Edição online quinzenal
 
Sexta-feira 1 de Março de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo

Questões Oportunas

Czar das drogas: problema do crack em Bruxelas está agravando
08-09-2023 - Wilhelmine Preussen

As consequências são “perigosas”, diz Ine Van Wymersch numa entrevista exclusiva.

Bruxelas tem um problema de crack – e é muito maior do que a principal estação ferroviária internacional da cidade.

Numa entrevista exclusiva ao POLITICO, Ine Van Wymersch, a primeira comissária belga da luta contra a droga, pintou um quadro sombrio de narcóticos ilícitos que inundam a capital da UE.

“A situação é má” porque há muitas pessoas afectadas e não há solução imediata, disse Van Wymersch depois da sua recém-criada agência nacional de drogas ter conduzido uma análise preliminar sobre as questões relacionadas com drogas em redor da estação ferroviária Midi da cidade.

O consumo de drogas em toda a Bélgica disparou  nos últimos anos. Em particular, o crack — uma substância altamente viciante que cresceu pela primeira vez nos EUA na década de 1980   —  começou a inundar as ruas, tornando-se cada vez mais popular entre os consumidores de drogas.

O projecto de análise do secretário anti-drogas, baseado em fontes abertas e dados de agentes da polícia local, conclui que o vício em crack “parece estar a aumentar na região de Bruxelas”, acrescentando que as consequências são “fortes e perigosas”.

Embora os terríveis avisos não sejam novidade, não há nenhuma solução a curto prazo à vista e isso é um problema à medida que cresce a raiva da comunidade devido ao problema das drogas que se espalha por toda a cidade.

“Não é um problema relacionado apenas com a Gare du Midi”, disse Van Wymersch, apontando para problemas semelhantes na estação Nord da cidade, onde disse que também estão a recolher dados para ver até que ponto ambas as estações enfrentam os mesmos problemas.

Um novo movimento de cidadãos, composto por mais de 40 comités de bairro, enviou esta semana uma carta  ao governo de Bruxelas, destacando a escalada dos problemas de drogas em muitos dos distritos de Bruxelas.

Embora a polícia tenha reforçado a segurança  e conduzido repressões contundentes  em Midi nas últimas semanas, depois de o POLITICO e os meios de comunicação belgas terem noticiado as condições precárias relacionadas com o consumo de crack em torno da esquadra, Van Wymersch quer encontrar uma solução mais ampla no centro do crime.

A estação combina uma série de factores que “exacerbam o problema”, incluindo o seu estatuto de “ponto de trânsito por excelência” e um bairro pobre com uma elevada presença de grupos vulneráveis, incluindo pessoas sem-abrigo e residentes sem documentos – os clientes favoritos dos traficantes de droga, diz o rascunho da análise.

“É um problema complexo, que exige soluções complexas”, disse Van Wymersch. No Midi, acrescentou, uma luta eficaz contra a criminalidade relacionada com as drogas precisa de ser multidisciplinar e incluir segurança, bem como medidas preventivas, como o apoio social. Também necessita de uma infra-estrutura mais segura dentro da estação ferroviária, que actualmente oferece muitos esconderijos.

Embora possa ser difícil capturar traficantes e abrir processos legais contra eles, uma vez que normalmente transportam apenas pequenas quantidades de drogas, os consumidores estão normalmente “isolados” e em posições “socialmente desastrosas”, de acordo com o comissário anti-drogas.

“A solução aqui não são penalidades mais altas para os usuários”, disse ela.

A análise de Van Wymersch, que deverá ser finalizada nos próximos dias e entregue à principal autoridade de segurança de Bruxelas, Sophie Lavaux, foi concebida para fornecer aos decisores uma imagem completa, para que conheçam a realidade no terreno e possam conceber ferramentas adequadas para resolver problemas.

O papel da agência nacional de medicamentos é fornecer o máximo de dados possível para que qualquer acção política se baseie numa compreensão profunda do problema real, disse Van Wymersch.

E isso inclui o facto de tudo começar em países como a Colômbia e o Equador, onde a cocaína é produzida e depois transportada para portos europeus, incluindo Antuérpia, que transporta anualmente grandes quantidades de drogas ilegais.

“Penso realmente que precisamos de uma estratégia europeia para evitar que a cocaína chegue à Europa”, afirma Van Wymersch.

Fonte: Politico.eu

 

 

Voltar

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome