Edição online quinzenal
 
Sexta-feira 1 de Março de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A Europa precisa de uma nova estratégia para a Ucrânia

19-01-2024 - Marcos Leonardo

A decisão da União Europeia de iniciar negociações de adesão com a Ucrânia representa uma vitória simbólica e não prática. Com a Ucrânia a lutar para garantir uma ajuda crucial e a sua contra-ofensiva a não conseguir atingir os seus objectivos, é hora de redefinir o que constitui uma vitória ucraniana e uma derrota russa.

Os líderes da União Europeia demoraram oito horas  – um tempo relativamente curto, segundo os padrões da UE – para concordarem em iniciar negociações de adesão com a Ucrânia. Embora esta decisão represente uma grande vitória para o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, teve um custo elevado, uma vez que o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, bloqueou o desembolso de 50 mil milhões de euros (55 mil milhões de dólares) em ajuda de que a Ucrânia necessita desesperadamente para se defender. À medida que a guerra se aproxima do seu segundo aniversário, a Europa encontra-se num duplo dilema.

A estratégia da UE para a Ucrânia assenta em três pilares principais. Em primeiro lugar, os líderes europeus comprometeram-se com uma definição de vitória que implica a restauração da integridade territorial da Ucrânia e comprometeram-se a apoiar a Ucrânia até que esta recupere todo o território ocupado pela Rússia durante as fases iniciais da guerra.

Em segundo lugar, a política da Europa em relação à Rússia tem-se centrado inteiramente em sanções económicas e no isolamento internacional. As empresas ocidentais fugiram em massa de São Petersburgo e Moscovo, o G7 impôs um limite de preço ao petróleo russo e centenas de diplomatas russos foram expulsos  das capitais ocidentais.

Por último, a dependência da Europa do apoio americano atingiu níveis nunca vistos desde a Guerra Fria. Apesar da crescente rivalidade dos Estados Unidos com a China, a administração do Presidente Joe Biden comprometeu recursos diplomáticos, económicos e militares substanciais para garantir a segurança e a estabilidade da Europa.

Consequentemente, a Ucrânia conseguiu reter cerca de 82% do seu território pré-invasão, enquanto a Rússia sofreu perdas significativas em pessoal e recursos. Além disso, a aliança transatlântica – considerada praticamente morta durante o mandato do antigo Presidente dos EUA, Donald Trump – está agora mais forte do que nunca desde o fim da Guerra Fria.

Mas todos os três pilares começaram a oscilar. Embora a prestidigitação processual tenha frustrado a tentativa de Orbán de vetar a adesão da Ucrânia à UE, a decisão é mais uma vitória simbólica para a Ucrânia do que prática, uma vez que não aborda o atraso contínuo na ajuda financeira crucial. Nos campos de batalha do leste da Ucrânia, a guerra atingiu um impasse que favorece a Rússia, uma vez que a contra-ofensiva ucraniana, sobrecarregada desde o início por expectativas irrealistas, não conseguiu atingir os objectivos declarados.

Além disso, a eficácia das sanções impostas à Rússia foi posta em causa depois de uma recente investigação do Politico ter revelado  que as restrições ocidentais foram muito menos devastadoras do que inicialmente previsto. Enquanto o Presidente russo, Vladimir Putin, visita o Médio Oriente e ameaça  abrir novas frentes europeias, há um consenso emergente em Washington de que os EUA precisariam de se envolver com Moscovo após as eleições presidenciais de 2024.

O interesse cada vez menor dos EUA na guerra da Ucrânia representa a maior ameaça à estabilidade da Europa. A maior preocupação dos líderes europeus é o potencial regresso de Trump à Casa Branca em 2025, uma vez que os grupos de reflexão de direita já começaram a elaborar planos para uma “NATO adormecida” e a defender uma mudança da partilha de encargos para a “transferência de encargos”.

Mas o problema vai além de Trump. Até a administração Biden, que desempenhou um papel fundamental na coordenação da defesa da Ucrânia, parece ter mudado de tom. Numa recente conferência de imprensa  com Zelensky, Biden introduziu  uma nova frase, dizendo que os EUA apoiarão a Ucrânia “enquanto pudermos”, que substituiu “enquanto for necessário”. Zelensky, que viajou a Washington para apelar aos legisladores republicanos para que aprovassem um importante pacote de ajuda e não conseguiu  alcançar um avanço, ficou visivelmente desanimado.

A mudança retórica de Biden destaca o dilema que enfrentam os aliados europeus da Ucrânia e sublinha a necessidade urgente de a Europa repensar a sua estratégia. Para começar, a definição de uma vitória ucraniana não deve limitar-se ao território reconquistado à Rússia. O carácter e a identidade da Ucrânia do pós-guerra, especialmente o seu compromisso com os princípios democráticos, são igualmente importantes. Se a Ucrânia emergir desta guerra como uma democracia vibrante e se tornar membro da NATO e da UE, seria uma vitória espectacular, independentemente de ganhos territoriais específicos.

Consequentemente, os países ocidentais devem concentrar-se em apoiar a Ucrânia na concretização desta visão. Os europeus deveriam ajudar a Ucrânia a reformar a sua economia e a sua indústria de defesa, para que o país se torne menos dependente dos caprichos da política interna ocidental. Isto permitiria à Ucrânia estabelecer mecanismos financeiramente sustentáveis ​​para se defender contra a agressão russa. Em vez de esperar que a guerra termine, os governos ocidentais devem ajudar a Ucrânia a reconstruir a sua economia e a sua base fiscal enquanto o conflito ainda persiste.

Esta redefinição da vitória ucraniana deve andar de mãos dadas com uma nova compreensão do que constitui uma derrota russa. Dado que é pouco provável que a guerra termine com Putin e os seus comparsas no banco dos réus em Haia, os líderes da UE devem enfrentar os desafios a longo prazo colocados pelo conflito multifacetado entre a Rússia e a Europa, incluindo uma crise energética, uma convulsão política e uma crise geopolítica. instabilidade. Um conflito prolongado com um regime russo desonesto exige uma estratégia holística que envolve o estabelecimento de canais para compreender e antecipar as intenções e tácticas do Kremlin.

Independentemente de quem ocupa a Sala Oval em Janeiro de 2025, a Europa deve reduzir a sua dependência dos EUA. Isto significa gastar mais na defesa e desenvolver uma estratégia comum eficaz. Permitir que um único Estado-Membro sequestre toda a agenda de política externa do bloco, como fez a Hungria, é insustentável e incompatível com a ambição da UE de afirmar a sua influência num mundo multipolar.

Apesar destes desafios, a reunião do Conselho Europeu deste mês poderá ter lançado as bases para uma nova visão da Europa. Os últimos dois anos foram marcados por um alinhamento inesperado entre os Estados-Membros da UE, com a França a descobrir um entusiasmo renovado pela Europa de Leste e o alargamento, e a Alemanha a demonstrar um interesse crescente na defesa. Até a Itália parece ter superado o seu anterior caso de amor com a Rússia, e o Reino Unido está lentamente a reavivar a sua relação com a UE.

Com eleições cruciais na Europa, nos EUA e no Reino Unido a surgir no horizonte, o futuro da aliança transatlântica permanece em mudança. Para sobreviver no meio das transformações regionais e globais, a UE deve aproveitar este período de incerteza e mudança para desenvolver uma estratégia que permitirá tanto ao bloco como à Ucrânia enfrentar os desafios dos próximos anos.

MARK LEONARDO

Mark Leonard, Director do Conselho Europeu de Relações Exteriores, é o autor de The Age of Unpeace: How Connectivity Causes Conflict (Bantam Press, 2021).

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome