Edição online quinzenal
 
Domingo 16 de Junho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo

Questões Oportunas

A MANOBRA DE PUTIN E O FIM DA NOVA ORDEM MUNDIAL
01-04-2022 - Cesare Sacchetti

Artigo originalmente publicado em La Crunadell’Agopelo prestigiado jornalista italiano Cesare Sacchetti, que, traduzido literalmente para português, publicamos com a devida vénia .

No final, a decisão de Putin foi inesperada em alguns aspectos. Vários observadores debruçados sobre o mapa geoestratégico, pensaram que o presidente russo não teria escolhido proceder a um reconhecimento imediato das Repúblicas separatistas de Donbass e Lugansk, localizadas na fronteira oriental com a Ucrânia. A poucos passos da Rússia.

Muitos pensaram que Putin teria procrastinado e preferido adiar para um outro momento o reconhecimento que de qualquer forma seria feito, mais cedo ou mais tarde.

As semanas precedentes haviam sido literalmente ensombradas por uma incessante propaganda dosmédia ocidental que todos os dias anunciavam uma "invasão russa" da Ucrânia para depois pontualmente procrastinar o apontamento em um contínuo adiamento que inevitavelmente acabou por cobrir de ridículo os órgãos de informação que o ventilavam.

Sobretudo houve no famigerado caso do Bloomberg, jornal que, juntamente com o Financial Times, assume o papel de porta-voz indiscutível da alta finança internacional.

O Bloomberg chegou ao ponto de colocar na primeira página em 5 de fevereiro o anúncio de uma invasão russa que nunca havia acontecido antes.

A notícia ficou circulando ali no site do jornal americano por uns bons trinta minutos, e é impossível pensar que a equipe editorial da Bloomberg não tenha percebido um erro tão flagrante.

A publicação foi provavelmente intencional e fazia parte de uma estratégia de contínua provocação em relação a Moscovo, na esperança de que a Rússia perdesse o controle dos nervos e cometesse algum erro.

Não obstante, optou por não acolher os atos provocatórios e deixou a histeria dos média ocidental continuar até segunda-feira seguinte.

Esse foi o momento em que Putin assinou ao vivo o reconhecimento das duas Repúblicas separatistas e esse foi um momento divisor de águas na história não só da Rússia, mas de todo o mundo.

Esse discurso marcou a passagem de uma época, em que havia a predominância absoluta do chamado bloco euro-atlântico e da ideia de Nova Ordem Mundial que ela sustenta a uma em que o mapa das relações internacionais não é mais desenhada por Washington e Londres.

Putin tomou essa decisão  porque calculou perfeitamente que não havia melhor momento para fazê-lo. O adversário é fraco e dividido, um órfão da proteção militar dos Estados Unidos que se afastou da esfera atlântica desde que foi estabelecido pelo governo Trump em 2016, e que nunca retornou por motivos que exploramos no passado e que retomaremos o tratamento mais adiante no decorrer desta análise.

O que importa agora é que Vladimir Putin pôs fim à tirania belicista do atlantismo e ao mesmo tempo curou uma ferida que se abriu em 2014 na época do famigerado Euromaidan.

Euromaidan: o início da nazificação da Ucrânia

O que não está sendo explicado ao público é a história recente da Ucrânia. A desordem e a violência neste país certamente não foram trazidas da Rússia. Antes do golpe Euromaidan, a Ucrânia era um país substancialmente estável, não atravessado por conflitos internos lancinantes e guerras de gangues como é agora.

As relações com a Rússia eram excelentes e essa condição era o que era, e ainda é, melhor para o interesse desta nação que é parte integrante da Rússia, como Putin foi forçado a lembrar ao Ocidente.

A Ucrânia moderna é, na verdade, uma invenção substancialmente produzida pelos bolcheviques sanguinários que chegaram ao poder na Rússia em 1917, principalmente graças ao pesado financiamento que lhes veio de Wall Street.

É uma página de história que poucos conhecem e poucos sabem e que será interessante aprofundar em outra contribuição.

Para permanecer entre as páginas da história mais contemporânea, Euromaidan foi o produto de uma operação subversiva decidida entre as salas do Departamento de Estado dirigida pelo governo Obama em 2014 e implementada através da rede de ONGs subversivas financiadas pelo especulador e agitador George Soros.

Nesse sentido, Soros desempenha o papel de financiador das revoluções internacionais decididas pelos líderes do poder globalista.

O Euromaidan foi decidido por esses ambientes porque a Ucrânia estava-se afastando demais da esfera Euro-Atlântica em direção à Rússia, e isso era algo que o atlantismo, segundo a sua perspectiva de expansão e domínio do mundo inteiro não podia tolerar.

Foi por esta razão que as ruas de Kiev naqueles dias de fevereiro de 2014 foram assoladas por tumultos, violência e revoltas orquestradas e dirigidas pelo departamento de Estado americano em estreita coordenação com as fundações Soros.

Não havia ucranianos comuns protestando nas ruas, mas sim estrangeiros e paramilitares treinados para revoltar e desestabilizar governos.

Eventualmente, o então presidente Yanukovych foi forçado a se render. Yanukovych foi forçado a fugir porque a sua própria vida estava em risco e compelido a procurar abrigo na Rússia.

Em seu lugar foi estabelecida uma longa linha de governos fantoches controlados remotamente por Washington, dos quais Zelensky é apenas o mais recente da série.

O primeiro presidente fantoche foi Poroshenko, um nome que muitos provavelmente se lembram por causa de seu envolvimento na investigação que estava em andamento sobre Hunter Biden, filho do então vice-presidente Joe Biden.

Foi Poroshenko a ordenar a supressão dessa investigação que, se continuada, teria levado à provável prisão de Hunter Biden envolvido no negócio obscuro da empresa de gás ucraniana Burisma.

A ordem foi passada a Poroshenko pelo próprio Joe Biden, que ameaçou fechar a torneira de financiamento americana em Kiev se o presidente ucraniano não cumprisse a ordem.

Biden até se gabou em público do "sucesso"  da operação em frente ao Council For ForeignRelations, o thinktank financiado por Rockefeller que praticamente decidiu antecipadamente todas as eleições presidenciais americanas, exceto a de DonaldTrump.

A Ucrânia, portanto, mergulhou neste inferno de instabilidade permanente como consequência direta do que aconteceu oito anos atrás após o Euromaidan.

A operação militar de Putin na Ucrânia marca o fim do atlantismo.

Putin está, portanto, fechando o ciclo do que começou nestes dias em que se comemora o aniversário desse golpe de Estado.

O presidente russo não tinha outra alternativa. As ONGs de Soros para derrubar Yanukovich recrutaram a escória dos batalhões nazistas de Azov perpetradores de crimes horrendos contra a população civil.

Estes são os crimes perpetrados há anos em Donbass e Lugansk no silêncio da comunidade internacional que fechou os olhos ao genocídio das populações de língua russa destas duas regiões e que hoje canta na praça hipocritamente invocando a paz, esquecendo, em vez disso, a guerra que o Ocidente liderou ontem.

Esta foi a razão pela qual Putin autorizou uma operação militar muito cuidadosa e precisa para colocar em segurança essas duas regiões e, posteriormente, proceder à desnazificação de todo o país.

Nestes dias estamos assistindo a uma enxurrada de imagens e vídeos divulgados pela comunicação social ocidental que são em grande parte o resultado de uma real falsificação de um conflito que nem pode ser definido como "guerra" no sentido clássico.

Para poder falar sobre guerra, deve haver dois lados que se chocam no conflito. Neste caso, no entanto, estamos testemunhando um avanço das forças armadas russas que ocorre através da colaboração ativa de muitos soldados ucranianos.

Muitos soldados ucranianos estão de fato descontentes com o regime de Kiev e compreensivelmente não têm intenção de se sacrificar para defender um governo corrupto a soldo de potências estrangeiras que levaram o país ao abismo.
O exemplo mais notório nesse sentido da falsificação em curso vemos das imagens que os média mostram obsessivamente de uma mulher com o rosto ensanguentado que tem um prédio reduzido a escombros atrás dela.

No entanto, o prédio atrás daquela mulher não é um prédio que desabou devido a um inexistente bombardeio russo, mas é um prédio que desabou quatro anos antes em Magnitogorsk, na Rússia, após um vazamento de gás.

A máquina de mentiras dos média ocidental está agora fora de controlo e deve fazer de tudo para colocar a Rússia sob uma luz maligna diante dos olhos do mundo, tanto que em alguns casos usa as imagens de um videogame, como fez o sinistro TG2 para demonstrar que a Rússia está bombardeando a Ucrânia quando, na realidade, nem um único avião russo se aproximou de Kiev até agora.

O Kremlin não quer bombardear e destruir. Este é um protocolo seguido pelos presidentes do estado profundo de Washington, como George Bush ou, sobretudo, Bill Clinton, que bombardeou indiscriminadamente Belgrado nos anos 90, matando muitas crianças também com a ajuda de seu amigo Massimo D'Alema, então inquilino do Palazzo Chigi.

Considerando as condições totalmente anómalas do que estamos vendo na Ucrânia, a sensação é de que o regime de Zelensky cairá em breve. Ele não é estimado pela população, mas sim detestado, e uma parte substancial do exército ucraniano já se juntou aos russos enquanto aguardam a sua libertação definitiva da presença dos nazis Azov.

É, portanto, este o fim do bloco Euro-Atlântico. É o fim de uma página da história iniciada em 1945, quando foram lançadas as bases para erigir toda a arquitetura atual da ordem liberal global baseada na absoluta preeminência económica e militar dos Estados Unidos.

Mas quem deu o choque decisivo a esse andaime, além de Vladimir Putin, é claro, foi DonaldTrump seis anos antes, no alvorecer de sua eleição como presidente dos Estados Unidos.

Foi a doutrina "AmericaFirst" de Trump que removeu o pilar da América do edifício da Nova Ordem Mundial.

Sem aquele pilar portante que sustentava todo o peso da ordem globalista, o edifício inevitavelmente começou a afundar no chão.

Nesse sentido, Trump deu origem a uma verdadeira revolução, ou talvez fosse melhor dizer contrarrevolução, copérnico na estrutura das relações internacionais.

Os Estados Unidos separaram-se do atlantismo e o próprio Trump nunca escondeu a sua profunda aversão à NATO, expressando o desejo de sair dela e restaurar a plena soberania dos próprios Estados Unidos.

Os senhores do globalismo entenderam isso perfeitamente e por isso realizaram a maior série de repetidos golpes e tentativas de assassinatos praticados contra um presidente.

A série de operações subversivas teve início através do Spygate de 2016 em que nestes dias o promotor John Durham tem-nos mostrado as provas irrefutáveis do papel desempenhado por Hillary Clinton na espionagem ilegal praticada contra o presidente americano também através da assistência decisiva do estado profundo italiano.

Clinton foi o cérebro desta operação cujo único objetivo era derrubar DonaldTrump.

A série de atos subversivos continuou com pelo menos três atentados à vida de Trump, duas acusações e a maior fraude eleitoral da história eleitoral americana praticada em novembro de 2020.

As potências globais tentaram qualquer pudor e de modo atamancadoas formas possíveis para se livrarem de DonaldTrump, pelo simples facto de que sem o controle dos Estados Unidos qualquer hipótese de construção de um governo mundial simplesmente não é viável.

Não há outra potência económica e militar capaz de engajar e influenciar os assuntos de outro país como os Estados Unidos. Toda a rede de agências de inteligência construída e financiada pelas famílias que representam o verdadeiro poder oculto foi projetada para permitir que os EUA golpeassem e derrubassem aqueles que se opunham aos projetos da Nova Ordem Mundial a qualquer momento.

Washington foi transformada por essas potências em uma espécie de centro de subversão internacional.

Foi por esta razão que o presidente chileno Salvador Allende foi destituído em 1973, por ordem de Henry Kissinger, homem forte do Grupo Bilderberg.

Foi por isso que Aldo Moro foi ameaçado de morte por Kissinger em 1976, sendo morto pelas Brigadas Vermelhas dois anos depois.

E foi por isso que Slobodan Milosevic, presidente da Sérvia nos anos 90, e Muammar Gaddafi, foram derrubados e mortos mais uma vez pela NATO.

Nesse sentido, a NATO não desempenhou de forma alguma o papel de uma organização destinada a preservar a estabilidade e a segurança dos países ocidentais. A NATO desempenhou o papel de uma organização terrorista que eliminou todos aqueles que se interpunham no caminho do plano de dominação global desejado pelas elites internacionais.

A retórica de contenção do bloco soviético não teve nada a ver com isso, pois a Aliança Atlântica se expandiu-se incrivelmente para o Leste, em vez de se dissolver após o colapso do Muro de Berlim.

A verdadeira razão da existência da NATO é ser o braço militar da Nova Ordem Mundial, mas essa condição só é possível se os EUA permanecerem sob a asa do atlantismo.

Esta é a razão pela qual o globalismo tentou de todas as maneiras recuperar a América e essa proposta falhou mesmo após a fraude de 2020.
Vimos agora como em várias ocasiões o fantoche Joe Biden não cumpriu as ordens que esses poderes haviam prescrito.

Pelo contrário, vimos Biden ir exatamente na direção oposta e afastar-se da esfera atlântica quando completou a retirada das tropas do Afeganistão, e quando nos últimos dias se recusou a enviar tropas americanas para a Ucrânia, deixando Putin livre.

As razões para essa anomalia estão no fato de que Biden realmente nunca assumiu o cargo quando Trump em janeiro de 2021 assinou o "Ato contra a Insurreição"  e transferiu o poder para os militares, impedindo assim que o governo Biden assumisse efetivamente o cargo.

Os Estados Unidos, portanto, não retornaram à esfera do globalismo e esta é outra razão que levou ao fracasso da farsa pandémica que, na visão de Davos, deveria ter levado ao Great Reset, uma reorganização da sociedade que teria levado a uma proibição em massa de todos aqueles que não haviam inoculado com o soro experimental impropriamente chamado de vacina.

O fenómeno inverso ocorreu. Os governos europeus suspenderam quase todas as restrições e a Rússia e os Estados Unidos lideraram isso ao sair da operação terrorista de coronavírus já no ano passado.

A fraca União Europeia, o último baluarte débildo globalismo, não teve outra escolha. As outras grandes potências já haviam arruinado o plano de Davos e até mesmo a China comunista em rota de colisão com as elites ocidentais por interesses radicalmente divergentes voltou as costas às potências globais.

Chegamos, portanto, à última conclusão de um acto que é o que está escrevendo a palavra fim à ideologia subjacente ao neoliberalismo económico, que deu origem ao monstro da globalização e àquela política e espiritual, no pior sentido do termo, que em vez disso subjaz aquela maçónica da chamada Nova Ordem Mundial.

Nesse sentido, Trump e Putin firmaram uma verdadeira aliança patriótica que impediu a manifestação e a libertação da Besta, expressão bíblica que identifica o tirano global que um dia dominará o mundo.

Os dois presidentes foram uma espécie de katehon político que impediu a ascensão definitiva do governo totalitário planetário que teria feito pó das nações e perseguido brutalmente quem ousasse opor-se a ele.

Da mesma forma, sob o nível mais estritamente espiritual, desta vez no melhor sentido do termo, foi o arcebispo Carlo Maria Viganò quem reuniu em torno de si os católicos perdidos que se afastaram da falsa igreja de Bergoglio, prostituídas a essa falsa ideologia maçónica.

A Ucrânia é, portanto, o fecho do círculo. É o início do fim irreversível de todo um mundo que havia sido concebido muitas décadas antes e que os mestres do globalismo acreditavam ver concretizado nesta conjuntura histórica.

A pouco influente União Europeia não pode mais parar o mecanismo porque está órfã da protecção dos Estados Unidos, que já embarcou num novo caminho, aguardando o retorno oficial de Trump, cada vez mais próximo, que levará ao fim oficial do globalismo em todas as suas formas políticas, militares e económicas.

O alvorecer da Nova Ordem Mundial finalmente terminou. Esta fase histórica parece ter começado o seu declínio definitivo.

O ridículo dos clubes de Davos foi tremenda. Eles foram dormir convencidos de que a ordem totalitária global estava sobre nós e no fim acordaram para descobrir que o mundo que eles imaginaram finalmente ruiu em mil pedaços.

In https://oriundi.net/geopolitica/a-manobra-de-putin-e-o-fim-da-nova-ordem-mundial.html

 

 

Voltar

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome