Edição online quinzenal
 
Quarta-feira 24 de Julho de 2024  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Coreia do Norte “pagará o preço” se fornecer armas à Rússia

08-09-2023 - Ana Nunes Cordeiro

A Casa Branca advertiu hoje a Coreia do Norte de que “pagará o preço” por qualquer fornecimento de armas à Rússia para apoiar a sua guerra na Ucrânia.

“Isso não transmitirá uma boa imagem da Coreia do Norte e eles pagarão o preço na comunidade internacional”, declarou o conselheiro para a Segurança Nacional, Jake Sullivan, quando questionado numa conferência de imprensa sobre “negociações activas” entre Moscovo e Pyongyang sobre o fornecimento de armamento.

Washington crê que o líder norte-coreano, Kim Jong-un, tenciona deslocar-se à Rússia para debater com o Presidente, Vladimir Putin, a venda de armas de Pyongyang a Moscovo, para a guerra que o país trava há mais de um ano e meio na Ucrânia.

Na semana passada, o porta-voz principal do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Kirby, já tinha manifestado alarmismo perante a rápida evolução destas negociações sobre futuras entregas de armamento de Pyongyang a Moscovo e tinha instado o regime comunista a "cessar" tais discussões.

Sullivan admitiu, contudo, não estar em condições de dizer que tipo de armamento seria fornecido por Pyongyang à Rússia.

“Isso continua a ser uma questão em aberto, saber que tipo de material e a qualidade do material que poderá ser fornecido”, afirmou.

Mas, acrescentou, “diz muito sobre a Rússia o facto de ter de recorrer a um país como a Coreia do Norte para reforçar as suas capacidades de defesa”.

Pyongyang poderá, em especial, fornecer munições para artilharia, bem como matérias-primas para a indústria de defesa russa.

Segundo o diário norte-americano The New York Times, Kim Jong-un vai deslocar-se a Vladivostok, na costa leste da Rússia, a bordo de um comboio blindado durante este mês, para se reunir com Putin.

Vladivostok acolhe, entre os dias 10 e 13 de Setembro, o 8.º Fórum Económico do Oriente, organizado pelo Kremlin (Presidência russa).

O Presidente norte-americano, Joe Biden, aproveitará a cimeira dos dirigentes do G20 (19 maiores economias do mundo e União Europeia), na Índia, no próximo fim de semana, para reiterar o apoio dos Estados Unidos à Ucrânia “durante o tempo que for necessário”, indicou Jake Sullivan.

A Rússia lançou a 24 de Fevereiro de 2022 uma ofensiva militar na Ucrânia que causou, de acordo com dados da ONU, a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e fez nos últimos 18 meses um elevado número de vítimas não só militares como também civis, impossíveis de contabilizar enquanto o conflito decorrer.

A invasão – justificada por Putin com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

ANC // PDF

Lusa

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome