Edição online semanal
 
Sexta-feira 20 de Setembro de 2019  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Nicolás Maduro decretou estado de alerta laranja na fronteira com a Colômbia

06-09-2019 - AbrilAbril

O presidente da Venezuela decretou esta terça-feira o estado de alerta laranja nos estados fronteiriços com a Colômbia, face às ameaças de uma eventual agressão militar a partir do país vizinho.

Durante a sessão comemorativa do nono aniversário da Universidade Militar Bolivariana, no Forte Tiuna, em Caracas, o chefe de Estado venezuelano repudiou a política hostil levada a cabo pelo governo colombiano, liderado por Iván Duque, contra a Venezuela.

«Dei ordens ao Comandante Estratégico Operacional da Força Armada Nacional Bolivariana [FANC] e a todas as unidades militares da fronteira para que declarem um alerta laranja face à ameaça de agressão da Colômbia contra a Venezuela», afirmou Nicolás Maduro, citado pela Prensa Latina.

O presidente venezuelano disse que o actual executivo da Colômbia procura um confronto entre ambos os países. «Agora quer acusar a Venezuela de ser a causadora de uma guerra que tem 70 anos na Colômbia», denunciou.

Maduro anunciou ainda que, entre 10 e 28 de Setembro, terão lugar os exercícios militares «Soberania e Paz», tendo como objectivo de «resguardar e preservar a segurança e a soberania» ao longo de toda a fronteira com a Colômbia.

Agora as desculpas são as FARC-EP...

O governo colombiano de Iván Duque, cuja acção intervencionista, desestabilizadora e golpista contra o governo legítimo de Nicolás Maduro, ao serviço de Washington, tem sido reiteradamente denunciada pelas autoridades de Caracas, aumentou o registo agressivo nos últimos dias contra o governo venezuelano, acusando-o de estar ligado ao regresso à luta armada por parte de um grupo de guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército do Povo.

Duque: «É preciso garantir a ruptura no seio das Forças Armadas venezuelanas»

A este título, a Venezuela classificou como «insólitas» as pretensões do presidente colombiano de «passar para terceiros países e terceiras pessoas a sua exclusiva responsabilidade na planeada desmontagem do processo de paz e no incumprimento dos compromissos assumidos e firmados pelo Estado colombiano perante o mundo e o seu povo», refere a Prensa Latina.

Além disso, exortou os actores que protagonizaram os acordos de paz assinados em Havana em 2016 a esgotar todos os esforços de modo a evitar mais sofrimento da população civil no país andino-amazónico.

Recorde-se que a Venezuela cortou relações diplomáticas com a Colômbia em Fevereiro deste ano, depois de ter denunciado as «reiteradas agressões provenientes do país vizinho» e no contexto dos graves acontecimentos ocorridos no estado de Táchira, ligados à tentativa fracassada da oposição de fazer entrar uma suposta «ajuda humanitária» com apoio das autoridades de Bogotá e dos EUA.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome