Junho de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
A MONETIZAÇÃO DO LIXO *
Autor: Stephen Nwaloziri

25-04-2019

Cresci em Lagos, na Nigéria, e quando era criança, no final dos anos 90, lembro-me de mulheres a passearem pela minha comunidade e a cantarem em iorubá, “onigo de o! Anra bata rubber ati ayo t’on jo”. Traduz-se como: “A vendedora ambulante de garrafas está aqui! Compramos sandálias de borracha e potes (de alumínio) com abertura”. Algumas famílias separavam os seus resíduos, porque podiam dar um pouco a essas mulheres em troca de dinheiro.

Atualmente, há muito menos dessas vendedoras ambulantes, talvez porque as empresas de engarrafamento já não reciclem as garrafas que as mulheres recolhem. Mas se um esforço de larga escala nesse sentido para monetizar o lixo em Lagos fosse coordenado e financiado adequadamente, poderia potencialmente ter um enorme impacto no problema de lixo da cidade. E o que funciona em Lagos poderia servir de lição para muitas outras cidades - e não apenas no mundo em desenvolvimento.

Em Lagos, é urgentemente necessário agir. A cidade tem uma população de cerca de 22 milhões de habitantes e, como o Banco Mundial salientou, está fortemente poluída. Especialmente nas áreas mais pobres, os moradores que não podem pagar pela recolha de resíduos saem na calada da noite para deitar o lixo nas ruas ou na água. Como resultado, os bairros de lata da cidade estão cheios de papel, lixo doméstico e plástico.

Ao subcontratar a maior parte da recolha e gestão de resíduos a cerca de 375 empresas privadas, a Autoridade de Gestão de Resíduos de Lagos, um organismo do governo do Estado de Lagos, ajudou a reduzir significativamente o desperdício. Mas muito mais pode e deve ser feito. A menos que as pessoas recebam incentivos para monetizarem o seu lixo e minimizarem a quantidade que chega aos aterros sanitários, o problema da poluição continuará a germinar. Há três opções em particular que parecem promissoras.

Para começar, Lagos poderia introduzir um programa Câmbio Verde como o que foi criado na cidade de Curitiba no Brasil. Lá, os moradores levam os seus resíduos para centros locais designados em troca de bilhetes de autocarro ou alimentos. Muitos trabalhadores em Lagos já estão a trocar os carros por autocarros públicos, uma vez que não conseguem suportar o custo do combustível. Se os mais carenciados, em particular, pudessem trocar os seus resíduos por bilhetes de autocarro, a vida seria mais fácil para todos. Haveria menos lixo nas ruas, as estradas ficariam menos obstruídas e as pessoas não precisariam de esperar que os camiões do lixo se livrassem dos seus desperdícios. Além disso, haveria mais probabilidade de as famílias separarem os resíduos se a cidade desse senhas de alimentação ou fruta às pessoas que reciclassem certa quantidade de metal, plástico limpo ou resíduos de óleo, por exemplo.

Em segundo lugar, Lagos poderia reduzir os seus resíduos plásticos se trabalhasse de forma mais próxima com empresas de engarrafamento e outros fabricantes. Isso poderia envolver parcerias público-privadas que exigissem que cada empresa operasse um centro de reciclagem para onde os consumidores pudessem levar plásticos usados. Os cidadãos sentir-se-ão motivados a reciclar os seus resíduos de plástico em centros que ostentassem marcas reconhecidas, principalmente se estiver envolvido um programa de recompensas.

Nenhuma empresa de engarrafamento tem atualmente programas de reciclagem em troca de recompensas na comunidade Makoko de Lagos, onde cresci. A introdução desses esquemas certamente ajudaria a reduzir a quantidade de resíduos plásticos gerados ou desperdiçados

Por fim, campanhas para aumentar a consciencialização ambiental encorajariam uma melhor gestão de resíduos. Ao mostrarem como os cidadãos comuns estão conscientes do desperdício e do seu ambiente na vida cotidiana, tais esforços podem inspirar outros a fazerem o mesmo.

O meu trabalho atual em Berea, Kentucky, no The Greenie Project, uma iniciativa estudantil sem fins lucrativos que lancei, mostra como a consciência ambiental pode ser propagada. O nosso filme “The Carlbergs” retrata uma família local que organiza grandes eventos de contradança na sua casa de forma sustentável - ao usarem prataria e pratos de cerâmica em vez de pratos e talheres descartáveis, e ao reciclarem. O filme inspirou outros grupos e pequenas empresas da comunidade, como a Berea Coffee and Tea, a serem mais sustentáveis. Estratégias igualmente criativas e localmente relevantes funcionariam bem em praticamente qualquer lugar.

Isso inclui Lagos, onde o problema dos resíduos atinge duramente os pobres em particular. Para lidar com isso, deveríamos criar os incentivos corretos, tal como fizeram as vendedoras ambulantes de garrafas na minha zona da cidade, há duas décadas. A monetização de resíduos incentivará a participação de comunidades mais pobres e as campanhas de consciencialização podem ajudar a mostrar como é fácil ser ecológico. O resultado será uma cidade mais limpa e mais habitável, que sirva como um exemplo para outros seguirem.

STEPHEN NWALOZIRI

Stephen Nwaloziri, fundador do The Greenie Project, é associado do programa no Berea College Forestry Outreach Center.

* Monetização é o processo de converter qualquer coisa em dinheiro

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome