Edição online quinzenal
 
Domingo 16 de Junho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Como matar as memórias?

07-06-2024 - Carlos Matos Gomes

Fui educado a respeitar o sofrimento dos judeus ao longo da história. Repugnou-me o que li sobre a Inquisição, Santa, as imagens das torturas, desprezei as figuras dos torturadores de homens e mulheres amarrados e sem defesa.

Enquanto fui cristão vi Cristo como um judeu que foi crucificado por romanos invasores (os mesmos romanos que haviam invadido a Península Ibérica), apenas porque queria manter-se com direitos na sua terra.

A questão judaica não é uma questão de humanidade, não é uma questão de religião, é unicamente uma questão de higiene política,  escreveu Paul Carrel, um alemão recuperado após o final da guerra pelos americanos (desnazificado), quando ainda se chamava Paul Carl Schmidt e publicava textos sob a tutela de Ribbentrop, ministro de Hitler.

Troquem questão judaica por questão palestiniana e a frase pode sair da boca de qualquer dos atuais funcionários do governo de Netanyahu de Israel.

Li As Benevolentes, o romance de Jonatthan Littel sobre episódios verídicos da II Guerra Mundial, da invasão da Polónia e da Ucrânia ma marcha dos exércitos de Hitler para a União Soviética:

« A aldeia, já não me lembro do seu nome. Quando chegámos dei com as levas já organizadas. «É ali que a coisa se passa.» Na praça central os nossos soldados reuniam os judeus, homens de idade madura, adolescentes, traziam-nos em pequenos grupos, por vezes batiam-lhes, depois forçavam-nos a acocorar-se. Chicoteavam-nos com um pingalim para os fazer avançar, mas excetuando os gritos tudo parecia relativamente calmo, ordenado, de vez em quando uma criança aparecia a uma esquina e escapava-se. Os guardas fizeram os judeus subir para camiões entre gritos e chibatadas. Dois guardas arrastavam um velho judeu com uma perna de pau, a prótese soltou-se e eles atiraram-no sem mais para dentro do camião. Em cada camião acumulavam-se cerca de 30 judeus. Quando os camiões ficaram cheios puseram-se a caminho do bosque e aí chegados Nagel deu ordem para que fossem escolhidos os judeus que iriam escavar as valas. Olhei para os judeus mais próximos de mim, pareciam pálidos mas calmos. Nagel aproximou-se e apostrofou-me vivamente: «É necessário, está a entender? Em tudo isto, o sofrimento humano não deve ser tido em conta seja como for!»

Substituam judeus por palestinianos e Nagel, o ogre, por Netanyahu e toda a cena passada numa aldeia da Ucrânia na II Guerra Mundial continua a fazer sentido na Palestina, em Gaza.

Eu tinha esta memória dos judeus. Netanyahu apagou-a. Eu tinha a esperança de que existisse uma memória judaica, verifico que a perversidade e a bestialidade a apagou. Eu acreditava que um povo que reivindica ser eleito de um Deus tivesse uma memória da violência e da dignidade do ser humano, segundo eles criatura de seu Deus: os judeus de Netanyahu destruíram essa minha crença.

O capítulo 15 de Hitler, uma biografa — de Ian Kershaw, edição portuguesa da D. Quixote, tem por título: As Marcas de Uma Mentalidade Genocida. Contem um excerto de uma proclamação de Himmler, o responsável pelos campos de extermínio, às SS, em 1938, antes da orgia de violência primitiva contra s judeus que ficou conhecida como  Progrom da noite de 9 de Novembro: « O judeu não pode manter-se na Alemanha. Esta é uma questão que perdura há anos. Temos de correr com eles daqui para fora com uma impiedade sem precedentes…»

Em 1938 a Alemanha era um Estado com instituições democráticas. Em 2021, Israel de Netanyahu também é um estado com instituições democráticas, mas, tal como a Alemanha, tal como a África do Sul do apartheid, a democracia e os direitos apenas se aplicam aos da “raça” dominante: alemães arianos, brancos e judeus.

É neste ponto da história, de nova versão da inquisição, do nazismo, do apartheid que nos encontramos perante o Estado de Israel.

As “orgias de violência” são recorrentes na história da humanidade, mas a orgia de violência do Estado de Israel tem caraterísticas de maldade acrescida. Mesmo os céticos como eu, os que tomam como certa a definição de Plauto na sua obra Asinaria,  Lupus est homo homini lupus a expressão latina que significa “o homem é o lobo do próprio homem”, popularizada por Thomas Hobbes, se devem interrogar e temer pelas suas vidas quando descobrem que os mais fortes e mais constantes motivos para a ação dos humanos são o ódio e a vingança.

Que a nossa civilização, dita judaico-cristã mantem como marca identificadora o direito da besta mais forte e o domínio dos predadores. Ao aceitar esta direito imposto pelo Estado de Israel aceitamos que ele é o nosso espelho.

Carlos Matos Gomes

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome