Edição online semanal
 
Terça-feira 16 de Outubro de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
Fazendo escolhas de energia inteligentes para a água
Autor: Brahma Chellaney

18-05-2018

NOVA DELI - A mudança climática, sem dúvida, representa uma ameaça potente - até existencial - para o planeta. Mas a atual abordagem para mitigá-lo, que reflete um foco único na redução das emissões de dióxido de carbono, pode acabar causando sérios danos, já que não leva em conta o esgotamento dos recursos hídricos pelo setor energético - outro importante contribuinte para a mudança climática.

Assim como o acúmulo de carbono na atmosfera contribui para as mudanças climáticas, o mesmo ocorre com a degradação e o esgotamento dos recursos hídricos. Se o mundo não adotar uma abordagem mais holística que reconheça essa realidade, será impossível salvar o planeta.

“A água está no centro das causas e dos efeitos das mudanças climáticas”, declara um  relatório do Conselho Nacional de Pesquisa  .  E, de fato, o ciclo da água - os processos de precipitação, evaporação, congelamento, fusão e condensação que circulam a água das nuvens para a terra e para o oceano - está inextricavelmente ligado às trocas de energia entre a terra, o oceano e a atmosfera. determinar o clima da Terra.  Assim como o acúmulo de carbono na atmosfera contribui para as mudanças climáticas, o mesmo ocorre com a degradação e o esgotamento dos recursos hídricos.  E esses processos se reforçam mutuamente, cada um impulsionando e intensificando o outro.

Extração de energia, processamento (incluindo refino) e produção são altamente intensivos em água.  O setor de energia é o maior consumidor de água em todos os países desenvolvidos, exceto na Austrália, onde, como na maioria dos países em desenvolvimento, a agricultura está no topo.  Na União Europeia, somente as usinas geradoras de eletricidade respondem por 44% de toda a água doce consumida a cada ano;  nos Estados Unidos, esse número é de 41%.

Quanto mais estressados os recursos hídricos se tornam, mais energia o setor de água exige, já que a água subterrânea deve ser bombeada de maiores profundidades, e a água da superfície deve ser transportada por distâncias maiores.  Na Índia, por exemplo, a energia agora compreende cerca de 90% do custo das águas subterrâneas.

Como esses processos alimentam a variabilidade climática, eles reduzem a disponibilidade de água e aumentam ainda mais a demanda por energia, produzindo um ciclo vicioso que será difícil de quebrar.  De fato, atender a uma demanda maior de eletricidade e atingir metas nacionais para a produção de biocombustíveis e outros combustíveis alternativos exigiria um aumento de mais de duas vezes no uso global da água para a produção de energia ao longo do próximo quarto de século.

A única maneira de quebrar esse ciclo - e, assim, de mitigar as mudanças climáticas de forma eficaz - é gerenciar o nexo entre a água e a energia (assim como a produção de alimentos, que depende da água e da energia).  Em outras palavras, os países devem fazer escolhas energéticas que não sejam apenas menos intensivas em carbono, mas também menos intensivas em água.

Com o suprimento global de água já sobrecarregado, a mudança para uma abordagem inteligente à energia não poderia ser mais urgente.  Dois terços da população mundial - especialmente na Ásia Central e do Sul, no Oriente Médio e no Norte da África - enfrentam grave escassez de água.  A Ásia - o maior impulsionador do aumento da demanda global por energia - é também o continente mais seco do mundo, medido pela disponibilidade de água per capita.

Nestas regiões com escassez de água, a escassez já começou a restringir a expansão da infraestrutura energética.  Uma razão importante pela qual a China não conseguiu desenvolver sua indústria de hidrocarbonetos de xisto é a água inadequada nas áreas onde seus depósitos estão localizados.  (Para extrair energia do xisto, milhões de galões de água devem ser lançados nele.)

O aumento do estresse hídrico também aumentou os custos de projetos de geração de energia existentes, possivelmente comprometendo sua viabilidade. A seca do Milênio na Austrália, que durou do final dos anos 1990 até 2012, prejudicou a produção de energia, fazendo com que os preços subissem.

Com a escassez de energia geralmente mais severa em áreas de estresse hídrico, o que os países afetados devem fazer?  Para começar, eles devem reconhecer que a energia que é "limpa" em termos de carbono pode ser "suja" do ponto de vista dos recursos hídricos.  Por exemplo, o carvão “limpo”, envolvendo a captura de carbono e sequestro, juntamente com a energia nuclear, no topo do gráfico de intensidade da água.

Algumas fontes renováveis, como energia solar térmica e energia geotérmica, também são notoriamente intensivas em água.  Por outro lado, energia solar fotovoltaica e eólica - duas tecnologias renováveis ganham força globalmente - não necessitam de água para suas operações normais.  Incentivar o desenvolvimento de tais fontes deve, portanto, ser uma alta prioridade.

Mas o tipo de energia que é usado não é o único problema.  Também é importante selecionar os tipos corretos de plantas no estágio de planeamento. Tecnologias alternativas de resfriamento para geração de energia, incluindo resfriamento seco ou híbrido, podem reduzir o consumo de água (embora o uso de tais tecnologias atualmente seja limitado por perdas de eficiência e custos mais altos).

As usinas elétricas também devem estar localizadas em locais onde elas não dependerão de recursos de água doce, mas sim de água salgada, salobra, degradada ou recuperada.  Na Ásia, que agora lidera o mundo em termos de adição de capacidade de energia nuclear, a maioria das novas usinas está localizada ao longo das costas, de modo que essas instalações sedentas podem atrair mais água do mar.

No entanto, também aqui há sérios riscos.  O aumento do nível do mar, como resultado da mudança climática, poderia representar uma ameaça muito mais potente do que os desastres naturais, como o tsunami que causou a catástrofe de Fukushima em 2011 no Japão.  Além disso, com áreas costeiras muitas vezes densamente povoadas e economicamente valiosas, encontrar locais adequados à beira-mar para novas usinas nucleares não é mais fácil. Apesar de ter mais de 4.500 milhas (7.200 quilômetros) de costa, a Índia tem lutado para implementar sua expansão planejada de energia nuclear através de usinas à beira-mar, devido à forte oposição de base.

A verdadeira segurança energética é possível apenas no contexto de recursos, clima e sustentabilidade ambiental.  O foco global exclusivamente na redução de carbono não apenas obscurece essas ligações críticas, mas também incentiva medidas que afetam adversamente a estabilidade dos recursos.  É hora de adotar uma  abordagem  mais abrangente, integrada  e de longo prazo para o gerenciamento e planeamento de energia, água e outros recursos, com vistas a uma proteção ambiental mais ampla.  Caso contrário, deixaremos de enfrentar os desafios de desenvolvimento sustentável que enfrentamos, com consequências devastadoras, começando pelas regiões com maior estresse hídrico do mundo.

Brahma Chellaney

Brahma Chellaney, professora de Estudos Estratégicos do Centro de Pesquisas de Políticas em Nova Délhi e membro da Robert Bosch Academy em Berlim, é autora de nove livros, incluindo Asian Juggernaut,  Water: Asia's New Battleground, e Água, paz e guerra: enfrentando a crise global da água.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome