Edição online quinzenal
 
Quinta-feira 23 de Maio de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

TODOS OS CAMINHOS LEVAM A PEQUIM

28-04-2023 - Pepe Escobar

Esta é a história de dois peregrinos que seguem o caminho que realmente importa no jovem século XXI; um vindo da NATOstan e outro do BRICS.

Vamos começar com Le Petit Roi, Emmanuel Macron. Imagine-o com um sorriso de plástico no rosto passeando ao lado de Xi Jinping em Guangzhou. Seguindo o som – longo e suave – do clássico “High Mountain and Flowing Water”, eles entram no Salão Baiyun para apreciar o som tocado pelo Guqin de 1000 anos (um belo instrumento). Eles provam a fragrância do chá de 1.000 anos – e refletem sobre a ascensão e queda de grandes potências no novo milênio.

E o que Xi diz ao Le Petit Roi? Ele explica que quando você ouve esta música eterna tocada por este instrumento eterno, você espera estar na companhia de um amigo do peito; você está em sincronia tanto quanto a alta montanha e a água corrente. Esse é o significado mais profundo do antigo conto dos músicos Yu Boya e Zhong Ziqi, 25 séculos atrás no reino de Chu: amizade íntima. Apenas amigos do peito podem entender a música.

E com isso, como explicaram os estudiosos chineses, Xi trouxe à tona o conceito de Zhiyin. Depois que Zhong Ziqi morreu, Yu Boya quebrou seu Guqin: ele pensou que ninguém mais poderia entender sua música. A história deles marcou o termo “Zhiyin”: alguém que entende de música, com o significado adicional de amigos do peito que podem se entender completamente.

Todas as apostas são sobre se um fantoche narcisista como Macron seria culto o suficiente para entender a mensagem sutil e sofisticada de Xi: aqueles que a entendem são verdadeiras almas gêmeas. Além disso, Macron não foi despachado para Pequim e Guangzhou por seus mestres para fazer alma gêmea, mas para tentar dobrar Xi para a OTAN na Rússia/Ucrânia.

Sua linguagem corporal é uma revelação inoperante – completa com os braços cruzados demonstrando tédio. A princípio, ele pode ter sido insensível à noção de que a verdadeira amizade requer compreensão e apreciação mútuas.

Mas então algo extraordinário aconteceu. A mensagem de Xi pode ter tocado um ponto-chave nas torturadas profundezas internas do narcisista Petit Roi. E se, nas relações internacionais, a compreensão e a apreciação mútuas forem a chave para que as nações encontrem um terreno comum e trabalhem juntas em busca de objetivos comuns?

Que noção revolucionária; não exatamente a “ordem internacional baseada em regras” imposta por Hegemon.

Você é um verdadeiro Soberano?

Ao convidar Le Petit Roi para a China e passar pessoalmente nada menos que 6 horas com seu convidado, Xi impôs o melhor da diplomacia milenar. Ele lembrou a seu convidado a turbulenta história entre a França e as potências anglo-saxônicas; e ele falou sobre soberania.

A chave sub-trama sutil: “Europa” é melhor pensar bem sobre ser subserviente ao Hegemon e minimizar da melhor maneira possível a enorme turbulência econômica quando o Dia do Confronto com os EUA chegar. Está implícita a prioridade de Pequim em acabar com as crescentes tentativas dos EUA de cercar a China.

Assim, Xi tratou a França como um verdadeiro soberano em potencial, mesmo sob a UE; ou um pouco de separação do dogma da UE.

É claro que outra mensagem-chave estava implícita nesse convite confuciano ao crescimento epistemológico. Para aqueles que não estão dispostos a ser amigáveis ​​com a China por causa de camadas geopolíticas complexas, nunca será tarde demais para Pequim mostrar o lado menos “amigável” do estado chinês – se a situação surgir.

Tradução: se o Ocidente for para o Maquiavel Total, a China aplicará Sun Tzu o Total. Mesmo que Pequim prefira fazer relações internacionais sob a égide da Beleza, Bondade e Verdade, em vez de “você está conosco ou contra nós”, guerra de terror e demência de sanções.

Então, Petit Roi teve um momento de “estrada para Damasco”? O veredicto está aberto. Ele literalmente assustou o Hegemon com sua explosão de que a Europa deve resistir à pressão para se tornar “seguidores da América”. Isso está muito em sintonia com os 51 pontos acordados por Pequim e Paris, com ênfase em “preocupações de segurança legítimas de todas as partes”.

Os americanos ficaram ainda mais assustados quando Macron afirmou que a Europa deveria se tornar uma “terceira superpotência” independente. Le Petit Roi até avançou alguns passos de bebê em favor da desdolarização (certamente sob a supervisão de seus mestres financeiros) e não em favor de Forever Wars [Guerras Eternas – nota do tradutor].

Assim, os americanos, em pânico, tiveram que enviar às pressas a alemã Annalena “360°” Bearbock, da 5ª coluna, para Pequim afim de tentar desfazer os desabafos do Le Petit Roi – e reafirmar o roteiro oficial do Washington Dictates Brussels[Washington dita a Bruxelas – nota do tradutor]. Ninguém, em lugar nenhum, prestou a menor atenção.

Isso veio no topo da subtrama mais flagrante de toda a história: como a dominatrix da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, foi tratada por Pequim como pior do que irrelevante. Um estudioso chinês a descreveu severamente como “apenas o porta-voz de uma organização canina sem dentes. Até o latido dela soa como o choro de um cachorro com doença terminal que está prestes a ser sacrificado”.

O “cachorro com doença terminal” teve que passar pelo controle de passaporte e alfândega (“Algo a declarar”?) Sem status diplomático. Nenhum convite oficial. Sem soberania. E não, você não pode pegar o trem especial de alta velocidade ao lado de Macron para ir a Guangzhou. Então, aqui está outra mensagem – esta bastante gráfica: não mexa com o ethos de 3.000 anos do Reino do Meio.

Lula e “Zhiyin”

Os principais estudiosos chineses ficaram absolutamente fascinados com a aplicação de estratagemas diplomáticos de Xi que foram tão úteis 25 séculos atrás, agora reencenados no cenário global do caminho para a multipolaridade.

Alguns estão pedindo uma nova “Estratégias para os Estados em Guerra” reescrita para o século XXI. A enorme mesa redonda montada pelo protocolo chinês com a “selva” no meio e Macron e von der Leyen posicionados como se para uma entrevista de emprego foi um sucesso monstruoso no Weibo e no We Chat. Isso levou a discussões intermináveis ​​sobre como a China agora é finalmente capaz de “criar uma barreira entre os bárbaros”.

Comparado a toda essa comoção, a história da vinda do presidente brasileiro Lula a Xangai e Pequim parece uma ilustração gráfica de Zhiyin.

Lula acertou a jugular desde o início, durante o posse da ex-presidente Dilma Rousseff como o novo presidente do NDB, o banco dos BRICS.

Em linguagem simples e direta que qualquer pessoa do Saara à Sibéria pode entender, Lula disse, “Todas as noites eu me pergunto por que todos os países precisam estar vinculados ao dólar para o comércio? Por que não podemos negociar em nossas próprias moedas? E por que não temos o compromisso de inovar?”

Está diretamente implícito o fato de que o BRICS+ em expansão deve projetar e promover sua própria moeda (o longo e complexo processo já começou), além de permitir o comércio em moedas nacionais.

A poderosa mensagem de Lula foi dirigida a todo o Sul Global. Um exemplo brasileiro é o ICBC da China estabelecendo uma câmara de compensação no Brasil que permite a troca direta de yuans por reais.

Não é à toa que o jornal oficial da CIA, o Washington Post, espumando pela boca, emitiu imediatamente o veredicto do Estado Profundo: Lula não está obedecendo ao ditame da “ordem internacional baseada em regras”.

Isso significa que o Estado Profundo virá atrás de Lula e seu governo – tudo de novo, e não medirá esforços para desestabilizá-lo. Porque o que Lula disse é exatamente o que Saddam Hussein e o coronel Kadafi disseram – e tentaram implementar – no passado.

Então Lula vai precisar de toda a ajuda que conseguir. Digite, mais uma vez, “Zhiyin”.

E foi assim que Xi deu as boas-vindas oficialmente a Lula em Pequim. Pouquíssimas pessoas no mundo, não chinesas, entendem que quando alguém da estatura de Xi diz a você, bem na sua frente, que você é “um velho amigo da China”, é isso.

Todas as portas estão abertas. Eles confiam em você, te abraçam, te protegem, te ouvem, te ajudam em momentos de necessidade e sempre farão o possível para manter a amizade próxima de seus corações.

E assim termina, por enquanto, nossa história de “amigos do peito” pegando a estrada para Pequim. O amigo do BRICS certamente entendeu tudo o que há para saber. Quanto ao Pequeno Rei da OTAN que sonha em se tornar um verdadeiro líder soberano, a hora da verdade está batendo à sua porta.

Pepe Escobar

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome