Edição online quinzenal
 
Domingo 16 de Junho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

JAVIER MILEI AFECTARÁ A POLÍTICA EXTERNA DA ARGENTINA?

02-02-2024 - Thiago de Aragão

Poucas semanas depois de tomar posse, o presidente argentino Javier Milei já provocou brigas com o Reino Unido e a China, demonstrando a sua abordagem “anarco-capitalista” à política externa. A complexa realidade da diplomacia internacional e da interdependência económica exige uma postura muito mais pragmática.

Não demorou muito para que o recém-empossado presidente da Argentina, Javier Milei, demonstrasse a loucura de uma abordagem libertária radical à política externa. Na reunião do Fórum Económico Mundial deste ano, em Davos, Milei levantou dos mortos a questão da soberania das Ilhas Falkland  com o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido, David Cameron, que prontamente afastou qualquer discussão sobre o futuro das ilhas. Numa altura em que Milei precisa de reanimar a economia moribunda da Argentina, evocar a junta militar argentina que lançou a Guerra das Malvinas em 1982 parece desequilibrado.

Mais ameaçador ainda, Milei iniciou um diferendo com a China, um dos principais parceiros comerciais do país. No final de Dezembro, um legislador do partido de Milei reuniu-se com  representantes do escritório comercial de Taiwan na Argentina. Pouco depois, a mídia local noticiou  um encontro entre a ministra das Relações Exteriores da Argentina, Diana Mondino, e Miao-hung Hsie, representante de Taiwan em Buenos Aires.

Esta demonstração de apoio a Taiwan sugere que Milei pode cumprir a sua promessa de campanha  de cortar laços com a China. As suas duras críticas aos países “comunistas  no período que antecedeu as eleições presidenciais levantaram sérias preocupações sobre o futuro das relações sino-argentinas, especialmente porque a Argentina depende fortemente de um acordo de troca de moeda  com a China para financiar importações e pagar os vencimentos da dívida. . Pouco depois de Milei ter tomado posse como presidente, a China teria suspendido  este acordo, dificultando a capacidade da Argentina de cumprir as suas obrigações financeiras.

A decisão de Milei de abandonar a entrada planeada da Argentina  no grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) também poderá ter implicações económicas significativas, até porque elimina a possibilidade de garantir financiamento do Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS. É certo que os Estados Unidos e o Japão poderão acolher favoravelmente a rejeição da Argentina ao convite dos BRICS, o que poderá levar ao surgimento de outras opções de financiamento. Mas, dado o sobre-endividamento das economias ocidentais, apostar nisso seria um erro.

Embora Milei, que se descreve como um “anarcocapitalista”, possa procurar laços mais estreitos com o que chama de “mundo livre”, a complexa realidade da diplomacia internacional e da interdependência económica exige uma abordagem mais pragmática e menos ideológica para gerir a política externa da Argentina. . Na verdade, ao longo das últimas três semanas, Milei começou a reconhecer que, como presidente de uma economia emergente em crise, dois factores poderiam empurrá-lo para o fracasso político: a legislatura argentina e a China.

No início deste mês, Milei afastou-se de algumas de suas propostas mais radicais após enfrentar o desafio  de lidar com um Congresso no qual não tem maioria. O compromisso é necessário para qualquer negociação política, e a arte de saber ceder é fundamental para o sucesso. No caso de Milei, ele precisará de coragem para se render um pouco sem qualquer garantia de que conseguirá o que deseja em troca.

Quanto às relações com a China, Milei tem a sorte de ter o brilhante Mondino como seu ministro das Relações Exteriores. Num aparente esforço para aliviar as tensões, Mondino reuniu-se recentemente  com o embaixador chinês na Argentina, Wang Wei, enquanto o Ministério dos Negócios Estrangeiros insistiu que  o seu alegado encontro com o representante de Taiwan foi uma interpretação errada por parte da imprensa. Mondino também reafirmou  o reconhecimento da Argentina do princípio “Uma Só China”, que é essencial para manter uma boa relação diplomática e comercial com a China. A posição suavizante da administração Milei reflecte o seu reconhecimento de que os laços financeiros da Argentina com a China excluem a ruptura de relações.

A abordagem do governo argentino à China nos próximos meses moldará o futuro da relação bilateral, com implicações significativas para a política externa, posição internacional e estabilidade económica da Argentina. Normalmente, um período de tensões elevadas com a China pode ser neutralizado por elogios moderados, como aconteceu com o ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro.

O desenrolar do drama diplomático entre a Argentina, a China e Taiwan reflectirá um conjunto complexo de considerações geopolíticas, económicas e estratégicas. A Argentina, um país sem dinheiro  e com  uma inflação galopante, tem pressa em consertar os laços. Mas a China pode dar-se ao luxo de esperar: sabe que a Argentina acabará por precisar de acesso ao crédito e que outros mercados não estarão dispostos a fornecê-lo. Neste contexto, as decisões tomadas pela administração de Milei não só influenciarão as relações bilaterais da Argentina com estes países, mas também definirão a sua posição internacional de forma mais ampla.

Por seu lado, Taiwan está perfeitamente consciente de que esta rara oportunidade de reaproximação poderia fortalecer a sua posição na América do Sul; actualmente, o seu único aliado diplomático no continente é  o Paraguai. Mesmo que a Argentina não mude o seu reconhecimento diplomático da China para Taiwan, estabelecer comunicação frequente com a administração de Milei é suficiente para colocar Taiwan de volta no tabuleiro diplomático sul-americano. Mas a Argentina deve decidir se o reforço

THIAGO DE ARAGÃO

THIAGO DE ARAGÃO, CEO da Arko International – Latin American Research and Public Affairs, é pesquisador associado sénior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome