Edição online quinzenal
 
Sexta-feira 1 de Março de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo

Questões Oportunas

Scott Ritter: a segunda semana da contra-ofensiva ucraniana termina em fracasso. A jogada contra-ofensiva falhou
23-06-2023 - Jonas E. Alexis

Operação entra na segunda semana da tão esperada e altamente elogiada contra-ofensiva da Ucrânia, algumas conclusões básicas podem ser tiradas mesmo que a luta continue, e continuará a acontecer, por algum tempo.

Em primeiro lugar, a jogada contra-ofensiva falhou. Embora ainda haja uma força de combate considerável nas forças armadas ucranianas, incluindo mais de 75% da corte de 60.000 homens treinada e equipada pela OTAN que a Ucrânia reuniu nos últimos oito meses, suposições fundamentalmente falhas sobre a qualidade da força na qual A Ucrânia e seus aliados da OTAN colocaram suas esperanças colectivas de vitória sobre a Rússia foram expostas. Em suma,  a Ucrânia carece de capacidade militar para superar as defesas russas.

As brigadas de assalto de elite da Ucrânia, equipadas com a mais recente tecnologia militar ocidental, falharam em avançar para fora do que a doutrina defensiva russa chama de linha de defesa “cobertura” – o buffer que é projectado para canalizar e interromper uma força de ataque antes de atingir o “principal ” linha de defesa. As baixas ucranianas foram extremamente pesadas, com a Rússia alcançando uma proporção de 10:1 mortes em termos de mão de obra, o que é insustentável do ponto de vista ucraniano. As razões para o fracasso ucraniano são de natureza fundamental, o que significa que não podem ser superadas como as coisas estão actualmente e, como tal, os militares ucranianos têm chance zero de sucesso, não importa o quanto pressionem os ataques subsequentes.

Militares

Em primeiro lugar está a qualidade das defesas russas, especialmente em termos da rede de barreiras (campos minados, obstáculos e trincheiras) que, quando combinada com a tenacidade do defensor russo e a superioridade esmagadora da Rússia em termos de apoio de fogo (ambos artilharia e ar), é a razão pela qual os ucranianos são incapazes de avançar além da camada de “cobertura” das defesas russas. O equipamento e as tácticas ucranianas são insuficientes para a tarefa de romper as barreiras de obstáculos russas de maneira significativa, condenando as forças de ataque a serem destruídas aos poucos pela artilharia russa e ataques aéreos, bem como contra-ataques locais montados por forças especiais russas.

Além das más tácticas e deficiências de equipamento (sim, os tanques Leopard e os veículos de combate Bradley não eram as armas milagrosas que a Ucrânia e seus  apoiantes ocidentais os esperavam), os ucranianos estão pagando o preço pela impressionante supressão da defesa aérea inimiga pela Rússia ( SEAD) que está em andamento há várias semanas. A Rússia não apenas neutralizou a capacidade da Ucrânia de defender alvos estratégicos muito além das linhas de frente, mas também de projectar qualquer capacidade significativa de defesa aérea na zona real de conflito. Isso, combinado com a falta de qualquer força aérea viável, deixa as forças terrestres ucranianas de ataque expostas a todo o peso do poder aéreo russo.

Operação especial da Rússia na Ucrânia

Veja o helicóptero russo Ka-52 explodir um veículo blindado ucraniano em pedaços

As aeronaves russas de asa fixa foram capazes de lançar munições guiadas com precisão com efeito mortal nas áreas de montagem usadas pela Ucrânia para reunir suas forças de ataque antes de enviá-las ao campo de batalha. Estima-se que entre 25% e 30% das baixas na Ucrânia ocorram devido a esses ataques. Helicópteros russos podem usar seus mísseis guiados anti-tanque (ATGMs) com efeito letal sobre as forças ucranianas que operam na zona de contacto, e as munições russas vadias (ou seja, “drones kamikaze”) também cobraram um grande tributo das forças ucranianas. A menos que a Ucrânia possa reafirmar alguma aparência de defesa aérea no campo de batalha, tanto nas áreas de retaguarda quanto nas linhas de frente, e lançar seu próprio poder aéreo capaz de desafiar a superioridade aérea russa no campo de batalha,

https://t.me/geopolitics_live/762?embed=1

Uma das muitas tragédias do actual conflito ucraniano-russo é o fato de que muito do que a Ucrânia faz no campo de batalha é ditado não por necessidade militar, mas por imperativo político. A recêm concluída Batalha por Artemovsk (Bakhmut) é um exemplo, onde o presidente ucraniano Zelensky insistiu em despejar mão de obra e equipamento em uma batalha por uma cidade que a maioria dos especialistas militares acreditava ter um valor militar estratégico mínimo. A geografia, no entanto, não ditou o escopo e a escala da batalha, mas sim a percepção da tenacidade defensiva ucraniana e, como resultado, entre 60-75.000 soldados ucranianos perderam suas vidas no que foi um esforço perdido. Da mesma forma, o exército ucraniano está sendo solicitado a fazer o que equivale a um ataque suicida contra defesas russas bem preparadas em condições que,

Desta vez, o culpado são os aliados da Ucrânia na OTAN que, na véspera de sua cúpula anual, estão desesperados por qualquer sinal de que o investimento multi-bilionário que eles fizeram colectivamente nas forças armadas ucranianas possa pagar até mesmo os dividendos mais rudimentares. Por esta razão, a OTAN continuará a pressionar a Ucrânia a dobrar a derrota, pressionando os russos ofensivamente, embora quaisquer ganhos, se de facto houver algum, sejam de natureza pírrica e insustentáveis ​​ a longo prazo.

Mundo

Relatório: Administração Biden pondera 'modelo de Israel' para a Ucrânia em vez de membro da OTAN

A realidade é que quando a OTAN se reunir em Vilnius em 11 de Julho, os russos estarão no processo de destruição do terceiro exército ucraniano construído pela OTAN. A primeira foi montada durante o buffer fornecido pela “farsa” diplomática dos Acordos de Minsk, de 2015-2022. Com cerca de 260.000 homens, essa força foi amplamente destruída em Junho de 2022. O segundo exército, composto por cerca de 80.000 soldados ucranianos recêm treinados e equipados, apoiados por milhares de mercenários estrangeiros, é o resultado directo de dezenas de bilhões de dólares em ajuda militar fornecida pela OTAN. , foi capaz de lançar o contra-ataque ucraniano bem-sucedido no Outono de 2022, antes de ser dizimado na guerra posicional que se seguiu (incluindo o massacre de Bakhmut).

A força de contra-ataque ucraniana de 60.000 homens e 12 brigadas actualmente operando contra os russos, novamente o resultado de dezenas de bilhões de dólares em equipamento militar (incluindo tanques ocidentais modernos, artilharia e veículos de combate de infantaria), provavelmente será destruída ou enfrentará destruição iminente, quando a cúpula da OTAN se reunir. A principal questão que a OTAN enfrenta é se ela tem capacidade política, económica e militar para criar um quarto exército ucraniano e, após seu desaparecimento, um quinto, sexto e mais?

Operação especial da Rússia na Ucrânia

Assista Drone Kamikaze russo destruir fortaleza ucraniana

A OTAN está politicamente empenhada em travar  um conflito por procuração com a Rússia “até o último ucraniano”. Esta trágica realidade significa que, independentemente da realidade do campo de batalha que existe na Ucrânia, a OTAN continuará a pressionar a Ucrânia a sacrificar sua mão de obra em uma luta infrutífera contra a Rússia pelo simples fato de que a OTAN não está disposta a perder a face política em casa e no exterior.

No entanto, esta vontade política não significa automaticamente que a OTAN será capaz de sustentar este objectivo tanto económica quanto militarmente.

https://t.me/geopolitics_live/759?embed=1

Embora declarações recentes feitas pelo general norte-americano Mark Miley, presidente do Estado-Maior Conjunto, indiquem que há dezenas de milhares de soldados ucranianos no “pipeline” de treino dos EUA/OTAN e que os EUA/OTAN estão montando equipamento suficiente para equipar esses soldados, eles ainda não estarão prontos para o combate por vários meses - muito tempo depois que o terceiro exército ucraniano  tiver encontrado seu destino no campo de batalha.

Miley falou sobre novos sistemas de defesa aérea para a Ucrânia, e outros oficiais da OTAN falam sobre a possibilidade de fornecer à Ucrânia (antigos) aviões F-16. Novos sistemas de defesa aérea, no entanto, não podem alterar por si mesmos uma realidade militar imposta pela Rússia à Ucrânia por meio de sua vitória estratégica no SEAD. A Ucrânia simplesmente continuará uma luta perdida contra o poder aéreo russo. O mesmo vale para quaisquer caças F-16 que possam ser fornecidos à Ucrânia - muito pouco, muito tarde e, de qualquer forma, incapaz de alcançar um resultado significativo no campo de batalha.

Militares

Ucranianos podem voar F-16 com asa e oração, mas não serão eficazes em combate

Em Vilnius, a OTAN será confrontada com a realidade de sua impotência como aliança militar quando se trata de enfrentar a Rússia na Ucrânia. Qualquer analista militar de qualquer competência saberá que, do jeito que as coisas estão, a Ucrânia simplesmente não pode prevalecer sobre a Rússia. As ilusões da OTAN de um “conflito congelado” que parecem conduzir seu desejo insano de armar a Ucrânia ao infinito e além, além disso, são impulsionadas por avaliações fundamentalmente falhas em relação à competência e capacidade económica russa, proficiência militar russa e a vontade do povo russo de sustentar este conflito.

https://t.me/geopolitics_live/749?embed=1

Aqui está a causa raiz do fracasso estratégico da OTAN na Ucrânia – uma completa falta de compreensão sobre a realidade da Rússia hoje. A Rússia será capaz de superar a OTAN do ponto de vista da tecnologia militar até o momento em que as nações da OTAN farão a transição completa para uma economia de guerra, algo que as nações da OTAN não têm vontade política nem meios económicos para realizar.

As forças armadas russas superaram em grande parte as deficiências que as afligiram nas fases iniciais da Operação Militar Especial, e as forças armadas russas reunidas na zona da Operação Militar Especial são altamente treinadas, bem equipadas e devidamente treinadas para as tarefas que lhes foram confiadas. atribuído. Além disso, a nação russa se uniu à liderança do presidente russo, Vladimir Putin, de maneira avassaladora, unida na crença de que a guerra por procuração que a OTAN está travando contra a Rússia na Ucrânia é de natureza existencial e, como tal, uma guerra que a Rússia não pode perder.

Moderador do SPIEF diz ao Sputnik o que Putin está preparado para fazer para proteger os interesses da Rússia

A OTAN não alterará o curso no período imediato após a cúpula de Vilnius – simplesmente há muito ímpeto político para provocar qualquer alteração significativa da actual trajectória na Ucrânia. Mas a OTAN também não produzirá uma fórmula vencedora na Ucrânia. Em vez disso, a OTAN continuará a perseguir pouco mais do que uma variação de um tema existente – armar a Ucrânia para que ela possa lutar enquanto for capaz de sustentar a luta.

https://t.me/geopolitics_live/746?embed=1

Essa postura míope resultará no inevitável colapso militar da Ucrânia, provavelmente em algum momento entre o final do verão/início do Outono deste ano. Quando isso acontecer, a OTAN terá que lutar para construir algum tipo de mecanismo de protecção para salvar sua posição geopolítica enfraquecida em relação à Rússia. O que isso vai parecer é desconhecido neste momento. Mas uma coisa é certa: como a OTAN se recusa a considerar uma saída do conflito ucraniano hoje, não haverá futuro para a Ucrânia amanhã. O orgulho político da OTAN será a queda e a destruição da nação ucraniana, de seus militares e de seu povo.

https://sputnikglobe.com/20230617/scott-ritter-ukrainian-counteroffensives-second-week-ends-in-failure-1111243899.html

Fonte: VT Foreign Policy

 

 

Voltar

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome