Edição online semanal
 
Quarta-feira 8 de Julho de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo

Questões Oportunas

Coronavírus teoria da Conspiração
06-03-2020 - Dr. Franklim Fernandes

Coranavirus teoria da conspiração e a estranha origem do surto! Começam agora a ser debatidas algumas coincidências estranhas em relação à bizarra origem do coronavírus assim como eventos que pareciam prever de forma demasiado semelhante o aparecimento deste surto.

Há coincidências que podem ser apenas isso mesmo mas… num mundo de informação oculta talvez seja interessante e até justo que se fale de forma clara sobre essas «aparentes coincidências»!

Wuhan tem o único laboratório de virologia de alta segurança da China

Wuhan é onde está sediado um dos laboratórios que estuda os vírus mais mortais do mundo. Pronto em 2017 e inaugurado em janeiro de 2018, o primeiro laboratório de virologia de segurança máxima da China (nível de biossegurança 4), projectado para o estudo dos patógenos mais perigosos do mundo, abriu as portas… onde? Em Wuhan!

Será pura coincidência que a cidade de Wuhan seja agora o epicentro desta nova infecção por coronavírus?

Coronavírus – americanos alertaram sobre falhas de segurança

No ano anterior, Tim Trevan, consultor de biossegurança de Maryland, expressou preocupação com ameaças virais que escapavam potencialmente ao Laboratório Nacional de Biossegurança de Wuhan, que está localizado a apenas 32 quilómetros do mercado de Wuhan, identificado como o «ground zero» ou origem para o actual surto de coronavírus.

Conforme reportado pelo Daily Mail:

«O laboratório de Wuhan também está equipado para pesquisa com animais» e «Os regulamentos para pesquisa com animais – especialmente os realizados com primatas – são muito mais flexíveis na China do que nos EUA e em outros países ocidentais … mas isso também causou preocupação para Trevan.

Notícia: Inside the Chinese lab poised to study world’s most dangerous pathogens

Estudar o comportamento de um vírus como o 2019-nCoV e desenvolver tratamentos ou vacinas requer a infecção desses macacos da pesquisa, um passo importante antes dos testes em humanos.

Os macacos são imprevisíveis, alertou o microbiologista da Universidade Rutgers, Dr. Richard Ebright. «Eles podem correr, podem coçar e morder, disse ele, e os vírus que carregam iam para onde os pés, unhas e dentes correm.»

Leia aqui a notícia sobre Biosegurança do Laboratório em Huhan

China built a lab to study SARS and Ebola in Wuhan – and US biosafety experts warned in 2017 that a virus could <escape> the facility that’s become key in fighting the outbreak

  • T he Wuhan National Biosafety Laboratory is the only lab in China designated for studying dangerous pathogens like SARS and Ebola
  • Ahead of its January 2018 opening, biosafety experts and scientists from the US expressed concerns that a virus could escape the lab
  • In 2004, a SARS virus <leaked> from a lab in Beijing 
  • Experts say the coronavírus that’s infected more than 800 people mutated in animals and became capable of infecting humans at the Wuhan seafood market
  • But a 2017 article warned of the unpredictability of lab animals that scientists at the Wuhan lab intended to inject with viruses 

Simulação de surto em outubro de 2019!

Igualmente curioso é o facto de o Johns Hopkins Center for Health Security, o Fórum Económico Mundial e a Fundação Bill e Melinda Gates terem patrocinado um novo exercício de preparação para pandemia de coronavírus em 18 de outubro de 2019, em Nova York, chamado «Evento 201».

Event 201 a Global Pandemic Exercise

A simulação previa um número de mortos global de 65 milhões de pessoas em um período de 18 meses. Conforme relatado pela Forbes em 12 de dezembro de 2019.

Notícia da Forbes: How Prepared Are We For The Next Pandemic? Not Very, Experts Show

«Os especialistas realizaram uma simulação cuidadosamente projectada e detalhada de uma nova doença viral (fictícia) chamada CAPS ou síndrome pulmonar aguda por coronavírus. Isto foi modelado após epidemias anteriores como SARS e MERS».

Até a descrição da doença viral é semelhante, não é estranho? No entanto, o novo coronavírus ainda não havia sido identificado no momento da simulação, e o primeiro caso não foi relatado até dois meses depois.

Doença X

A Forbes também se refere à pandemia de ficção como «Doença X» – a mesma designação usada pelo The Telegraph na sua reportagem em vídeo de 24 de janeiro de 2020.

«Poderia este coronavírus ser doença X?», o que sugere que os meios de comunicação foram informados e houve coordenação antecipada no que diz respeito ao uso de determinadas palavras-chave e frases de efeito em reportagens e artigos de opinião.

A Johns Hopkins University (JHU) é a maior beneficiária de bolsas de pesquisa de agencias federais, incluindo os Institutos Nacionais de Saúde, a National Science Foundation e o Departamento de Defesa e recebeu milhões de dólares em bolsas de pesquisa da Gates Foundation:

Bill and Melinda Gates Foundation Awarded Grants

Em 2016, Johns Hopkins gastou mais de US $ 2 bilhões em projectos de pesquisa, liderando todas as universidades dos EUA em gastos com pesquisa pelo 38º ano consecutivo:

Johns Hopkins leads all U.S. universities in research spending for 38th year in a row

É também curiosa a prontidão e rapidez com que especialistas do Centro de Ciência e Engenharia de Sistemas da Universidade Johns Hopkins criaram o painel para rastrear os casos relatados da infecção pelo Coronavírus. Clique para aceder em tempo real:

https://gisanddata.maps.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/bda7594740fd40299423467b48e9ecf6

De facto o painel da evolução do número de casos diagnosticados e mortes ocorridas em tempo real é muito interessante… mas a urgência e celeridade com que foi colocado com informação «live» parecia que já estava a ser preparado e pronto há algum tempo apenas à espera de ser lançado mal se justificasse…!

Já sei que tudo não passa de uma teoria da conspiração… para já… mas dá que pensar mais esta coincidência… vinda de quem patrocinou a simulação de pandemia contra o «hipotético» coronavírus em… Outubro de 2019… apenas 2 meses antes do início do surto real de… coronavírus!

Pesquisas e liberdade de informação

Se a pesquisa financiada por agências federais, como o DoD (Department of defense) ou o DHHS (Departement of Health and Human Services), for classificada como sendo realizada «no interesse da segurança nacional», ela estará isenta de solicitações da Lei de Liberdade de Informação (FOIA – Freedom of Information Act).

As pesquisas conduzidas sob a Autoridade de Pesquisa e Desenvolvimento Biomédico Avançado (BARDA – Biomedical Advanced Research and Development Authority) estão completamente protegidas das solicitações da FOIA (Freedom of Information Act)  pelo público.

Além disso, as agências podem negar as solicitações da FOIA e reter informações se funcionários do governo concluírem que protegê-la da visão pública «protege segredos comerciais ou informações financeiras que possam prejudicar a postura competitiva ou os interesses comerciais de uma empresa».

Os Centros dos EUA para Controle e Prevenção de Doenças (CDCs), sob a alçada do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, declaram que sua missão é «proteger a América contra ameaças à saúde e segurança, tanto estrangeiras quanto nos EUA».

Biossegurança e provável acidente

Claramente, será difícil obter informações sobre pesquisas biomédicas financiadas pelo governo sobre micróbios como o coronavírus, conduzidas nas principais universidades ou por empresas farmacêuticas em laboratórios de risco biológico.

Qual é a probabilidade, então, de que o surto de coronavírus que deixou as pessoas tão doentes hoje «subitamente» tenha surgido simplesmente porque as pessoas comiam morcegos e cobras no mercado de Wuhan?

Parece mais um acidente de biossegurança, mas, até que se saiba mais, inevitavelmente haverá perguntas sem resposta sobre se esta última emergência de saúde pública global é um exercício táctico mais ambicioso, ecoando perguntas sem resposta sobre o fiasco da pandemia de gripe suína em 2009 .

Medo e orçamento nacional Americano

Esta é a parte do artigo em que se fala da política americana de mãos dadas com a altura do ano em que se definem no orçamento americano quais as dotações para as diversas agências federais incluindo as responsáveis pela saúde pública.

Budget of the U.S. Government

Esta decisão orçamental tem uma relevante influência nos orçamentos de algumas das Farmacêuticas mais influentes do planeta.

Será por acaso que quase todos os anos surgem possíveis pandemias novas nesta altura do ano… em dezembro, janeiro e fevereiro? Leia os detalhes e forme a sua opinião.

Cronologia das «pandemias apocalípticas»

Qualquer que seja a fonte, a histeria sobre vírus e bactérias fatais para a humanidade segue um padrão já desgastado, onde a população é mantida num estado perpétuo de ansiedade e medo sobre micróbios, para que as empresas farmacêuticas (auxiliadas por autoridades federais de saúde) possam resgatar mais um dispendioso medicamento ou vacina, potencialmente obrigatórios.

Gripe das aves em 2005

Em 2005, as manchetes alertaram que os EUA enfrentavam um evento de extermínio cataclísmico com estimativas potenciais de 2 milhões de americanos a sucumbir à gripe das aves sendo que o melhor cenário previsto eram 200.000 mortes.

Gripe suína em 2009

As mesmas tácticas de medo foram usadas durante o surto de gripe suína de 2009.

Ambas as pandemias acabaram por ser ameaças grosseiramente exageradas, mas isso não resultou numa abordagem mais conservadora e realista para os surtos subsequentes. Pelo contrário, os esforços para aumentar o medo e a histeria apenas aumentaram.

Ébola e coqueluche em 2014

Em 2014, fomos informados de que o Ebola poderia «tomar de assalto» os EUA e, em seguida, houve surtos de coqueluche.

Notícia em 2014: Pertussis Is Latest Disease Outbreak Concern in United States

Sarampo em 2015

Em janeiro de 2015, foi o sarampo na Disneylândia.

Zika em 2016

Em janeiro de 2016, era o zika, seguido de mais notícias sobre surtos de coqueluche.

Notícia em 2016: Why is whooping cough on the rise? Scientists disagree

Influenza vírus em 2017 e 2018

Em 2017 e 2018, foi o influenza [gripe].

Notícia em 2018: Flu season deaths top 80,000 last year, CDC says

Sarampo e coronavírus em 2019

Em 2019 voltou o sarampo e agora temos o surto de coronavírus, embora último este com gravidade na China.

Notícia de sarampo em 2019: What Is Going On With Measles? The Science and Politics of Eradicating Measles

Janeiro e Fevereiro, o que se passa?

Janeiro e fevereiro parecem ser o momento favorito para lançar um susto global de doenças com a devida assistência dos meios de comunicação social.

É muito conveniente… pois geralmente na primeira segunda-feira de fevereiro de cada ano (3 de fevereiro de 2020), o presidente envia ao Congresso dos EUA o orçamento do governo solicitando que os fundos sejam atribuídos às agências federais para o próximo orçamento do ano fiscal (1º de outubro de 2020 – 30 de setembro de 2021) .

Cada vez que há um susto de saúde pública, o lobby das Farmacêuticas e da saúde pública pode disputar uma fatia maior do dinheiro dos contribuintes americanos para pagar pelo desenvolvimento de medicamentos e vacinas.

Em 23 de janeiro de 2020, o Dr. Anthony Fauci, director do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas do NIH, anunciou que uma vacina contra o coronavírus está a ser preparada, com testes em humanos programados para começar em cerca de três meses.

Os preços das acções das Farmacêuticas fabricantes de vacinas contra o coronavírus aumentou de imediato em resposta aos relatos alarmistas da comunicação social sobre a possível «destruição iminente» da humanidade!

Concluindo

A origem deste surto de coronavírus está ainda por clarificar. Algumas coincidências, como o facto de o mais importante laboratório de alta segurança da China estar na mesma cidade de Wuhan, origem e epicentro do surto, aliadas aos receios de especialistas americanos sobre falhas de segurança do mesmo laboratório, deixam em aberto a possibilidade de um coronavírus modificado em laboratório ter escapado para a comunidade.

Apesar da taxa de mortalidade ser baixa entre a população saudável, nomeadamente crianças, jovens e adultos com menos de 50 anos, essa taxa aumenta de forma muito acentuada nos idosos e doentes com doenças crónicas que têm um sistema imunitário mais debilitado.

A facilidade de contaminação por via aérea é também uma característica preocupante à qual se junta um período de incubação que pode chegar a 2 semanas durante as quais o portador/infectado não apresenta sintomas da infecção mas vai contaminando todos em seu redor!

Nos países mais ricos detectar e conter este coronavírus não parece ser um problema que coloque em risco toda a população, pois as autoridades de segurança estão preparadas para isolar rapidamente os infectados e todas as pessoas com quem contactaram.

O mesmo já não será verdade nos países pobres sem recursos em que doentes infectados podem contaminar uma parte muito considerável da população…

Numa situação hipotética de infecção grave de coronavírus num país sem recursos aí sim teríamos um cenário muito mais preocupante de alastramento descontrolado da doença!

 

 

 

Voltar

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome