Edição online semanal
 
Terça-feira 25 de Setembro de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
Colocar a verde Argentina na presidência do G20
Autor: Guy Edwards

09-03-2018

WASHINGTON DC - Quando a Argentina assumiu oficialmente a presidência de um ano do G20 em dezembro, a agenda do presidente Mauricio Macri não incluiu a mudança climática como prioridade. Ao contrário das presidências anteriores do G20, que vinculavam os objetivos de desenvolvimento econômico com metas relacionadas ao clima, a Argentina decidiu separar os problemas.

Durante os primeiros meses de sua presidência do G20, o governo argentino se concentrou em empregos, infra-estrutura e segurança alimentar. Mas, em contraste com as anteriores presidências chinesa e alemã, enfatizou as mudanças climáticas, comprometendo o objetivo do grupo de assegurar um crescimento económico sustentável.

Macri pode ser desculpado por assumir que uma liderança cautelosa do G20 é o que suas fortunas políticas exigem. Ele, afinal, sofreu nas pesquisas desde a realização de uma controvertida reforma do sistema de pensão argentino.   Mas se Macri acredita que minimizar a importância das mudanças climáticas é o que o país precisa, ele está muito enganado.   De fato, trazer liderança mais desafiadora para o G20 poderia beneficiar a economia argentina, ao mesmo tempo em que aumentava a posição política de Macri, tanto a nível nacional como mundial.

A agenda argentina do G20 é o que Macri chama de estratégia "centrada nas pessoas" para o "desenvolvimento justo e sustentável". Durante a transferência oficial do ano passado, Macri nomeou empregos, infra-estrutura e segurança alimentar como as três prioridades.   Ele também disse que a Argentina aceitaria a presidência do G20 como uma oportunidade para desempenhar um papel maior na promoção do multilateralismo.

É curioso, então, que as mudanças climáticas não se classificam entre as principais prioridades da Argentina.   Talvez nenhum outro problema seja tão unificador como o desafio internacional para combater o aquecimento global.   E, no entanto, quando o multilateralismo é mais necessário, a abordagem da Argentina tem sido evitá-lo.

Nenhuma agenda política que busca promover o crescimento econômico sustentável pode descartar os riscos ambientais.   O desenvolvimento verdadeiramente sustentável exige completar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono e resiliente ao clima. Por exemplo, a Argentina espera atrair US $ 26,5 bilhões em investimentos em infra-estrutura até 2022. Se espera cumprir seus compromissos climáticos internacionais existentes, ele terá que incorporar os impactos climáticos atuais e previstos - assim como avanços tecnológicos rápidos, especialmente nas energias renováveis - para planeamento.

Impulsionar a mudança climática na agenda do G20 provavelmente beneficiaria Macri politicamente. No ano passado, o Latino-barómetro, uma pesquisa anual da opinião pública em 18 países latino-americanos, descobriu que 71% dos argentinos acreditam que a luta contra as mudanças climáticas deve ser uma alta prioridade, independentemente das consequências económicas.

Felizmente para Macri, as políticas climáticas podem gerar crescimento. De acordo com a OCDE, a combinação de políticas climáticas, como o preço do carbono, com as políticas económicas para aumentar o investimento em infra-estrutura sustentável, poderia aumentar o PIB em média, em 2,8%, em países do G20 em 2050. A Argentina já tira algumas dessas recompensas: em 2017, o setor de energia limpa do país atraiu US $ 1,8 bilhão em investimentos, um aumento de 777% em relação a 2016.

É por isso que as presidências anteriores do G20 tornaram a política climática uma pedra angular da agenda do bloco. Em 2016, a China usou seu tempo no comando do G20 para impulsionar os países a ratificarem o acordo climático de Paris de 2015, que visa limitar o aumento da temperatura global para bem abaixo de 2º Celsius acima dos níveis pré-industriais. E em 2017, a Alemanha estabeleceu um grupo de trabalho sobre mudanças climáticas, que se fundiu com outro sobre energia para elaborar políticas-chave relacionadas ao clima. Ao entregar uma forte liderança em mudança climática, a China e a Alemanha simplesmente estavam dando o bloco o que seus membros estavam exigindo.

À medida que a Argentina se move na direção oposta, os países que fizeram as mudanças climáticas uma alta prioridade - incluindo Grã-Bretanha, Canadá, China, Alemanha, França e México - devem ajudar a caminhar Macri de volta à mesa. O ônus deve ser sobre os líderes políticos na Europa, onde os diplomatas questionaram em particular a abordagem argentina.

Assumindo que Macri é receptivo à revisão da agenda da presidência argentina do G20, é necessária uma atenção urgente em uma série de questões. Para começar, o G20 deve empurrar bancos de desenvolvimento nacionais, regionais e multilaterais para fazer mais para suportar infra-estrutura mais limpa. O deslocamento do financiamento para longe dos projetos de combustíveis fósseis é uma das formas mais rápidas de conseguir reduções nas emissões globais de carbono. Quando o Banco Interamericano de Desenvolvimento, um dos bancos mais "verdes" do mundo, realiza sua reunião anual na Argentina este mês, a Macri deve aproveitar a oportunidade para incentivar o aumento do investimento em infra-estrutura sustentável.

Além da agenda do G20, a Argentina pode fazer mais em uma perspectiva bilateral.Um bom lugar para começar seria o remodelamento do compromisso com os Estados Unidos, especialmente ao aprofundar os laços com estados, cidades e investidores que adotaram uma posição climática mais esclarecida do que a administração Trump, que sinalizou sua intenção de retirar os EUA da Paris acordo. Por exemplo, a Argentina poderia encontrar um aliado no governador da Califórnia, Jerry Brown, que acolherá a Cimeira Global de Ação Climática em São Francisco em setembro.

O relógio está marcando os esforços para reduzir as emissões globais de gases de efeito estufa. Para evitar soprar após o limite de 2º, todas as partes no acordo de Paris precisarão elevar o nível de ambição de seus compromissos atuais até 2020. Várias reuniões deste ano, incluindo a Cúpula dos Líderes do G20, que terá lugar dois dias antes do início das negociações climáticas da ONU na Polónia, estabelecerá o tom político. A Argentina pode usar essas oportunidades para sinalizar sua intenção de harmonizar seus compromissos com o acordo de Paris, o que potencialmente encoraja os outros países a seguir o exemplo, ao mesmo tempo que ganham atenção dos investidores que desejam explorar as oportunidades de baixo carbono da Argentina.

No início do mandato de Macri, a Argentina era líder global em soluções de mudança climática, e os líderes do país estavam buscando políticas para diversificar a economia dos combustíveis fósseis. Mas hoje, com o poder de impulsionar o problema, a Argentina está sentando o banco de trás. Não é tarde demais para Macri integrar uma agenda climática mais forte na liderança do G20. Sua abordagem cautelosa não é uma boa aposta para ele, muito menos para um mundo envolvido em uma luta que não pode perder.

GUY EDWARDS

Guy Edwards é co-director do Laboratório de Clima e Desenvolvimento da Brown University e co-autor de   A Fragmented Continent: América Latina e a Política Global de Mudanças Climáticas   (MIT Press, 2015).

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome