Edição online quinzenal
 
Quinta-feira 23 de Maio de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A GUERRA DE GAZA TORNA-SE GLOBAL

26-04-2024 - Joschka Fischer

A escalada da guerra no Médio Oriente deve ser entendida num contexto mais amplo. O facto de o regime iraniano se ter sentido encorajado a arriscar um ataque directo a Israel atesta uma ordem mundial em mudança, na qual o poder ocidental está cada vez mais aberto a desafios.

Com o ataque  de drones e mísseis do Irão a Israel na noite de 13 de Abril, a guerra no Médio Oriente assumiu uma nova dimensão. Durante anos, o conflito entre o Irão e Israel foi uma “guerra sombra” em que ambos os lados evitaram ataques militares directos no território um do outro. Em vez disso, o conflito chegou furtivamente às ruas de Teerão, onde ocorreram assassinatos  de cientistas e engenheiros nucleares iranianos, e a áreas devastadas pela guerra na Síria, no Líbano, no Iémen e em Gaza. Nesses pontos críticos, o chamado Eixo da Resistência  – que compreende o Hezbollah (no Líbano), o Hamas (em Gaza) e os Houthis (no Iémen) – recebe amplo apoio sob a forma de dinheiro, armas e treino iranianos.

A guerra actual começou em 7 de Outubro de 2023, quando o Hamas lançou um ataque a Israel que ceifou  1.200 vidas e 253 reféns. Israel rapidamente reagiu e a guerra tem durado em Gaza desde então. Como resultado da campanha das Forças de Defesa de Israel para eliminar o Hamas de uma vez por todas, mais de 30 mil palestinianos foram mortos e o enclave foi devastado.

Apesar destes horrores e das condições terríveis em Gaza, a guerra é o capítulo mais recente de um conflito sangrento que israelitas e palestinianos têm travado na mesma extensão de terra há quase 80 anos. Em contraste, o ataque directo do Irão contra Israel representa algo novo. Lançar um ataque a partir do território iraniano, em vez de operar através de representantes, é convidar à retaliação contra o próprio Irão. O regime iraniano ou deve sentir-se muito seguro de si, ou está sob enorme pressão para dar uma demonstração de força, mesmo que isso signifique arriscar uma “guerra aberta” não só com Israel, mas também com os Estados Unidos.

O gatilho imediato foi o ataque de Israel, em 1º de abril,  a um prédio do consulado iraniano próximo à embaixada do Irã em Damasco, onde vários membros do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana, incluindo  dois comandantes de alto escalão, foram mortos. Embora estas não tenham sido as primeiras vítimas da “guerra sombra” do Irão na Síria e no Líbano, a liderança iraniana sentiu-se, no entanto, obrigada a responder.

É verdade que o Irão teria informado os EUA,  através de canais informais, de que o seu contra-ataque era iminente, e ninguém ficou particularmente surpreendido quando este ocorreu. No entanto, as implicações da mudança são profundas. A guerra já não é uma guerra israelo-palestiniana na mesma extensão de terra; foi regionalizado – até mesmo globalizado.

Aparecendo ameaçadoramente no fundo está a ameaça potencial representada pelo programa nuclear iraniano. Dados os últimos desenvolvimentos, esta ameaça existencial a Israel está a tornar-se menos hipotética a cada dia. Será que o Irão dará os passos finais para ultrapassar o limiar nuclear, e será que a mera possibilidade aumenta as probabilidades de uma guerra com Israel e os EUA? Essa é agora a grande questão para toda a região.

Além disso, sabemos que os objectivos do Irão vão além de alcançar a predominância regional. O regime acolheria com agrado a substituição da ordem internacional liderada pelos EUA por um sistema mais multipolar, no qual competiriam grandes potências emergentes. Comandar uma posição poderosa nesta nova ordem internacional exigirá armas nucleares, acesso à tecnologia de ponta e o fim do isolamento económico implícito nas sanções ocidentais de grande alcance. Tudo isto parece agora estar ao nosso alcance através do aprofundamento dos seus laços  com a China, a Rússia e partes do Sul Global.

Os teocratas do Irão sabem que se encontram numa posição difícil a nível interno. Protestos  em grande escala liderados por mulheres, jovens e minorias étnicas (no Curdistão e no Baluchistão, por exemplo) desacreditaram o regime, tal como a corrupção  desenfreada entre a elite dominante. A liderança envelhecida do país já não tem qualquer legitimidade; é apenas sobreviver através da repressão total. Mas embora depender de cassetetes e balas possa funcionar durante algum tempo, dificilmente é uma receita para o sucesso a longo prazo.

Em termos geopolíticos, porém, a situação é completamente diferente. O regime teocrático do Irão está entre os grandes vencedores da transição da ordem mundial liderada pelos EUA. De acordo com a Agência Internacional de Energia Atómica, o programa nuclear do Irão avançou mais  do que nunca, colocando-o no limiar do enriquecimento de urânio suficiente para armas, para uma bomba. Dever-se-ia também assumir que o Irão possui o conhecimento tecnológico para construir uma ogiva nuclear e os sistemas para a lançar.

Num cenário geopolítico cada vez mais favorável, o casamento de conveniência do Irão com a Rússia e a China é de suma importância, até porque permitirá ao regime escapar ao seu isolamento internacional de décadas. À medida que as potências novas e emergentes procuram desenvolver novas estruturas multilaterais fora do alcance da hegemonia ocidental, o Irão beneficiará quase inevitavelmente.

A guerra no Médio Oriente deve ser entendida neste contexto mais amplo, que inclui também a Ucrânia e Taiwan. Assistimos a esforços cada vez mais ousados ​​e ambiciosos para derrubar a velha ordem liderada pelo Ocidente através de todos os meios necessários – até mesmo da guerra total.

JOSCHKA FISCHER

Joschka Fischer, ministro das Relações Exteriores da Alemanha e vice-chanceler de 1998 a 2005, foi líder do Partido Verde alemão por quase 20 anos.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome