Edição online semanal
 
Sexta-feira 6 de Dezembro de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Entidade Reguladora denuncia falhas graves na prestação de cuidados de saúde

29-11-2019 - N.A.

A Entidade Reguladora condenou várias unidades de saúde por deficiente assistência a doentes, recusa de cuidados, má articulação entre estruturas e pagamentos indevidos.

São quase 40 processos de instrução levantados pelo regulador relativos ao 3º trimestre do ano e uma contra-ordenação. Uma multa de 2500 euros ao Centro Hospitalar de Leiria por ter negado exame a um utente por ter dívidas de 80 euros em taxas moderadoras já prescritas.

Destacam-se ainda as falhas na assistência a uma mulher que morreu vítima de paragem cardiorrespiratória na urgência após ter sido transferida do Hospital de Gaia para o da Feira sem garantida cama de cuidados intensivos ou intermédios, e o Centro Hospitalar do Algarve, onde um doente morreu antes de fazer quimioterapia por atraso nos pedidos de exames.

A ERS detectou várias falhas na assistência a uma mulher de 74 anos que morreu vítima de paragem cardiorrespiratória, após ter sido transferida do Hospital de Gaia para a Feira, como conta a jornalista Rosa Azevedo.

Segundo os dados recolhidos pelo regulador, a mulher foi vítima de atropelamento em Dezembro do ano passado tendo dado entrada no Hospital de Gaia com traumatismo crânio-encefálico grave e fracturas da coluna cervical e da bacia.

Após tratamento e estabilização das lesões agudas, a doente viria a ser transferida para o Hospital da Feira, na sua área de residência, apesar de esta unidade ter informado o Hospital de Gaia de que não dispunha de vaga para o internamento.

A mulher ficou assim na sala de observações do Serviço de Urgência (SU) desta unidade, vindo a morrer dois dias depois em paragem cardiorrespiratória.

A ERS considera "totalmente inadmissível" a decisão do Hospital de Gaia de transferência da utente sem que se encontrasse devidamente assegurada a continuação do nível de cuidados prestados, "prejudicando com a sua conduta a integração dos cuidados a prestar".

Concluiu que o Hospital da Feira "não acautelou o devido acompanhamento" da utente, uma vez que aquela "permaneceu sem qualquer vigilância/ou monitorização no SU durante, pelo menos 10 horas".

Exames chegaram depois da morte

Um doente oncológico do Centro hospitalar Universitário do Algarve também foi alvo de deficiências na assistência. A conclusão da ERS foi que o doente teve de esperar demasiado por exames.

O paciente em tratamento a um cancro no pulmão esperou quase dois meses pelos resultados de um exame genético que foi pedido ao Instituto Português de Oncologia para definir a terapêutica e que chegou tarde demais.

O doente acabou por morrer sem fazer quimioterapia por causa desse atraso nos exames.

Fonte: RTP

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome