Edição online semanal
 
Sábado 18 de Janeiro de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Ano novo, a mesma luta em Hong Kong: uma multidão nas ruas e 400 detidos

03-01-2020 - NA

A contagem para a entrada em 2020 em Hong Kong foi diferente do habitual: “dez, nove, liberdade para Hong Kong, revolução do nosso tempo!” Já no primeiro dia do ano o cenário foi igual a tantas vezes nos sete meses anteriores: manifestação massiva, gás lacrimogéneo, canhões de água e detenções.

Mais de um milhão dizem os organizadores. Bem menos retorque a polícia. O habitual jogo dos números não apaga a evidência. No primeiro dia de 2020 esteve uma multidão nas ruas de Hong Kong em defesa da democracia e dos famosos “cinco pontos”: reforma eleitoral, amnistia para os participantes nas manifestações, investigação ao uso da força policial, retirada da acusação de “distúrbios” e retirada total da lei de extradição.

Já o número de detidos avançado pela polícia não deverá ser contestado: foram 400, acusados de “ajuntamento ilegal e posse de armas ofensivas”, segundo o chefe da polícia Jim Ng.

O dia ficou marcado quer pelo disparo de gás lacrimogéneo e canhões de água por parte da polícia, quer pelas barricadas e lançamento de dispositivos incendiários artesanais por parte de alguns dos manifestantes. A maioria esmagadora destes, ainda segundo as próprias autoridades, não causou distúrbios. Os problemas voltaram a começar numa sucursal do banco HSBC. Este é acusado de ter denunciado à polícia uma conta de recolha de fundos para os protestos, levando à prisão de quatro pessoas.

Isto significou o fim do protesto oficial, marcado pela Frente Civil dos Direitos Humanos, por ordem da polícia. Mas não quis dizer o fim da manifestação já que as pessoas continuaram a desfilar nas ruas. As autoridades viram aí uma razão para prender manifestantes e acusá-los de “ajuntamento ilegal”. Com o cair da noite, houve ainda mais confrontos. Passaram a ser cinco as filiais do HSBC partidas. E também um Starbucks foi atacado. Mais uma vez, porque a filha do dono da empresa que detém a concessão desta marca em Hong Kong tem feito declarações contra o movimento pró-democracia.

Na véspera, por razões de segurança, o tradicional fogo de artifício foi cancelado por razões de segurança e substituído por um espectáculo de luz e música. Mas nada conseguiu impedir que o momento da passagem do ano fosse marcado pela contagem: “dez, nove, liberdade para Hong Kong, revolução do nosso tempo!”

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome