Edição online quinzenal
 
Domingo 21 de Abril de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Falha em ajudar um povo em perigo de genocídio

29-03-2024 - Hassan Hamadé

Algumas verdades são ainda mais mortais do que todas as conspirações contra a verdade, especialmente nestes tempos terríveis de mentiras, terror e injustiça. A partir de agora, cada um de vós pode ousar, se quiser, dizer a verdade sem medo de sofrer a temida correcção "guilhotina", que nada mais é do que a acusação de anti-semitismo e das suas dolorosas consequências, quer na sua vida profissional ou na sua vida familiar e social; uma acusação que é usada e abusada.

Desta vez, a verdade veio de onde menos se esperava e de uma pessoa que nunca deveria admiti-la: o general israelita Yitztshak Barik. Fiel às práticas inerentes à sua posição como chefe do Serviço de Segurança Interna, o General Barik representava, aos olhos dos palestinianos, a crueldade personificada. Ele foi o punho de ferro da entidade estatal sionista na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. E, no entanto, ele é o homem através do qual a surpresa vem.

Barik ousa justificar o ataque palestino de 7 de outubro de 2023, ousa reconhecer, implicitamente e por ricochete, a vocação resistente do movimento Hamas, ao mesmo tempo que ataca a dupla dirigente do extremismo do governo sionista na pessoa do Ministro da Segurança, Itamar Ben -Gvir, e seu colega de Finanças, Bezalel Smotrich, cuja influência nas decisões oficiais é preponderante e decisiva.

Foram estes dois ministros que fizeram da erradicação da presença palestiniana no território da Palestina a sua principal prioridade - começando pelas áreas ocupadas em 1967, seguidas pelas ocupadas em 1948, ou seja, a limpeza étnica de todo o território da Palestina histórica, entre o rio Jordão e a costa mediterrânica; “Do rio ao mar”, segundo a famosa canção que se tornou mundialmente famosa graças às gigantescas manifestações contra o genocídio perpetrado à vista de todos os habitantes do planeta Terra.

Com base no seu historial de guerra em 1973, como evidenciado pelos ferimentos sofridos no rosto e no corpo nas batalhas do Sinai, este franco general considera-se plenamente no direito de dar lições às gerações mais jovens do seu povo, que estão a ser levadas directamente para a guerra. o abismo pelos seus actuais líderes, a quem descrevem como... "mentirosos".

Numa entrevista recente concedida há poucos dias ao canal de língua inglesa AI-Jazeera, o General Barik resumiu a situação da população palestiniana em geral e dos habitantes de Gaza em particular em termos inequívocos:

Barik: “Eles sonham com a liberdade, mas não conseguem alcançá-la. Gostemos ou não, controlamos a vida de milhões [deles]”.

Al-Jazeera: “Se você fosse palestino e vivesse na Cisjordânia ou em Gaza, como julgaria Israel?”

Barik: “Eu lutaria contra Israel para obter minha liberdade”.

Al-Jazeera: "Até onde você iria na sua luta?

Barik: “Eu faria qualquer coisa para obter minha liberdade”.

E é isso.

Como resultado, o General Barik considera que nenhum outro sionista talmúdico tem o direito, ou está em posição, de lhe dar um sermão sobre o passado, presente ou futuro do "Estado Judeu". Ele está em melhor posição do que qualquer outra pessoa nesta disciplina. Suas palavras provam isso.

A surpresa não termina aí, no entanto, ao testemunharmos o encontro sem precedentes de Barik com o mais poderoso e famoso dos combatentes sionistas, David Ben-Gurion. Este último, um dos três fundadores de Israel, juntamente com Haïm Weizmann e Nahum Goldmann, chegou há setenta anos a uma dedução próxima daquela que agora assombra a mente e o coração do General Barik, causando-lhe lágrimas atrozes. Sete décadas separam os dois casos. A confissão pública de Barik pode muito bem ter resultado da confissão privada de Ben Gourion ao único homem de quem gostava entre os notáveis ​​do conselho sionista, o único cujas críticas ele aceitou: Nahum Goldmann.

No seu notável livro The Jewish Paradox [ 1 ] , este último relata as discussões que teve com Ben-Gurion em 1956, durante uma noite sem dormir na residência privada do então primeiro-ministro. Entre outras coisas, ele relata a seguinte passagem:

Naquela noite, uma linda noite de verão, tivemos uma conversa franca sobre o problema árabe. Não entendo o seu otimismo", disse-me Ben Gurion. Se eu fosse um líder árabe, nunca assinaria um tratado de paz com Israel. É normal; tomamos o país deles. Claro, Deus nos prometeu isso, mas por que eles deveriam se importar? Nosso Deus não é o Deus deles. É verdade que viemos de Israel, mas isso foi há dois mil anos: o que isso tem a ver com eles? Havia o anti-semitismo, os nazistas, Hitler, Auschwitz, mas foi culpa deles? Eles só veem uma coisa: nós viemos e roubamos o país deles. Por que eles deveriam aceitar isso?

Estas declarações, do chefe da notória Haganah e do actual general, são quase cópias uma da outra, complementando-se e virtualmente exonerando os palestinianos, quer os governos sionistas árabes ou os governos sionistas europeus gostem ou não. Em ambos os casos, estamos a testemunhar um seguimento quase cego do ditame de Washington, o que os levou a participar activamente no genocídio de Gaza que está em curso há quase seis meses. Vergonhoso. Os dois “grupos”, representados tanto pela Liga Árabe como pela Comissão da União Europeia, estão a competir pelo papel dos mais subservientes aos mais sanguinários dos sucessivos governos de Israel. Os dois “conjuntos” recusam-se constantemente a aceitar as vozes da razão que são ouvidas, seja dentro do Estado de Israel ou na diáspora judaica.

Na verdade, tornou-se uma constante política para os dois “conjuntos” boicotar todos os movimentos judaicos críticos do sionismo. Esta atitude não é nova, mas remonta ao início dos anos oitenta do século passado com o nascimento do movimento "Paz Agora", no âmbito do que foi chamado de "Campo da Paz Israelense", com duas personalidades respeitáveis ​​e credíveis como porta-vozes. : o famoso jornalista e político Uri Avneri e o general Mattityahu Peled, famoso por sua participação em todas as guerras desde 1948, depois Suez em 1956, a guerra de 1967 seguida pela guerra de desgaste que durou 6 anos e foi coroada pela guerra de 1973. Homens convencidos da necessidade de escolher a paz como única salvação tanto para judeus como para árabes.

Infelizmente, um obstáculo euro-árabe surgiu no seu caminho, formado por governos cuja vocação original era isolar as correntes judaicas anti-sionistas. Esta frente euro-árabe pró-sionista é o verdadeiro obstáculo no caminho de pessoas como Barik, que tentam tirar partido das lições da história, embora a sua corrente esteja destinada a ganhar terreno, em primeiro lugar, devido à determinação do povo palestiniano, cujo o sofrimento desperta a consciência dos povos do mundo e cujo heroísmo suscita a sua admiração, e em segundo lugar porque a verdade no terreno nos territórios ocupados de 1967 e 1948 demonstra que seria impossível para Israel “vencer” sem recorrer ao procedimento genocida .

Mas no caso específico da Palestina, poderemos realmente vencer através deste tipo de escolha estratégica?

A nossa vida quotidiana testemunha o contrário, assim como as muitas contradições que desestabilizam o Estado Judeu e agravam os seus problemas existenciais. Já para não falar das fissuras excessivas que se multiplicam nos edifícios das democracias euro-árabes reduzidas ao estatuto de escravos dispostos a sacrificar os seus próprios interesses aos interesses dos EUA...

Cada uma das duas “democracias” aceita sacrificar-se na batalha pela preservação dos monopólios da unipolaridade, em detrimento dos interesses vitais dos povos europeus e árabes.

Como resultado, a Europa está a tornar-se arabizada, ou libanizada, e o mundo árabe está a retroceder em direcção a um maior niilismo. “Israel tem o direito de se defender”, slogan brandido e repetido mecanicamente pelas democracias euro-árabes, concretiza-se, na prática, em termos de genocídio, cujas principais vítimas são crianças e mulheres. Este slogan serve de incentivo ao crime e, no caso da Palestina, de incentivo ao genocídio. Estranha civilização europeia.

Barik certamente conseguiu fazer-se ouvir ao soar o alarme, pois é bem sabido que este velho aventureiro é uma das poucas pessoas que estão bem conscientes da verdadeira situação nas FDI.

Aproveitando a sua credibilidade, ele não hesitou em insistir no assunto, apelando ao governo de Benjamin Netanyahu, e por trás dele a todo o establishment político-militar, para parar de mentir ao povo. As suas tácticas não pararam por aí, no entanto, ao descrever os dois ministros, Ben Gvir e Smotrich, como “terroristas”. E se esta grave acusação foi quase obscurecida pelas democracias europeias, foi virtualmente negligenciada pelos sionistas árabes, inconscientes do facto de que este genocídio, em curso há quase seis meses, perpetrado por todas as ferramentas de extermínio de um povo inteiro (sede , fome, micróbios e vírus, envenenamento, etc., além de armas de destruição em massa?) é apenas um ensaio geral para o que lhes acontecerá num futuro não muito distante.

Desde a Nakba, as questões existenciais sobre o futuro de Israel nunca foram colocadas tão seriamente como são hoje. Barik sabe que Ben Gourion foi o primeiro a perguntar-lhes. Na verdade, em O Paradoxo Judaico, lemos outra confissão de Ben Gurion: “Em breve terei setenta anos. Bem, Nahum, se você me perguntar se morrerei e serei enterrado em um estado judeu, eu diria que sim: daqui a dez anos, daqui a quinze anos, acho que ainda haverá um estado judeu. Mas se você me perguntar se meu filho, Amós, que fará cinquenta anos no final do ano, tem chance de morrer e sendo enterrado em um estado judeu, eu lhe daria uma resposta de cinquenta por cento.

Mas", interrompi, "como você pode dormir com a ideia de tal perspectiva e ainda ser primeiro-ministro de Israel?

Ben Gourion respondeu imediatamente: " Quem disse que eu durmo?

.. Voltar às questões existenciais, especialmente ao ouvir as dezenas e centenas de milhares de jovens manifestantes, nas ruas das capitais europeias e nos Estados Unidos, cantando a liberdade total da Palestina “Do rio ao mar”. Com as palavras determinadas do General Barik, apoiadas pelos julgamentos, receios e previsões de Ben Gourion, não havia necessidade de arriscar a temida punição na guilhotina. Tudo o que tínhamos de fazer era apelar à abolição do apartheid e, portanto, da discriminação racial. A abolição deste flagelo é seguida pela solução de um Estado democrático unificado, sem qualquer distinção de raça, etnia ou religião.

Quanto à chamada “solução de dois Estados”, nunca foi mais do que uma “solução de duas mentiras”. Trazer isso à tona novamente é brincar de esconde-esconde com o diabo. O genocídio que estamos a testemunhar, no qual participam sionistas árabes e sionistas europeus, sob as ordens de Washington e Londres, derrubou todas as máscaras que escondiam a verdadeira face das democracias.

Todos os parceiros nesta expedição genocida merecem ser chamados a prestar contas. O seu silêncio vergonhoso testemunha a sua participação activa no crime de não ajudar um povo em perigo de extermínio.

Fonte: REDE VOLTAIRE

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome