Edição online quinzenal
 
Quarta-feira 24 de Julho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

UM ADIAMENTO PARA A DEMOCRACIA DE ISRAEL

19-01-2024 - Shlomo Ben-Ami

A decisão do Supremo Tribunal israelita de anular a reforma judicial do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu marca um momento decisivo para a democracia israelita. Mas embora os esforços da extrema direita para transformar Israel num Estado autoritário tenham sido frustrados, a guerra em Gaza manterá Netanyahu e os seus aliados extremistas no poder.

Esta semana, o Supremo Tribunal de Israel decidiu sobre dois importantes projectos de lei  apresentados pelo governo de extrema-direita do primeiro-ministro Binyamin Netanyahu como parte da sua revisão judicial. A decisão de derrubar o primeiro e adiar a activação  do segundo até depois das próximas eleições gerais proporcionou uma vitória histórica às forças democráticas de Israel.

O primeiro projecto de lei teria eliminado o poder do Supremo Tribunal de bloquear decisões governamentais “extremamente irracionais”. O segundo projecto de lei, explicitamente elaborado para Netanyahu, que actualmente está sendo julgado por corrupção, procurava impedir o procurador-geral de Israel de declará-lo inapto para o cargo se tentasse interferir no processo criminal, e estipulava que o primeiro-ministro só poderia ser declarado incapacitado por motivos de saúde. Ambos os projectos de lei foram aprovados pelo Knesset durante o verão como alterações às Leis Básicas de Israel, que servem como a constituição de facto do país.

Estas decisões marcam um momento decisivo para a democracia israelita. Ao anular a reforma judicial do governo, o Supremo Tribunal rejeitou a noção de que a unidade em tempo de guerra exige tolerância à erosão das normas democráticas por parte de Netanyahu. Numa estreita maioria de 8-7, o Tribunal manteve o padrão de razoabilidade, repreendendo a coligação governante por causar “danos graves e sem precedentes” ao carácter democrático de Israel.

Além disso, 12 dos 15 juízes decidiram que o Supremo Tribunal tem autoridade para rever e até anular as Leis Básicas que minam a identidade de Israel como um Estado judeu e democrático. Isto equivale a uma rejeição do argumento do governo de que as Leis Básicas deveriam ser isentas de revisão judicial, mesmo que fossem aprovadas por maioria simples do Knesset.

Dito isto, a decisão do Tribunal representa um afastamento radical da sua tradicional relutância em decidir sobre as Leis Básicas. Dado que Israel não tem uma constituição formal, estas leis funcionam como um quadro jurídico fundamental, delineando as responsabilidades do Estado e salvaguardando os direitos civis essenciais. Mas o governo de Netanyahu explorou a política de não interferência do Tribunal, aproveitando todas as oportunidades para manipular o processo da Lei Básica para ganho pessoal e político de Netanyahu. Com a sua última decisão, os juízes pretendem acabar com esta prática.

A decisão do Tribunal de anular a reforma judicial de Netanyahu também representa uma grande vitória para as centenas de milhares de israelitas que saíram às ruas no ano passado para protestar contra ela. Estas manifestações em massa realçaram o conflito em curso entre duas visões contrastantes do futuro de Israel, uma divisão que foi momentaneamente ofuscada pelo massacre de cidadãos israelitas pelo Hamas em 7 de Outubro. Desde o início da guerra em Gaza, Netanyahu e os seus aliados, cuja negligência levou ao pior ataque terrorista na história de Israel, tentaram transferir a culpa para os manifestantes e para o Supremo Tribunal. Ao expor as divisões internas de Israel, argumentam eles, os manifestantes inadvertidamente encorajaram o Hamas a atacar.

Mas é perfeitamente claro que foi a reforma judicial do governo, e não os protestos contra ela, que destruiu a sociedade israelita. No entanto, os aliados de Netanyahu – incluindo o Ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, cujo círculo eleitoral de colonos de extrema-direita tem sido a força motriz por detrás dos esforços para enfraquecer o poder judicial – atacaram  o  Tribunal por “enfraquecer o espírito” dos soldados que lutam em Gaza.

Netanyahu, por sua vez, parece ver a guerra contra o Hamas como uma espécie de apólice de seguro. A sua gestão da guerra está indissociavelmente ligada à sua busca pela sobrevivência política, reflectindo a sua aparente convicção de que a única forma de mitigar as repercussões adversas da sua reforma judicial divisionista e da sua responsabilidade pessoal pelo ataque de 7 de Outubro é através da busca de uma vitória decisiva sobre o Hamas. , não importa o custo.

O desejo de Netanyahu de salvar a sua carreira política também explica a sua recusa em aceitar a responsabilidade pelos erros que levaram à situação actual de Israel. Os altos escalões militares, desde o Chefe do Estado-Maior até aos chefes dos serviços secretos militares e da Agência de Segurança Israelita (Shin Bet), reconheceram todos os seus fracassos e comprometeram-se a demitir-se assim que a guerra terminar. Mas Netanyahu, que certa vez afirmou  que um Hamas forte em Gaza é “a nossa forma de impedir a criação de um Estado palestiniano”, continua a fugir à responsabilidade, repetindo o seu novo mantra: “Depois da guerra”.

Antes de 7 de Outubro, muitos reservistas militares e pilotos de combate participaram activamente nos protestos em massa contra a reforma judicial do governo. Alguns até ameaçaram  parar de se apresentar ao serviço. Embora estivessem motivados principalmente pela sua preocupação com a democracia de Israel, também compreenderam, como militares, que um sistema judiciário independente e respeitado internacionalmente os salvaguarda contra potenciais processos judiciais por tribunais internacionais. Lamentavelmente, não demorou muito para que os piores receios destes reservistas se materializassem.

O devastador custo humano da guerra em Gaza expôs os líderes e soldados israelitas ao risco de serem processados ​​por crimes de guerra. No final deste mês, o Tribunal Internacional de Justiça em Haia deverá discutir as alegações de genocídio  apresentadas contra Israel pela África do Sul. Na sua defesa, espera-se que Israel ignore as ameaças selvagens e a retórica genocida utilizada pelos parceiros da coligação de Netanyahu (que reforçaram as acusações da África do Sul) e destaque a posição internacional do Supremo Tribunal.

Embora a tentativa de golpe judicial de Netanyahu tenha sido frustrada, esta vitória poderá revelar-se passageira. A coligação de Netanyahu de fomentadores da guerra, colonos messiânicos e oportunistas cínicos permanece intacta e continuará a prosseguir a sua agenda autoritária. Além disso, a maioria liberal do Supremo Tribunal que anulou a reforma do governo já não existe após a reforma da Juíza Presidente Esther Hayut e da Juíza Anat Baron.

A importância da decisão histórica do Supremo Tribunal, especialmente no meio de uma guerra existencial, não pode ser exagerada. A maioria de tendência liberal do Tribunal provou ser um aliado indispensável das forças democráticas que se opõem aos extremistas que vêem a guerra em Gaza como uma oportunidade para concretizar a sua visão de um Grande Israel desde o Mediterrâneo até ao Rio Jordão. Mas a recente vitória destas forças é apenas parte de uma batalha maior pela alma de Israel – uma batalha que continua a desenrolar-se à sombra de uma guerra em curso.

SHLOMO BEN-AMI

Shlomo Ben-Ami, ex-ministro das Relações Exteriores de Israel, é vice-presidente do Centro Internacional de Toledo para a Paz e autor de  Profetas sem Honra: A Cúpula de Camp David de 2000 e o Fim da Solução de Dois Estados  (Oxford University Press, 2022)

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome