Edição online quinzenal
 
Domingo 21 de Abril de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

APESAR DA GUERRA, UCRÂNIA PERMITE QUE PETRÓLEO E GÁS RUSSO ATRAVESSEM SEU TERRITÓRIO

09-06-2023 - David L. Stern

Apesar de uma brutal invasão russa que matou dezenas de milhares de soldados e civis ucranianos e devastou áreas do país, a Ucrânia continua a permitir que o petróleo e o gás russos atravessem seu território para servir seus vizinhos europeus - gerando receita para Kiev e Moscovo e ilustrando como é difícil para os inimigos amargos cortar os laços.

Altos funcionários ucranianos exigiram que seus parceiros ocidentais impusessem sanções mais duras e cortassem praticamente todos os laços económicos com a Rússia, dizendo que "mais deve ser feito" para paralisar a máquina de guerra de Moscovo. Mas, por mais surreal que pareça, a Ucrânia insiste que praticamente não tem escolha a não ser manter seus próprios acordos comerciais e fez lobby para preservá-los, argumentando que eles fornecem alguma influência sobre o Kremlin e ajudam a restringir os locais onde os militares russos realizam ataques aéreos.

Oleksiy Chernyshov, o executivo-chefe da empresa estatal de energia da Ucrânia Naftogaz, admitiu a bizarra ótica da Ucrânia ainda fazendo negócios com a Rússia. “É impossível, como cidadão ucraniano – essa é minha primeira reacção”, disse Chernyshov, acrescentando que esta foi uma resposta pessoal e emocional.

Mas Naftogaz - e líderes políticos de alto escalão - insistem que a Ucrânia não pode e não deve fechar os oleodutos, tanto para reivindicar uma receita residual (embora a quantia que Moscovo está pagando, se houver, não seja informação pública) e porque alguns dos apoiantes europeus de Kiev estão ainda dependente do petróleo e do gás russos.

Milícias anti-Putin montam incursão na fronteira no oeste da Rússia

Os lucros contínuos da Rússia e as frustrações de Kiev foram destacados recentemente em documentos classificados de inteligência dos EUA vazados na plataforma de mensagens Discord, que diziam que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky considerou explodir o oleoduto Druzhba no início deste ano.

De acordo com o documento, obtido pelo The Washington Post, as autoridades americanas questionaram a gravidade das ameaças, que podem ter sido uma explosão de frustração do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, que tem manifestado posições pró-Kremlin e insistido na isenção de um esforço da União Europeia para acabar com as compras de petróleo russo.

Moscovo enviou cerca de 300.000 barris de petróleo por dia no ano passado através do oleoduto Druzhba – ou “Amizade” –, que atravessa a Ucrânia. A Rússia também é obrigada a bombear cerca de 40 biliões de metros cúbicos de gás anualmente através do sistema de trânsito de gás da Ucrânia por causa de acordos de fornecimento anteriores à invasão em grande escala em Fevereiro de 2022.

Autoridades ucranianas dizem que estão em um dilema. Os hidrocarbonetos russos que cruzam seu território rendem milhões de dólares ao Kremlin e ajudam a financiar sua máquina de guerra. Mas Kiev também precisa do dinheiro que ganha com o trânsito e quer ser um parceiro económico confiável para os países europeus, alguns dos quais podem enfrentar aumentos de preços desestabilizadores se o fornecimento de energia russo for interrompido repentinamente.

Chernyshov disse que Kiev deve cumprir suas obrigações contratuais, e a decisão de encerrar as entregas cabe aos países receptores, como a Hungria, que precisa de petróleo e gás russos para aquecimento no inverno. “Este fluxo não foi interrompido para não congelar outros países que apoiam a Ucrânia”, disse ele.

O Kremlin usou o fornecimento de energia como arma, inclusive nos anos 2000, quando cortou duas vezes o fornecimento para a Europa.

Mas Kiev também insistiu que o gás da Rússia deve continuar a fluir, mesmo nos anos desde que Moscovo anexou ilegalmente a Crimeia em 2014 e fomentou uma guerra separatista na região leste de Donbass. A Ucrânia insistiu que deveria manter seu papel como país de trânsito, ao mesmo tempo em que exigia que países como a Alemanha não ajudassem a Rússia a construir novos oleodutos – uma visão que os críticos chamaram de hipócrita. Agora, a Ucrânia diz que todos os seus apoiantes devem reduzir ou eliminar o uso de energia russa.

Um grupo de trabalho sobre sanções russas, presidido por Andriy Yermak, chefe do gabinete presidencial ucraniano, e Michael McFaul, ex-embaixador dos EUA na Rússia, publicou um “plano de acção” no mês passado que estabelecia medidas adicionais que o grupo disse que deveriam ser adoptadas. tomadas para punir a Rússia - mas o plano pedia explicitamente para preservar o trânsito de energia russa pela Ucrânia.

Também pediu a suspensão de “todas as rotas restantes de gasodutos controlados pela Rússia” que levam o gás russo ao mercado europeu, bem como o gasoduto TurkStream através da Turquia. “Acabe com o fornecimento directo de gás russo à União Europeia, excepto através da Ucrânia”, diz o plano de acção.

Chefe da AIEA defende plano para proteger usina nuclear antes da ofensiva na Ucrânia

Anders Aslund, um especialista económico com foco na ex-União Soviética que fazia parte do grupo de trabalho de sanções, disse que a lógica de manter o trânsito na Ucrânia era clara: o gás iria para os mercados europeus de qualquer maneira, porque a UE incluía várias excepções, ou “carveouts”. ”, ao seu regime de embargo para países como a Hungria.

Além disso, a Rússia se comprometeu a pagar à Ucrânia um total de US$ 7 biliões em um contrato de cinco anos assinado em 2019, chamado de acordo “pump or pay”, que exige que Moscovo pague se enviar gás. “Então, por que não pegar o dinheiro?” disse Aslund. “Os contratos foram acordados com a União Europeia para essas carveouts.”

O objectivo das sanções não é introduzir “uma proibição geral do comércio com a Rússia”, disse Aslund, mas “causar o máximo de dano à Rússia sem causar à Ucrânia mais dano do que o necessário”.

Em 10 de Maio, enviados da UE se reuniram em Bruxelas para discutir um novo pacote de sanções contra a Rússia, o 11º até agora. Medidas anteriores visavam indivíduos, empresas e sectores da economia russa e restringiam exportações e importações.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, em uma colectiva de imprensa com Zelensky em Kiev no dia anterior, disse que a UE "continuaria a fazer tudo" ao seu alcance "para corroer a máquina de guerra de Putin e sua receita". Zelensky elogiou as propostas da UE, que segundo ele atingiriam o sector de energia atómica da Rússia. Mas ele e outras autoridades disseram que isso ainda não é suficiente.

Sob seu contrato de gás com Kiev, a Rússia é obrigada a pagar à Ucrânia cerca de US$ 1 bilhão a US$ 1,5 bilião anualmente. Depois que a guerra começou, um importante ponto de entrada para o gás russo no território ocupado no leste foi fechado, com reivindicações conflituantes sobre quem era o responsável. As autoridades ucranianas insistiram que havia capacidade para enviar todo o gás russo por outro ponto de entrada. No entanto, a Rússia reduziu drasticamente a quantidade de gás bombeado pela Ucrânia.

Em Setembro, a Naftogaz entrou com um processo no Tribunal Internacional de Arbitragem em Paris, dizendo que “os fundos não foram pagos” pela estatal russa de gás Gazprom “nem no prazo nem na íntegra” nos termos do contrato. No entanto, a Naftogaz se recusou a especificar quanto faltava nos pagamentos.

“Faremos a Gazprom pagar”, disse Yuriy Vitrenko, chefe da Naftogaz na época. A Gazprom, em resposta, disse que não havia “razões apropriadas” para prosseguir com o caso e ameaçou impor penalidades financeiras contra a Naftogaz.

O gás está no centro do relacionamento conturbado da Rússia e da Ucrânia há décadas. A certa altura, a Rússia enviou mais de 80% de seu gás através da Ucrânia para países europeus.

A Rússia esperava contornar a Ucrânia abrindo dois gasodutos através do Mar do Norte para a Alemanha. Enquanto o segundo, chamado Nord Stream 2, estava sendo construído, as autoridades ucranianas argumentaram que parte do gás da Rússia deveria continuar a atravessar a Ucrânia como forma de evitar uma guerra em grande escala. O Nord Stream 2 foi construído, mas nunca foi usado. A guerra aconteceu de qualquer maneira.

Zelensky, em particular, planeia ataques ousados ​​dentro da Rússia

Ainda assim, Nataliia Shapoval, vice-presidente de pesquisa de políticas da Escola de Economia de Kiev, disse que o uso de oleodutos ucranianos pela Rússia “cria alguma protecção adicional” e parece limitar os ataques aéreos de Moscovo. “Durante sua campanha contra o sector de energia neste inverno, o transporte e armazenamento de gás não eram seus alvos principais, com certeza”, disse Shapoval.

O oleoduto Druzhba também foi poupado, interrompendo as operações por apenas “alguns dias, quando eles não tinham energia para operar as bombas”, disse Matthew Sagers, especialista em transporte de energia da S&P Global Commodity Insights em Londres.

Fonte: Washington Post

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome