Edição online quinzenal
 
Sexta-feira 1 de Março de 2024  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Agricultores espanhóis juntam-se ao movimento de protesto europeu

02-02-2024 - DN/Lusa

Entre os motivos para aderir ao movimento de protesto dos agricultores europeus, as três principais organizações agrícolas de Espanha referiram a necessidade de mudanças a nível da União Europeia (UE), nas políticas governamentais e na aplicação pelas comunidades autónomas.

As três principais organizações agrícolas espanholas anunciaram esta terça-feira a adesão ao movimento de protesto dos agricultores europeus com uma série de mobilizações em todo o país durante as próximas semanas.

"O setor agrícola na Europa e em Espanha enfrenta uma frustração e um mal-estar crescentes devido às condições difíceis e à burocracia sufocante gerada pela regulamentação europeia", justificaram em comunicado, segundo a agência francesa AFP.

Os protestos foram convocados pela Associação Agrária Jovens Agricultores (Asaja), pela UPA - União de Pequenos Agricultores e Ganadeiros e pela Coordenadora de Organizações de Agricultores e Ganadeiros (COAG).

Os primeiros atos de protesto terão lugar à escala regional nas "próximas semanas", mas os organizadores não especificaram datas, segundo a agência espanhola EFE.

Entre os motivos, referiram a necessidade de mudanças a nível da União Europeia (UE), nas políticas governamentais e na aplicação pelas comunidades autónomas.

Os representantes do setor vão pedir ao ministro da Agricultura, Pescas e Alimentação, Luis Planas, "soluções imediatas" para resolver os problemas decorrentes da seca, da guerra na Ucrânia, da Política Agrícola Comum (PAC) e das questões laborais.

Em relação à UE, destacaram a "concorrência desleal" e a luta dos agricultores contra um mercado desregulado que importa de países terceiros "a preços baixos" e com regulamentos desiguais.

Consideraram tratar-se de "uma contradição e hipocrisia" que põem em causa a viabilidade de milhares de explorações agrícolas.

Anunciaram que vão exigir a suspensão da ratificação dos acordos com o Mercosul e a Nova Zelândia, e das negociações com o Chile, o Quénia, o México, a Índia e a Austrália.

Também vão exigir o aumento dos controlos das importações provenientes de Marrocos.

Vão igualmente protestar contra a atual PAC, cuja campanha começa na quinta-feira, 1 de fevereiro, que consideraram implicar uma burocracia insuportável e com custos ambientais.

A nível nacional, vão exigir a alteração e o alargamento da lei sobre a cadeia agroalimentar para proibir práticas desleais, de modo a que os preços dos agricultores cubram os custos de produção.

Exigirão também que o Ministério da Agricultura crie um observatório das importações e que a batalha em Bruxelas seja reforçada para exigir reciprocidade para todos os produtos agrícolas e pecuários que entram no território da UE.

Os agricultores vão também pedir às comunidades autónomas "reformas urgentes em termos de simplificação dos procedimentos burocráticos que asfixiam os profissionais da agricultura".

O campo espanhol junta-se assim às ações conjuntas de agricultores de países como a França, a Itália, a Bélgica, a Alemanha, a Polónia e a Roménia.

No âmbito do movimento, os agricultores franceses continuaram hoje a bloquear vias estratégicas em torno de Paris e noutros pontos do país, aumentando a pressão sobre o Governo.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome