Edição online semanal
 
Sexta-feira 24 de Novembro de 2017  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Investidores há, não chegam é a abrir a mala do dinheiro na Web Summit

10-11-2017 - Diogo Ferreira Nunes

Correm os pavilhões a ouvir startups sedentas de financiamento. Mas os investidores que vieram a Lisboa fecham poucos negócios.

São 1400 e vieram a Lisboa com mandato para investir. Mas não chegam a abrir os cordões à bolsa durante a Web Summit. Os investidores que desde segunda-feira atravessam as portas dos pavilhões da FIL e Altice Arena, com cartão vermelho ao meio, percorrem os eventos paralelos a ouvir o pitch das startups sedentas de financiamento para as suas ideias. São os mais procurados durante estes dias, especialmente pelos participantes de crachá amarelo, as startups Alpha que estão numa fase mais precoce de financiamento. Mas fecham poucos negócios.

"Na Web Summit investimos em relações para o futuro e tentamos perceber a dimensão do financiamento que estas empresas podem precisar nos próximos meses", explica Julian Bennet, sócio do InvestCorp, antes da próxima reunião com uma empresa. Representa um fundo de investimento do Bahrein que investe em companhias europeias com pelo menos dez milhões de euros e que procura novos clientes. Mas entre o primeiro contacto em cimeiras como a Web Summit e o fecho do contrato de financiamento são necessários vários meses.

A 360imprimir é exemplo disso. Em abril, a startup, que é a primeira gráfica online portuguesa, recebeu quatro milhões de euros em capital de risco, na sua primeira grande ronda de investimento. O private equity Omnes Capital foi um dos dois fundos que participaram nesta operação. "Investimos na empresa nove meses depois de a conhecermos", diz ao DN/Dinheiro Vivo François Xavier, responsável de investimento do fundo francês.

O representante está a participar pela segunda vez na Web Summit. "É um evento em que é fácil as startups estarem com os investidores. A organização facilita muito o trabalho e faz muito bem o ponto de encontro. Também dá para voltar a encontrar empresas que conhecemos anteriormente, ver a sua evolução e perceber se dá efetivamente para investir nelas", explica o francês, acrescentando que são precisos mais eventos como a Web Summit. "É a melhor forma de as startups conhecerem potenciais investidores."

Já Yasu Kawashima é um estreante na cimeira tecnológica, mas vem com os pés assentes na Terra. "É uma boa oportunidade para conhecer pessoalmente as startups, sobretudo as europeias." De origem japonesa mas a trabalhar nos Estados Unidos, representa a I-Movad, agência publicitária que apenas investe em novas áreas de negócio. O balanço da cimeira para já é so far so good e "a aplicação da Web Summit é muito útil e funciona muito bem", reconhece. Da agência de investimento de Hong Kong vem Paula Kant. A empresa aposta em startups "que querem crescer para o mercado asiático e que poderão usar Hong Kong como porta de entrada na China ou mesmo criar um hub regional". Da Web Summit querem levar empresas com potencial. Mas Paula deixa um aviso: "O investimento só ocorre vários meses depois da Web Summit ou mesmo só um ano depois." Para ter sucesso num evento como este é necessário "planear muito bem e aparecer nos eventos paralelos". E muita paciência.

A diversidade de startups da Web Summit, no entanto, não agrada a todos os participantes. "Deveria haver um filtro por setores ou por nível de investimento que as empresas procuram para uma cimeira tão grande como esta. É difícil diferenciar o tamanho das startups que estão presentes", lamenta Julian Bennet, sócio do InvestCorp.

Há mesmo investidores que não pensam voltar à cimeira fundada por Paddy Cosgrave. "É a primeira vez que estamos na Web Summit e estamos desiludidos. Há demasiada gente, não há qualquer estrutura e há filas em todo lado para onde a gente vá. Pagámos centenas de euros pelo bilhete e chegamos a demorar mais tempo na fila para comprar comida do que a olhar para algumas startups que nos possam interessar", lamenta Serkan Katilmis. Para este gestor de portfólio do fundo de capital de risco Amplicade, "mais valia a Web Summit focar-se em vários setores".

Maria Patrão, do fundo InvestCorp, considera "irónico que a aplicação móvel tenha vários problemas e não seja fácil de utilizar", o que dificulta a realização de encontros e de potenciais investimentos. Apesar disso, "a Web Summit tem um ambiente tão bom que voltaremos cá nos próximos anos", diz. Objetivo: abrir a porta a novos investimentos.

Fonte: Dinheiro Vivo

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome